Menu
Busca quinta, 13 de agosto de 2020
(67) 99647-9098
TJMS agosto/20
Justiça

MP terá nova postura em investigações

Nova portaria visa seguir normativas nacionais e disciplinar atuação do Ministério Público Estadual

13 abril 2019 - 14h58Da redação

O procurador-geral de Justiça do Estado de Mato Grosso do Sul, Paulo Passos, estabeleceu, por meio da portaria nº 1.205, que é de atribuição do Ministério Público “promover o inquérito civil e a ação civil pública para proteção do patrimônio público”. Na prática, significa que as investigações seletivas e secretas com exposição midiáticas podem acabar assim, já que os promotores de Justiça não poderão mais abrir inquérito contra alguma autoridade sem o conhecimento do procurador-geral.

A portaria foi publicada no diário oficial do Ministério Público de Mato Grosso do Sul na terça-feira (9). Atualmente, qualquer promotor pode iniciar uma investigação sem ser aprovada pelo procurador-geral. Agora, com a portaria, Paulo Passos vai solicitar aos parlamentares da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul (ALMS) que retirem o projeto de lei que restringe a atuação dos promotores de Justiça nas investigações que envolvem autoridades públicas.

“A portaria visa disciplinar a atuação do Ministério Público em conformidade nacional,  no mais, a lei orgânica do MP-MS aponta que é de responsabilidade do procurador-geral a investigação por ato de improbidade e uma série de agentes, mas a lei também permite a delegação”, explicou Passos.

“No entanto, o Tribunal de Justiça tem entendido, em algumas situações, que a delegação que existia de 2010, do então procurador-geral Paulo Alberto de Oliveira, teria perdido a validade em razão dele não mais pertencer ao MP e hoje fazer parte do Poder Judiciário, por ser desembargador”, complementou. Conforme Passos, a partir de agora, para evitar questionamento judicial, todas as investigações pretéritas foram ratificadas e convalidadas e as novas, por atos de improbidade, serão delegadas individualmente, conforme dispõe a lei do Tribunal de Justiça.

Paulo argumenta ainda que a medida foi tomada não por haver supostos excessos, ele indica que a portaria visa permitir segurança jurídica aos que investigam e aos que são investigados. 

Com isso, o Ministério Público pretende realizar acordos de leniência nos atos de improbidade administrativos para terminar o inquérito o mais rapidamente, evitando o ajuizamento de ações. A decisão do Colégio dos Procuradores tornará o MP um órgão resolutivo, não se limitando apenas a acusar.

Argumento sobre a decisão

O presidente da ALMS, Paulo Corrêa, comentou em coletiva, na quarta-feira (10), sobre a retirada da emenda ao projeto de lei complementar 01/2019, que dava poder apenas para o procurador-geral de Justiça do Ministério Público de abrir inquéritos civis e ações civis públicas.

O parlamentar explicou que, “a portaria do Ministério Público contempla o respeito entre as instituições. A emenda perdeu a sua função. A Assembleia deve ser fiscalizada pelo órgão competente, que é a Procuradoria-Geral do Estado, e agora é o que será atendido”.

A emenda ao projeto tinha assinatura de 21 deputados. A retirada foi oficializada, antes da sessão plenária, durante reunião regular da Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR). O presidente descartou a apresentação de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC).

As alterações de duas portarias, 1.205/2019 e 1.152, da Procuradoria-Geral de Justiça preveem que o chefe do MP, além de delegar atribuições por atos específicos, deve acompanhar todos os procedimentos referentes às suas atribuições originárias.

Senar - agosto2020

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
Atacadão pagará R$ 15 mil a cliente acusado de furtar tequila
Justiça
Paraguai não acha provas contra Ronaldinho e ex-jogador pode ser inocentado
Justiça
“Se não contermos a pandemia, colapso na Saúde é invitável”, diz defensor-geral de MS
Justiça
AO VIVO: Audiência de “fechamento” termina sem acordo
Justiça
AO VIVO: Audiência do “fechamento”, o que pensam as partes?
Justiça
Juiz barra presença de vereador em reunião de conciliação
Justiça
Indústria terá assento em audiência amanhã sobre “fechamento” da capital
Justiça
Justiça: Drogasil terá que indenizar cliente por assédio de atendente
Justiça
Caso Prior: Delegada encerra inquérito de suposto estupro
Justiça
Suspeito de ajudar milícia, delegado Obara é solto pela Justiça

Mais Lidas

Polícia
Negociação com homem que tenta suicídio, dura mais de 11 horas
Polícia
AO VIVO - Homem tenta se matar no Cophavilla
Geral
Bolsonaro corta 60% da verba destinada à Rede Globo
Polícia
Agora: Homem faz família de refém e fala em suicídio