Menu
Busca terça, 25 de junho de 2019
(67) 99647-9098
Política

“A palavra final vai ser da Câmara” diz Marquinhos sobre reajuste de vereadores

Previsto para a próxima legislatura, manifestantes foram a prefeitura pedir veto a aumento salarial em 2021

19 dezembro 2018 - 13h00Da redação

Na manhã desta quarta-feira (19), manifestantes junto a representantes da  Associação Comercial e Industrial de Campo Grande (ACICG) e da Câmara dos Dirigentes Lojistas de Campo Grande (CDLCG), se reuniram em frente a prefeitura municipal e solicitaram conversa por audiência com o prefeito, a fim de pedir que o mesmo vete o projeto de lei aprovado na câmara, que dá subsídio de 75% do piso salarial de um deputado estadual para vereadores que assumirem em 2021.

O movimento foi chamado de “#VetaMarquinhos” e após a chegada dos manifestantes, Marquinhos Trad, recebeu aproximadamente 15 pessoas, onde tratou do assunto. Um dos líderes do movimento Guto Scarpanti entregou um abaixo assinado com mais de 5 mil assinaturas contra o aumento. O reajuste de 48% votado na Câmara se sancionado, passará a vigorar em 2021.

Para o João Carlos Polidoro presidente da ACICG, é fundamental que o prefeito use do veto e que a Casa de Leis, aceite ou revogue o projeto. “Nós mostramos para ele [prefeito] que a sociedade não quer esse aumento e nós queremos o veto por toda uma situação, momento econômico não permite isso. Desemprego, famílias passando necessidade e ao mesmo tempo um projeto sendo votado para 48% de aumento para político”, disse Polidoro que considerou ser importante que a Câmara aceite o veto pensando na população.

O presidente da CDL, Adelaido Villa, falou que o pedido é de bom senso para a Câmara e para o prefeito, “nós entendemos o momento, e estamos retornando de uma crise terrível que toda a sociedade passou”.

Em entrevista ao JD1 Notícias, o prefeito Marquinhos Trad disse que o executivo não determina sobre reajuste dos vereadores. “O projeto está comigo para uma análise legal e constitucional, mas a palavra final é da Câmara. Eu tenho três caminhos, eu posso vetar, eles podem derrubar o veto; eu posso sancionar e eles podem entrar com projeto de lei imediato e revogar; eu posso me silenciar e eles podem promulgar ou revogar, ou seja, a palavra final é da Câmara, portanto quem vai decidir o salário são eles”, explicou o prefeito. 

Caso haja o veto do Executivo, a Casa de Leis tem 48 horas para se manifestar, e ao que tudo indica, o desfecho sobre o assunto será somente em janeiro de 2019, já que a o Legislativo terá a última sessão do ano na quinta-feira (20), antes do recesso. O prefeito afirmou que irá analisar o pedido com todos os aspectos políticos e administrativos e em breve responderá o questionamento dos manifestantes.

 

 

Assembleia para todos - junho-19

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Bolsonaro anuncia policial militar na Secretaria-Geral da Presidência
Política
"Abro mão da reeleição se Brasil passar por reforma política", diz Bolsonaro
Política
"Foi a forma", Simone justifica voto e diz que decreto “não poderia justificar porte de arma"
Política
Modelo processual brasileiro impõe parcimônia dos juízes, diz Moro
Política
Relatório da LDO é entregue à Mesa Diretora da Câmara
Política
Nelsinho Trad convoca reunião com Mandetta para tratar de recursos para saúde
Política
Moro fala sobre conversas vazadas com Dallagnol
Política
Câmara quer retomar gratuidade da bagagem
Política
No Parlasul, Nelsinho defende Rota Bioceânica
Política
Valdir Gomes pode concorrer a prefeitura pelo PP em 2020

Mais Lidas

Brasil
Pai encontra corpo da filha desaparecida na casa do ex-namorado
Polícia
Pai atira em filho por causa de cobrança de dívida e foge
Polícia
Jornalista Letícia Alves falece aos 23 anos
Oportunidade
Semana começa com 149 vagas de emprego