Menu
Busca domingo, 17 de janeiro de 2021
(67) 99647-9098
TJMS Janeiro/21 juizado de transito
Economia

Governo vai prorrogar IPI menor para linha branca

23 março 2012 - 09h59Reprodução

A redução do Imposto sobre Produtos Industrializados de linha branca, como fogão, lavadora e geladeira, anunciada em dezembro de 2011, acabaria no dia 31, mas o governo federal vai prorrogar por mais três meses, com o objetivo de estimular o consumo e a indústria.

O setor varejista, no entanto, quer que o governo estenda a medida por mais tempo - 6 a 9 meses - e reivindica a inclusão de móveis e material de construção no pacote. Segundo Fernando de Castro, presidente do IDV (Instituto para Desenvolvimento do Varejo), o pedido de prorrogação foi enviado ao Ministério da Fazenda há dois meses e, sem uma resposta, renovado há dois dias.

"Queremos marcar uma reunião para discutir o assunto com o [Guido] Mantega [ministro da Fazenda] na próxima semana. Estamos nos mobilizando para isso", diz o presidente da instituição, que reúne 35 grandes varejistas do país, como Magazine Luiza e Grupo Pão de Açúcar. Segundo ele, com o IPI menor mantido, haverá mensalmente um efeito positivo de três pontos percentuais nas vendas do varejo.

Balanço

Sob o efeito da redução, as vendas de eletrodomésticos da linha branca tiveram aumento de 22,63%, na média, entre dezembro e fevereiro, na comparação com o mesmo período do ano anterior. Os dados se referem só aos produtos que ficaram com imposto menor (geladeira, fogão, lavadora, tanquinho). A estimativa foi feita pelo IDV.

"É fundamental manter a desoneração. Estamos prevendo uma desaceleração do varejo nos próximos meses. O governo deve tomar medidas adequadas para permitir a retomada da economia", afirma Fernando de Castro.

Segundo o levantamento, o benefício fiscal puxou as vendas desses produtos em 15 a 20 pontos percentuais. "O IPI menor já surtiu efeito, mas o prazo do benefício [de quatro meses] foi muito curto. A decisão de compra de um eletrodoméstico não é imediata. É preciso mais tempo", diz Castro.

Para fogões, a alíquota, que era de 4%, foi zerada. Para as geladeiras, o percentual foi reduzido de 15% para 5% e, para as máquinas de lavar, de 20% para 10%. A alíquota sobre tanquinhos também foi zerada (era de 10%). A desoneração da linha branca já havia sido feita em abril de 2009. Na época, a medida também foi prorrogada.

Via Folha.com

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Depois de 17 anos, Paulo Ponzini volta à Presidência do Corecon-MS
Economia
Número de pessoas inadimplentes cai no fim de 2020
Economia
A partir desta quinta, gás de cozinha vai ficar 6% mais caro
Economia
Nascidos em março podem sacar auxílio nesta segunda
Economia
Após movimentar bilhões, especialistas apontam Pix como "principal revolução financeira"
Economia
Prazo para pedir saque do FGTS emergencial acaba hoje
Economia
Em 2021, idade para se aposentar vai aumentar; confira as novas regras
Economia
Bolsonaro anuncia aumento do salário mínimo para R$ 1.100
Economia
Empresas devem encerrar os acordos feitos com os funcionários até quinta
Economia
Caixa libera parcela do auxílio emergencial para nascidos em novembro

Mais Lidas

Polícia
Jacaré é capturado dando 'rolê' em cidade de MS
Internacional
Estados Unidos inicia vacinação contra a Covid-19 em Nova York
Polícia
Morador de rua tenta matar desafeto a pauladas no interior do Estado
Polícia
Briga por capacete acaba em tentativa de homicídio