Menu
Busca sábado, 15 de maio de 2021
(67) 99647-9098
TJMS - maio21
Economia

De devedor a credor: Brasil pode emprestar dinheiro à Europa

17 agosto 2012 - 10h50Shutterstock

De 2002 a 2012, o Brasil conseguiu o que parecia impossível, o montante de reservas internacionais saiu de US$ 37,8 bilhões, acumulados com empréstimos do Fundo Monetário Internacional (FMI), para US$ 373,7 bilhões. Esse crescimento de reservas ocasionou uma inversão do status quo: recentemente, o FMI pediu dinheiro ao Brasil, para ajudar na violenta crise que assola a Europa.

Um empréstimo nesse momento poderia ser uma manobra arriscada, mas envolve lucros e questões além das econômicas, como explica o economista da Fundação de Economia e Estatística (FEE) e professor da PUCRS Alfredo Meneghetti. "O Brasil tem uma relação política muito adequada com a Europa, os riscos seriam relacionados aos países que estão em situação mais complicada, como Grécia, Espanha e Itália", afirma.

O grande montante de reservas internacionais proporciona ao Brasil a possibilidade de emprestar dinheiro sim. Porém, para Meneghetti, há motivações extras. "Existem ganhos políticos, principalmente em um ano eleitoral. Externamente, seria bom, pois buscamos cadeiras em organizações internacionais, daí o interesse de estar noticiando, divulgando, mostrando pra comunidade internacional que existem grandes reservas", destaca.

Este grande aumento de dinheiro em caixa interno deve-se a uma série de fatores, segundo Meneghetti. "A balança comercial, com exportação e importação equilibrados, ocasionou um salto superavitário, alavancando as possibilidades de montar-se um volume de reservas positivo; o Brasil desenvolveu, nos últimos 10 anos, políticas superavitárias, uma redução nos repasses para estados e municípios, assim, permitiu que mais dinheiro pudesse ser mantido. Houve também um aumento de Investimentos Extrangeiros Diretos (IED), fatores decisivos para que as reservas subissem", aponta.

Ainda segundo o economista da FEE, os riscos de um calote teriam efeitos econômicos, mas eles não seriam os únicos. "O maior custo, além do financeiro, seria o politico, em termos eleitorais. Certamente, intelectuais, instituições e alguns segmentos ligados a sindicatos teriam uma vantagem politica nas próximas eleições, com a argumentação sobre uma possível falta de coerência da nossa politica internacional", reforça Meneghetti.

Via Terra

Genetica 1

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Caixa antecipa 2ª parcela do auxílio emergencial; veja o calendário
Economia
Saque do auxílio emergencial está disponível para novo grupo
Economia
Beneficiários nascidos em setembro podem sacar auxílio emergencial
Economia
Beneficiários nascidos em julho podem sacar auxílio emergencial
Cidade
Véspera do Dia das Mães lota centro da Capital
Economia
Beneficiários nascidos em junho podem sacar auxílio emergencial nesta sexta
Economia
Nascidos em maio podem sacar auxílio emergencial
Economia
Beneficiários nascidos em abril podem sacar auxílio emergencial
Economia
Trabalhadores nascidos em março podem sacar auxílio emergencial
Economia
Beneficiários nascidos em fevereiro podem sacar auxílio emergencial

Mais Lidas

Polícia
Jacaré é capturado dando 'rolê' em cidade de MS
Internacional
Estados Unidos inicia vacinação contra a Covid-19 em Nova York
Polícia
Morador de rua tenta matar desafeto a pauladas no interior do Estado
Polícia
Briga por capacete acaba em tentativa de homicídio