Menu
Busca segunda, 28 de novembro de 2022
(67) 99647-9098
Justiça

Proibida a prisão de eleitores a partir dessa terça

Medida vale até 48 horas depois da votação

27 setembro 2022 - 07h48Taynara Menezes
Mega - destaque de noticia

A partir desta terça-feira (27) nenhum eleitor poderá ser preso por qualquer autoridade, a não ser que seja pego em flagrante delito ou condenado por crime inafiançável. A medida vale até 48 horas depois do primeiro turno de votação, no próximo domingo (2).  

A outra exceção é se a pessoa impedir o salvo conduto (direito de transitar) de outro cidadão, prejudicando assim o livre exercício do voto. Quem for pego praticando o delito poderá ser preso pela autoridade policial.

A regra e as exceções constam no Artigo 236 do Código Eleitoral (Lei 4.737/1965). A lógica do dispositivo, herdado de normas eleitorais antigas, é impedir que alguma autoridade utilize seu poder de prisão para interferir no resultado das eleições. O artigo é o mesmo que veda a prisão de candidatos, fiscais eleitorais, mesários e delegados de partidos nos 15 dias que antecedem o pleito. 

A vedação não se aplica a quem for pego cometendo crime, ou logo depois de cometê-lo. Isso inclui crimes eleitorais. No dia da votação, por exemplo, poderá ser detido quem desrespeitar algumas proibições, como fazer propaganda de boca de urna, tentar arregimentar eleitores, usar equipamento de som na rua e promover comícios, entre outros.

Neste ano, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu proibir a presença de armas de fogo num raio de 100 metros de qualquer seção eleitoral. As poucas exceções incluem apenas agentes de segurança. A regra vale mesmo para quem possui permissão para o porte e vigora nas 48 horas que antecedem o pleito até as 24 horas que o sucedem.

A polícia também não está impedida de prender quem já tenha sido condenado por crime hediondo – por exemplo, tráfico, homicídio qualificado, estupro, roubo a mão armada, entre outros (Lei 8.072/1990). A proibição de prisões também só atinge quem for eleitor, ou seja, quem tiver gozo do direito político de votar.

No caso de qualquer prisão, a partir desta terça-feira (26) a previsão é que o detido seja levado à presença de um juiz para que seja verificada a legalidade do ato. Caso seja constatada alguma ilegalidade, o responsável pela prisão pode ser responsabilizado. A pena prevista é de quatro anos de reclusão.  

Mega - destaque de noticia

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
Novos ministros do STJ tomam posse em dezembro
Justiça
STF arquiva denuncia contra Aécio Neves e Marcelo Odebrecht
Justiça
Fachin determina que o STF adote medidas para proteção de indígenas
Justiça
MPF solicita afastamento imediato do diretor da PRF
Justiça
Bolsonaro nomeia Liana Chaib como a nova ministra do TST
Justiça
Bolsonaro nomeia dois novos ministros para o STJ
Justiça
TCU ordena que governo deixe de veicular propagandas em sites com conteúdo ilegal
Justiça
PL diz ao TSE que quer anulação somente do 2º turno
Justiça
Tiago Vargas sofre derrota no TJ
Justiça
Moraes concederá medalha de Ordem do Mérito a comandantes da PM

Mais Lidas

Brasil
Criança morre e outra fica ferida após brincadeira com fogos de artifício
Polícia
PM apreende mulher e jovem por tráfico de drogas
Brasil
Mulher relata assédio sofrido durante sessão de tatuagem
Internacional
Americana é proibida de assistir à execução de seu próprio pai