Menu
Busca quarta, 26 de junho de 2019
(67) 99647-9098
Economia

Projeção de economia cai pela 13ª vez seguida em 2019

O dado da projeção de crescimento do PIB foi divulgado em boletim do Banco Central (BC)

27 maio 2019 - 09h11Priscilla Porangaba, com informações da Agência Brasil

Pela 13ª vez seguida, o mercado financeiro segue reduzindo a estimativa de crescimento da economia. Neste ano, a projeção para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB), a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, caiu.

A estimativa foi reduzida de 1,24% para 1,23%. Para 2020, a projeção foi mantida em 2,50%, assim como para 2021 e 2022.

Os números são do boletim Focus, a publicação semanal é elaborada com base em perspectivas de instituições financeiras sobre os principais indicadores econômicos.

O boletim é divulgado às segundas-feiras, pelo Banco Central (BC).

Inflação

A estimativa de inflação, calculada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), foi mantida em 4,07% este ano, em 4%, em 2020, e em 3,75%, em 2021 e 2022.

A meta de inflação de 2019 é de 4,25% com intervalo de tolerância entre 2,75% e 5,75%, segundo o Conselho Monetário Nacional (CMN). A estimativa para 2020 está no centro da meta: 4%. Essa meta tem intervalo de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

Para 2021, o centro da meta é 3,75%, também com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual. O CMN ainda não definiu a meta de inflação para 2022.

O BC usa como principal instrumento a taxa básica de juros, a Selic, para controlar a inflação. Para o mercado financeiro, a Selic deve permanecer no seu mínimo histórico de 6,50% ao ano até o fim de 2019.

Para o fim de 2020, a projeção permanece em 7,25% ao ano. Para o fim de 2021, a previsão foi mantida em 8% ao ano e para o final de 2022, segue em 7,50% ao ano.

A Selic, que serve de referência para os demais juros da economia, é a taxa média cobrada nas negociações com títulos emitidos pelo Tesouro Nacional, registradas diariamente no Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic).

A manutenção da Selic este ano, como prevê o mercado financeiro, indica que o Copom considera as alterações anteriores nos juros básicos suficientes para chegar à meta de inflação.

Ao reduzir os juros básicos, a tendência é diminuir os custos do crédito e incentivar a produção e o consumo. Para cortar a Selic, a autoridade monetária precisa estar segura de que os preços estão sob controle e não correm risco de ficar acima da meta de inflação.

Assembleia para todos - junho-19

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Confiança da indústria da construção registra alta em junho
Economia
Saque do PIS Pasep 2017 termina na sexta-feira; saiba se tem direito
Economia
Contas externas têm saldo positivo de US$ 662 milhões em maio
Economia
Após feriado, agências bancárias atendem nesta sexta-feira
Economia
Banco Central mantém juros básicos no menor nível
Economia
Sobe número de setores com trabalho permanente aos domingos e feriados
Economia
Mega-Sena acumulada pode pagar R$ 125 mi nesta quarta-feira
Economia
Com alta de 6% exportações de MS batem arrecadação de 2018
Economia
Desemprego de longo prazo tem alta de 42,4% entre 2015 e 2019
Economia
'Covardia sem precedentes', diz Maia sobre demissão de Joaquim Levy

Mais Lidas

Polícia
Vídeo – ex-policial é executado no estacionamento do Shopping China
Polícia
Pilar de concreto cai e mata criança deitada em rede
Cidade
Supermercado Real é autuado pela venda de produtos vencidos
Polícia
Homem é atendido com faca cravada no crânio em MS