Menu
Busca domingo, 19 de janeiro de 2020
(67) 99647-9098
Perkal Topo - janeiro-20
Economia

Projeção de economia cai pela 13ª vez seguida em 2019

O dado da projeção de crescimento do PIB foi divulgado em boletim do Banco Central (BC)

27 maio 2019 - 09h11Priscilla Porangaba, com informações da Agência Brasil

Pela 13ª vez seguida, o mercado financeiro segue reduzindo a estimativa de crescimento da economia. Neste ano, a projeção para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB), a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, caiu.

A estimativa foi reduzida de 1,24% para 1,23%. Para 2020, a projeção foi mantida em 2,50%, assim como para 2021 e 2022.

Os números são do boletim Focus, a publicação semanal é elaborada com base em perspectivas de instituições financeiras sobre os principais indicadores econômicos.

O boletim é divulgado às segundas-feiras, pelo Banco Central (BC).

Inflação

A estimativa de inflação, calculada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), foi mantida em 4,07% este ano, em 4%, em 2020, e em 3,75%, em 2021 e 2022.

A meta de inflação de 2019 é de 4,25% com intervalo de tolerância entre 2,75% e 5,75%, segundo o Conselho Monetário Nacional (CMN). A estimativa para 2020 está no centro da meta: 4%. Essa meta tem intervalo de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

Para 2021, o centro da meta é 3,75%, também com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual. O CMN ainda não definiu a meta de inflação para 2022.

O BC usa como principal instrumento a taxa básica de juros, a Selic, para controlar a inflação. Para o mercado financeiro, a Selic deve permanecer no seu mínimo histórico de 6,50% ao ano até o fim de 2019.

Para o fim de 2020, a projeção permanece em 7,25% ao ano. Para o fim de 2021, a previsão foi mantida em 8% ao ano e para o final de 2022, segue em 7,50% ao ano.

A Selic, que serve de referência para os demais juros da economia, é a taxa média cobrada nas negociações com títulos emitidos pelo Tesouro Nacional, registradas diariamente no Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic).

A manutenção da Selic este ano, como prevê o mercado financeiro, indica que o Copom considera as alterações anteriores nos juros básicos suficientes para chegar à meta de inflação.

Ao reduzir os juros básicos, a tendência é diminuir os custos do crédito e incentivar a produção e o consumo. Para cortar a Selic, a autoridade monetária precisa estar segura de que os preços estão sob controle e não correm risco de ficar acima da meta de inflação.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Com simplificação no processo, MS bate recorde em abertura de negócios
Economia
Campo Grande é campeã em novas empresas em 2019
Economia
Dólar sobe mais uma vez e fecha o dia a R$ 4,19
Economia
Refis segue até março com superdescontos
Economia
PIS pode ser sacado nesta quinta para nascidos em janeiro e fevereiro
Economia
Brasil está se adequando para ser membro pleno da OCDE, diz Bolsonaro
Economia
Receita paga restituições do lote residual de janeiro do IRPF nesta quarta
Economia
Políticas Públicas no MS terão investimento de R$ 879 mil
Economia
Nota Premiada tem apoio da Fecomércio
Economia
Em 2019, agronegócio brasileiro exportou US$ 96,8 bi

Mais Lidas

Internacional
Brasil assina acordo agrícola com Alemanha
Internacional
Rainha aprova saída de Harry e Meghan, mas com uma condição
Política
Prazo para regularização do título termina em maio
Internacional
Morre menor homem do mundo com 27 anos e 67 centímetros