Menu
Busca sexta, 20 de setembro de 2019
(67) 99647-9098
Governo Segurança
Economia

Economia tem alta de 0,2% no segundo trimestre

Setor de serviços, que já apresentava taxas positivas, continuou em expansão

14 agosto 2019 - 16h55Rauster Campitelli, com informações da Agência Brasil

O Produto Interno Bruto brasileiro (PIB), que é soma de todos os bens e serviços fabricados no país, cresceu 0,2% no segundo trimestre deste ano em comparação aos três primeiros meses de 2019. As informações são do Monitor do PIB-FGV, divulgado nesta quarta-feira (14). Em junho, o indicador registrou avanço de 0,7% para a economia, em comparação ao mês anterior.

O coordenador do relatório, economista Claudio Considera, disse que o resultado “mostra que não estamos em recessão técnica. Mostra um crescimento, uma taxa positiva, embora a economia esteja crescendo muito pouco”. A estimativa do Ibre é que o ano termine com evolução do PIB entre 0,8% e 1,1%.

Em relação ao segundo trimestre de 2018, a economia cresceu 0,7%, o que contribuiu para trazer de volta a taxa acumulada em 12 meses para 0,9%, mesma variação observada no primeiro trimestre do ano.

O Monitor do PIB é elaborado pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre-FGV) e estima mensalmente o PIB brasileiro em volume e em valor. Seu objetivo é prover a sociedade de um indicador mensal do PIB, tendo como base a mesma metodologia das Contas Nacionais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Setor de serviços continua em expansão

Conforme o relatório, entre os três grandes setores da economia, a agropecuária e a indústria apresentaram taxas negativas no segundo trimestre de 2019 ante igual período do ano passado (-1% cada), enquanto o setor de serviços, que já apresentava taxas positivas há dez trimestres, continuou em expansão (1,2%), destacando comércio e transportes.

Comparativamente ao acumulado janeiro/março deste ano, o setor de serviços cresceu 0,3%. Na indústria, o principal destaque negativo foi a indústria extrativa, que caiu 8,8%, em função principalmente da queda da barragem da mineradora Vale em Brumadinho (MG), analisou Considera.

Já a taxa de investimento, ou formação bruta de capital fixo (FBCF), subiu 4% no segundo trimestre, em comparação ao mesmo período do ano passado, impulsionada pelo crescimento de 8,3% de máquinas e equipamentos, que reverteu a trajetória de queda registrada no início do ano. Em relação ao primeiro trimestre deste ano, a taxa evoluiu 2,3%, após dois recuos consecutivos.

No lado da demanda, o consumo das famílias cresceu 2,1% no segundo trimestre de 2019, em comparação ao mesmo trimestre de 2018, impulsionado pelos serviços e também por bens duráveis, que experimentaram expansão de 7% nos três primeiros meses deste ano, ante igual período de 2018. Em comparação ao trimestre anterior, o consumo das famílias aumentou 0,7%. Esse foi o décimo crescimento consecutivo desse componente, segundo o Monitor do PIB-FGV.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Devido a elevação do PIB, governo desbloqueia R$ 8,3 mi orçamentário
Economia
MS tem cinco municípios entre os 10 maiores produtores de eucalipto do Brasil
Economia
Mega-Sena: Bolão de funcionários do PT ganha R$ 120 milhões
Economia
Começa pagamento do Pis/Pasep dos nascidos em setembro
Economia
Mega-Sena deve sortear prêmio de R$ 120 mi nesta quarta-feira
Economia
Governo estuda congelar salário mínimo temporariamente
Economia
Mega-Sena pode sortear 120 milhões nesta quarta-feira
Economia
Brasil poderá exportar produtos lácteos para o Egito
Economia
Termômetro do Varejo: expectativa positiva com o uso do FGTS anima comércio
Economia
Inadimplência e endividamento do consumidor têm alta em agosto

Mais Lidas

Cidade
Mais dois radares na Afonso Pena começam a multar
Polícia
Para fazer ex-mulher sofrer, pai mata filho de 2 anos afogado em bacia
Internacional
Tragédia – Incêndio em escola mata 263 alunos e 2 professores
Polícia
Assassino de Ronaldo assume quatro homicídios da década de 80