Menu
Busca terça, 27 de julho de 2021
(67) 99647-9098
Senai - EAD_senai_tecnico
Economia

Para Brasil, foco nos países pobres ajudou na vitória de Azevêdo

08 maio 2013 - 11h07Kote Rodrigo - 17.mar.2013/Efe

A eleição de Roberto Azevêdo ao comando da OMC (Organização Mundial do Comércio) foi comemorada pelo Brasil como um reconhecimento à política externa de aproximação com o hemisfério Sul, bandeira internacional do petismo.

Não por acaso, integrantes do Palácio do Planalto calculavam ontem que o resultado da votação deveu-se muito ao apoio majoritário das nações africanas e do aval integral dos demais Brics (Rússia, Índia, China e África do Sul).

A campanha envolveu, desde janeiro, os mais altos diplomatas de Brasília para cada região, que fizeram uma peregrinação pelas capitais em busca de votos.

Para assessores de Dilma Rousseff, porém, a vitória começou a ser desenhada em 2003, quando o Itamaraty passou a mirar fortemente nos países emergentes. Depois, criou corpo após a criação e consolidação do G-20 (grupo integrado pelas nações mais ricas e as emergentes).

Ontem, dizia-se na Esplanada que o Brasil não precisou ser devedor das tradicionais nações ricas para colocar os pés no "condomínio de Bretton Woods" --uma referência ao encontro em que os líderes das principais potências redefiniram o sistema financeiro internacional, em 1944, o que levaria à criação do FMI (Fundo Monetário Internacional).

O recado, apesar de velado, tem endereço certo: Reino Unido e os demais países que articularam até o último momento a favor do mexicano Herminio Blanco.

Aos olhos da própria Dilma, segundo alguns de seus interlocutores, a eleição de Azevêdo só deu mais sabor à vitória de um país que tem sido acusado de protecionista.

Em nota, Dilma agradeceu o apoio que o candidato "recebeu de governos de todo o mundo nas três rodadas". Em seguida, tentou despersonalizar: "Essa não é uma vitória do Brasil nem de um grupo de países, mas da OMC."

Pessoalmente empenhado em conquistar votos, o chanceler Antonio Patriota sai politicamente fortalecido.

No Planalto, a avaliação era de que o ministro ganhou vários pontos ao assegurar uma conquista inédita ao Brasil. Após o anúncio do placar, ele afirmou que a eleição demonstra uma "ordem internacional em transformação".

"Os países emergentes demonstram capacidade de liderança. Uma liderança que tem apoio no mundo em desenvolvimento, mas com reconhecimento no mundo desenvolvido", afirmou.

Para Patriota, a campanha criou um embate entre Norte e Sul. Segundo ele, no entanto, não há ressentimentos em relação aos países que votaram no mexicano. "Vamos seguir trabalhando com todos."

Via Folha

Cruzeiro do Sul - 44 anos

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Governo destina R$ 25,2 milhões de emendas parlamentares para saúde
Economia
Nascidos em setembro recebem auxílio emergencial nesta terça
Economia
Auxílio emergencial é pago a beneficiários do Bolsa Família com NIS 6
Economia
Preços de itens de cesta básica tem diferença de até 80,20%
Economia
Caixa paga hoje auxílio emergencial a nascidos em junho
Economia
Caixa paga hoje auxílio emergencial a nascidos em maio
Economia
Caminhoneiros avaliam paralisação nacional a partir de domingo
Economia
Auxílio Emergencial: Nascidos em abril recebem hoje
Economia
Dia dos Pais: mais pessoas pretendem presentear este ano
Economia
Caixa paga quarta parcela do auxílio emergencial para nascidos em março

Mais Lidas

Polícia
Homem enforca familiar após piada com derrota do São Paulo para o Flamengo
Polícia
Nem após cometer suicídio jovem escapa de assalto no Jardim Noroeste
Cidade
Foi selecionado? Prefeitura convoca aprovados em dois processos
Geral
Homem fuma maconha, escala montanha e cai de altura de 12 metros; veja vídeo