Menu
Busca segunda, 25 de janeiro de 2021
(67) 99647-9098
Governo Futebol
Economia

Renda no Rio supera a de São Paulo em plena crise

05 abril 2011 - 16h30O Dia
Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) do IBGE de 2009 mostram que a crise mundial afetou de forma desigual a vida dos brasileiros. O levantamento, divulgado ontem, revela que a renda média dos trabalhadores no Estado do Rio teve alta de 6,42% e passou a ser a mais alta entre os estados, superando até a de São Paulo.

Por outro lado, o estudo indicou que o avanço do emprego no País não foi suficiente para atender o ingresso de jovens no mercado de trabalho, provocando que o desemprego subisse de 7,1% para 8,3%.

A crise, que afetou sobretudo a indústria brasileira, se mostrou mais branda no Rio. Vários indicadores da economia fluminense, calcada no setor de serviços e de petróleo, tiveram inclusive avanços. Um deles foi a média salarial dos trabalhadores, que subiu de R$ 1.277 em 2008 para R$ 1.359 em 2009, já com correção pela inflação.

Com a elevação, o salário fluminense superou o dos paulistas (R$ 1.353), que também foram ultrapassados pelos catarinenses (R$ 1.358). Esta foi a primeira vez, pelo menos desde 2001, que a liderança não fica com o estado vizinho.

O IBGE constatou até um aumento de 483 mil vagas com carteira assinada no País. Também foi apurada maior formalização do emprego: subiu de 52,1% para 53,5% o contingente de trabalhadores que contribuíam para a Previdência. Os empregados domésticos com carteira assinada passaram a ser 7,2 milhões, uma alta de 9%.

Primeiro emprego

Enquanto o mercado de trabalho avançou para quem já estava atuando, os jovens enfrentaram maior dificuldade em encontrar o primeiro emprego com a crise de 2008. A taxa de desocupação subiu de 14,4% para 16,6% entre 18 e 24 anos. Já no Rio, caiu de 21,6% para 21,1%. No estado, o desemprego apresentou queda de 9,6% para 9,2%, na contra-mão da tendência nacional.

O economista Cimar Pereira Azevedo ressaltou que em comparação com outras economias o impacto foi menor. “O mercado de trabalho não piorou, mas deixou de melhorar”, avaliou.

Economista da FGV aponta menos 1 milhão na pobreza

Analisando os dados da PNAD, o economista da Fundação Getúlio Vargas (FGV) Marcelo Neri observa que, apesar da crise, a redução da pobreza continuou avançando no País. Segundo ele, enquanto em 2008 a renda dos 10% mais pobres era de R$ 285, em 2009 subiu para R$ 294, em termos reais. A alta foi de 3,15%. Por outro lado, a dos 10% mais ricos subiu apenas 1,09%, de R$ 2.539 para R$ 2.566.

Apesar de 2009 não ter sido tão positivo quanto os seis anos anteriores, havia cerca de 1 milhão a menos de pobres, que passaram de 29,8 para 28,8 milhões.

“O que percebemos a cada ano é um descolamento entre o PIB (Produto Interno Bruto) e a PNAD. Na pesquisa domiciliar, há um avanço maior da renda”, afirma o economista. Para ele, o resultado do Rio pode ser tendência futura se projetos previstos se concretizarem e se houver reflexos na renda.

A engenheira Lívia Mattos, 27 anos, apostou na indústria do petróleo e não se arrependeu. Ainda se aperfeiçou através do Prominp. “Quando a crise chegou, houve paralisação nas contratações, mas rapidamente o setor voltou a abrir vagas”, conta ela.

Luz em 100% das casas fluminenses

A PNAD mostrou melhorias no acesso a serviços públicos no País, mas revelou também que grande parte da população ainda convive com o esgoto a céu aberto. Um dos itens que avançaram foi a eletrificação, que chegou a 100% dos domicílios do Rio de Janeiro — o primeiro estado a universalizar o serviço. Antes, o fenômeno só ocorria no Distrito Federal. No País, a taxa passou de 98,6% a 98,9%.

Enquanto a água encanada chegou a 84,4% dos lares brasileiros, caiu de 59,3% para 59,1% o percentual dos domicílios ligados à rede de esgoto. A PNAD também constatou que o maior acesso ao celular faz com que cada vez mais famílias aposentem o telefone fixo. Em 2009, 41,2% das famílias só tinham o móvel, contra 5,8% que só tinham o convencional.

O acesso à Internet aumentou em 112,9% em quatro anos, chegando a 67,9 milhões de brasileiros. Entre os maiores de 50 anos, os internautas eram 7,3% em 2005 e passaram para 15,2% em 2009. No Estado do Rio, 36,13% dos domicílios tinham computador com acesso à rede.

Analfabetos ainda são cerca de 10% da população brasileira

Segundo a pesquisa do IBGE, as melhorias na educação são constantes, mas ainda lentas. Apesar da queda na taxa de analfabetismo, o problema ainda afeta quase 10% da população. A PNAD mostrou também que ficou praticamente estável o percentual dos brasileiros com Nível Fundamental incompleto (36,9%).

Por outro lado, a pesquisa revelou um cenário de maior escolarização (frequência à escola) das crianças. O avanço maior foi entre as de 4 e 5 anos. Enquanto que em 2008, 72,8% delas estudavam, em 2009, elas eram 74,8%. Na faixa dos 6 aos 14, eram 97,6%. O que ainda dificulta a presença na escola é o trabalho infantil. Apesar da queda na incidência, 908 mil crianças entre 5 e 13 anos trabalhavam no País. No Rio, onde a taxa é a mais baixa, 22 mil estavam nessa situação. Entre os 15 e 17 anos, a presença na escola ainda está distante da universalização e chegou a 85,2%.

A pesquisa revelou um surpreendente aumento no número de filhos por mulher no País, índice que vinha caindo ano a ano, desde a década de 1960. De 1,89, subiu para 1,94. Se for uma tendência, fator poderá aumentar demanda por vagas nas escolas nos próximos anos.

senar janeiro21

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Loja virtual terá produtos excluvisos de profissionais de MS
Economia
Repasses a municípios de MS cresceram 10% em 2020
Economia
Governo autoriza cessão da Gruta do Lago Azul ao município de Bonito
Economia
Governo federal lança sistema para simplificar a abertura de empresas
Economia
Nascidos em setembro podem sacar parcela do auxílio nesta quarta
Economia
Pagamento do calendário 2021 do Bolsa Família começa nesta segunda
Economia
Caixa libera saque do auxílio emergencial para nascidos em agosto
Economia
Mega-Sena acumula e próximo concurso deve pagar R$ 17 milhões
Economia
Depois de 17 anos, Paulo Ponzini volta à Presidência do Corecon-MS
Economia
Número de pessoas inadimplentes cai no fim de 2020

Mais Lidas

Polícia
Jacaré é capturado dando 'rolê' em cidade de MS
Internacional
Estados Unidos inicia vacinação contra a Covid-19 em Nova York
Polícia
Morador de rua tenta matar desafeto a pauladas no interior do Estado
Polícia
Briga por capacete acaba em tentativa de homicídio