Menu
Busca domingo, 12 de julho de 2020
(67) 99647-9098
Governo coronavirus 02
Economia

Minha Casa Minha Vida será dividido em dois programas habitacionais

A afirmação é do ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto

04 junho 2019 - 12h55Priscilla Porangaba, com informações do G1

O governo pretende dividir o programa Minha Casa Minha Vida em dois novos programas de habitação social, um destinado a famílias de baixíssima renda e outro destinado a famílias de baixa e média renda.

A afirmação é do ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, em reunião da Comissão de Desenvolvimento Urbano da Câmara dos Deputados nesta terça-feira (4).

Segundo Canuto, dentro de cada programa haverá subdivisões. Naquele para famílias de baixíssima renda, por exemplo, serão atendidas famílias que não têm acesso ao crédito imobiliário, pessoas vindas de áreas afetadas por situações de emergência ou calamidade pública e também famílias afetadas por obras públicas. Nessa faixa, o custo das moradias será totalmente pago pelo governo.

Já no programa destinado à baixa e média renda haverá incentivo para a aquisição do imóvel, seja por acesso a financiamentos ou pelo que o ministro chamou de “poupança imobiliária”.

Essa poupança imobiliária seria uma espécie de aluguel pago pelo beneficiário, mas que pode ser usado para adquirir o imóvel que ele está ocupando ou qualquer outro imóvel.

A poupança seria acumulada enquanto as famílias ocupam o imóvel construído pelo governo. Gustavo Canuto negou, no entanto, que trate-se de cobrança de um aluguel. "Não é aluguel, não tem remuneração de capital. A pessoa faz uma poupança que pode usar para adquirir o imóvel", explicou.

Baixíssima renda

A referência para a inclusão nessa categoria será a renda de um salário mínimo. Esse valor pode ser maior ou menor dependendo da região.

Durante a reunião o ministro afirmou que “entendemos que definir um salário mínimo para acessar o programa nem sempre é justo. O poder de compra de um salário na região metropolitana de São Paulo não é o mesmo do poder de compra no agreste pernambucano. Foi criado um fator de localização, Então, dependendo da região, esse teto vai ser maior ou menor do que um salário mínimo”, finaliza.

PMCG Refis

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Confira: Caixa libera saque do 3º lote para nascidos em julho
Economia
Novo Toque de Recolher muda funcionamento dos shoppings de CG
Economia
Valor do leite sofre reajuste de 18% em MS durante a pandemia
Economia
230 mil empresários receberam indevidamente o auxílio de R$600, aponta TCU
Economia
Junho tem o maior volume de vendas do ano, diz Receita Federal
Economia
BNDES disponibiliza R$5 bi para micro, pequenas e médias empresas
Economia
Fiems e Banco do Brasil anunciam linha de crédito emergencial para empresários
Economia
Procon encontra variações de até 897% nos preços de produtos de inverno
Economia
Produção de petróleo em maio caiu devido pandemia
Economia
AO VIVO - Entidades orientam empresário a obter empréstimos de emergência

Mais Lidas

Esportes
Conmebol anuncia retorno da Libertadores para 15 de setembro
Internacional
Filho de Naya Rivera diz que viu a mãe 'desaparecer' no lago
Geral
Famosa, naja que picou estudante ganha ensaio e vira meme na web
Polícia
Casal de adolescentes é acusado por furto de notebooks, videogames e veículos