Menu
Busca sábado, 26 de setembro de 2020
(67) 99647-9098
Economia

Para Brasil, foco nos países pobres ajudou na vitória de Azevêdo

08 maio 2013 - 11h07Kote Rodrigo - 17.mar.2013/Efe

A eleição de Roberto Azevêdo ao comando da OMC (Organização Mundial do Comércio) foi comemorada pelo Brasil como um reconhecimento à política externa de aproximação com o hemisfério Sul, bandeira internacional do petismo.

Não por acaso, integrantes do Palácio do Planalto calculavam ontem que o resultado da votação deveu-se muito ao apoio majoritário das nações africanas e do aval integral dos demais Brics (Rússia, Índia, China e África do Sul).

A campanha envolveu, desde janeiro, os mais altos diplomatas de Brasília para cada região, que fizeram uma peregrinação pelas capitais em busca de votos.

Para assessores de Dilma Rousseff, porém, a vitória começou a ser desenhada em 2003, quando o Itamaraty passou a mirar fortemente nos países emergentes. Depois, criou corpo após a criação e consolidação do G-20 (grupo integrado pelas nações mais ricas e as emergentes).

Ontem, dizia-se na Esplanada que o Brasil não precisou ser devedor das tradicionais nações ricas para colocar os pés no "condomínio de Bretton Woods" --uma referência ao encontro em que os líderes das principais potências redefiniram o sistema financeiro internacional, em 1944, o que levaria à criação do FMI (Fundo Monetário Internacional).

O recado, apesar de velado, tem endereço certo: Reino Unido e os demais países que articularam até o último momento a favor do mexicano Herminio Blanco.

Aos olhos da própria Dilma, segundo alguns de seus interlocutores, a eleição de Azevêdo só deu mais sabor à vitória de um país que tem sido acusado de protecionista.

Em nota, Dilma agradeceu o apoio que o candidato "recebeu de governos de todo o mundo nas três rodadas". Em seguida, tentou despersonalizar: "Essa não é uma vitória do Brasil nem de um grupo de países, mas da OMC."

Pessoalmente empenhado em conquistar votos, o chanceler Antonio Patriota sai politicamente fortalecido.

No Planalto, a avaliação era de que o ministro ganhou vários pontos ao assegurar uma conquista inédita ao Brasil. Após o anúncio do placar, ele afirmou que a eleição demonstra uma "ordem internacional em transformação".

"Os países emergentes demonstram capacidade de liderança. Uma liderança que tem apoio no mundo em desenvolvimento, mas com reconhecimento no mundo desenvolvido", afirmou.

Para Patriota, a campanha criou um embate entre Norte e Sul. Segundo ele, no entanto, não há ressentimentos em relação aos países que votaram no mexicano. "Vamos seguir trabalhando com todos."

Via Folha

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Mega-Sena deve pagar R$ 50 milhões neste sábado
Economia
Abertura da fronteira depende de Bolsonaro
Economia
Sebrae lança cartilha para estimular debate do empreendedorismo na campanha
Economia
Caixa deposita auxílio para 4 milhões de brasileiros hoje
Economia
Beneficiários do Bolsa Família recebem hoje parcela de R$ 300 do auxílio
Economia
Vídeo mostra protesto em Pedro Juan
Economia
FGTS está na conta dos trabalhadores nascidos em dezembro
Economia
Nascidos em julho recebem auxílio hoje e poderão sacar em outubro
Economia
Brasil e Paraguai assinam acordo para reabrir a fronteira
Economia
Pagamentos do Ciclo 1 do auxílio emergencial estão concluídos

Mais Lidas

Cidade
Procon Estadual autua seis agências bancarias na capital
Polícia
Jovem é alvejado com seis tiros em espetinho no MS
Política
Bolsonaro apresenta ótima evolução clínica após cirurgia
Geral
Motociclista morre ao perder controle em curva e bater em árvore na praça do Preto Velho