Menu
Menu
Busca terça, 16 de julho de 2024
Secovi - Julho24
Justiça

TJMS aumenta pena de Jamilzinho para 15 anos por extorsão com taco de beisebol e armas

Condenação anterior era de 12 anos e 8 meses; decisão atende recurso do MPMS

19 junho 2024 - 11h09Vinícius Santos     atualizado em 19/06/2024 às 11h09

O Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJMS) elevou a pena de Jamil Name Filho, o 'Jamilzinho', para 15 anos e 4 meses de reclusão. Ele foi condenado por extorquir um casal em R$ 6,3 milhões, utilizando ameaças com um taco de beisebol envolvido em arame farpado e armas de fogo.

Extorsão - Conforme os autos, o primeiro crime de extorsão aconteceu em fevereiro de 2015, e o segundo ocorreu entre 2017 e o início de 2018. A decisão atende a um recurso do Ministério Público Estadual (MPMS) contra a sentença original, que condenou Jamil Name Filho a 12 anos e 8 meses de reclusão, além de uma multa de 142 dias e indenização de R$ 1,736 milhão para as vítimas.

Operação Omertà - A ação penal teve origem na Operação Omertà, realizada pela Delegacia Especializada em Repressão a Roubos a Banco, Assaltos e Sequestros (GARRAS) e pelo Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (GAECO) do Ministério Público Estadual.

Decisão do TJMS - O TJMS, ao analisar as provas, confirmou que as ações de Jamil Name Filho se encaixam no artigo 158 do Código Penal, que trata de extorsão com uso de violência ou grave ameaça. O tribunal destacou a presença de armas e as ameaças realizadas tanto dentro quanto fora do local onde ocorriam as reuniões entre o réu e as vítimas. Um arsenal de armas foi encontrado na antiga residência dos ofendidos, corroborando os depoimentos das vítimas e do delegado responsável pelas investigações.

Recursos e Apelações - A defesa de Jamil Name Filho pediu a anulação do processo, alegando violação de ampla defesa e direito à produção probatória. Também requereu a absolvição ou, alternativamente, a redução da pena e a retirada da indenização. No entanto, o TJMS rejeitou todos os pedidos da defesa e negou provimento ao recurso de apelação.

Nova Sentença - O TJMS aumentou a pena-base devido às circunstâncias desfavoráveis dos crimes e aplicou um aumento de pena de 2/5 por conta do concurso de pessoas e uso de arma. A nova sentença determina 15 anos, 4 meses e 24 dias de reclusão em regime fechado e o pagamento de 44 dias-multa.

A decisão foi unânime, tanto na rejeição das preliminares apresentadas pela defesa quanto na aceitação parcial do recurso do Ministério Público para aumentar a pena.

JD1 No Celular

Acompanhe em tempo real todas as notícias do Portal, clique aqui e acesse o canal do JD1 Notícias no WhatsApp e fique por dentro dos acontecimentos também pelo nosso grupo, acesse o convite.

Tenha em seu celular o aplicativo do JD1 no iOS ou Android.

Reportar Erro
Digix - Julho24

Deixe seu Comentário

Leia Também

Ex-guarda civil municipal Marcelo Rios -
Justiça
Marcelo Rios recorre ao TJMS para julgamento presencial no caso Playboy da Mansão
Execução em Campo Grande - Foto: Reprodução
Justiça
TJ nega recurso para anular investigação de dupla execução em Campo Grande
Vereador Chicão, do PSDB em Caarapó -
Justiça
Justiça eleitoral condena vereador por propaganda antecipada em MS
Desembargadores - Carlos Eduardo Contar e Sideni Soncini Pimentel
Justiça
Novo presidente e vice-presidente do TRE-MS são empossados
Justiça condena Consórcio Guaicurus a pagar R$ 10 mil à família de idosa que caiu em ônibus
Cidade
Justiça condena Consórcio Guaicurus a pagar R$ 10 mil à família de idosa que caiu em ônibus
Divulgação - TJMS
Justiça
Adolescentes em medida socioeducativa visitam Bioparque Pantanal
Marly Norimi é secretária de Planejamento e Finanças
Justiça
Secretária 'mete o louco' e usa namorado para dar golpe do seguro em Porto Murtinho
Governo federal libera R$ 137,6 milhões para combater incêndios no Pantanal
Justiça
Governo federal libera R$ 137,6 milhões para combater incêndios no Pantanal
Nego Di
Brasil
Influenciador Nego Di é preso por golpe de R$ 5 milhões
Motoristas de App podem ser banidos por atos graves, mas têm direito à defesa, diz STJ
Justiça
Motoristas de App podem ser banidos por atos graves, mas têm direito à defesa, diz STJ

Mais Lidas

Casa da Mulher Brasileira, a Deam
Polícia
Miojinho? Homem surta após 'g0zAr rápido' durante swing com esposa e amigos no Colúmbia
Próximos dias serão quentes
Clima
Até logo, frio! Temperaturas voltam a subir e Capital deve registrar 30ºC esta semana
JD1TV: Motociclistas são socorrido em estado gravíssimo após acidente em Bandeirantes
Polícia
JD1TV: Motociclistas são socorrido em estado gravíssimo após acidente em Bandeirantes
Influencer e policial 'mais sexy do México', gravam vídeo pornô em metrô
Geral
Influencer e policial 'mais sexy do México', gravam vídeo pornô em metrô