Menu
Busca terça, 27 de julho de 2021
(67) 99647-9098
Senai - EAD_senai_tecnico
Política

“A palavra final vai ser da Câmara” diz Marquinhos sobre reajuste de vereadores

Previsto para a próxima legislatura, manifestantes foram a prefeitura pedir veto a aumento salarial em 2021

19 dezembro 2018 - 13h00Da redação

Na manhã desta quarta-feira (19), manifestantes junto a representantes da  Associação Comercial e Industrial de Campo Grande (ACICG) e da Câmara dos Dirigentes Lojistas de Campo Grande (CDLCG), se reuniram em frente a prefeitura municipal e solicitaram conversa por audiência com o prefeito, a fim de pedir que o mesmo vete o projeto de lei aprovado na câmara, que dá subsídio de 75% do piso salarial de um deputado estadual para vereadores que assumirem em 2021.

O movimento foi chamado de “#VetaMarquinhos” e após a chegada dos manifestantes, Marquinhos Trad, recebeu aproximadamente 15 pessoas, onde tratou do assunto. Um dos líderes do movimento Guto Scarpanti entregou um abaixo assinado com mais de 5 mil assinaturas contra o aumento. O reajuste de 48% votado na Câmara se sancionado, passará a vigorar em 2021.

Para o João Carlos Polidoro presidente da ACICG, é fundamental que o prefeito use do veto e que a Casa de Leis, aceite ou revogue o projeto. “Nós mostramos para ele [prefeito] que a sociedade não quer esse aumento e nós queremos o veto por toda uma situação, momento econômico não permite isso. Desemprego, famílias passando necessidade e ao mesmo tempo um projeto sendo votado para 48% de aumento para político”, disse Polidoro que considerou ser importante que a Câmara aceite o veto pensando na população.

O presidente da CDL, Adelaido Villa, falou que o pedido é de bom senso para a Câmara e para o prefeito, “nós entendemos o momento, e estamos retornando de uma crise terrível que toda a sociedade passou”.

Em entrevista ao JD1 Notícias, o prefeito Marquinhos Trad disse que o executivo não determina sobre reajuste dos vereadores. “O projeto está comigo para uma análise legal e constitucional, mas a palavra final é da Câmara. Eu tenho três caminhos, eu posso vetar, eles podem derrubar o veto; eu posso sancionar e eles podem entrar com projeto de lei imediato e revogar; eu posso me silenciar e eles podem promulgar ou revogar, ou seja, a palavra final é da Câmara, portanto quem vai decidir o salário são eles”, explicou o prefeito. 

Caso haja o veto do Executivo, a Casa de Leis tem 48 horas para se manifestar, e ao que tudo indica, o desfecho sobre o assunto será somente em janeiro de 2019, já que a o Legislativo terá a última sessão do ano na quinta-feira (20), antes do recesso. O prefeito afirmou que irá analisar o pedido com todos os aspectos políticos e administrativos e em breve responderá o questionamento dos manifestantes.

 

 

Cruzeiro do Sul - 44 anos

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Reunião de senador com Bolsonaro é adiada por problema em avião
Política
Bolsonaro diz que menos pessoas morreriam se ele estivesse coordenando a pandemia
Política
Reinaldo e Marquinhos repassam recursos para habitação da Capital nesta segunda
Política
Eleições 2022: Bolsonaro diz que filiação ao PP é uma possibilidade
Política
Bolsonaro defende tratamento precoce e critica 'Protocolo Mandetta'
Política
Escola na área rural de Caracol passará por reforma pelo 'Governo Presente'
Política
Com receita de R$ 18,47 bilhões, governador sanciona LDO para 2022
Política
No Butantan, Paulo Corrêa pede mais vacinas
Política
Bolsonaro anuncia Senador Ciro Nogueira para comando da Casa Civil
Política
Governador libera investimento de mais de R$ 8 milhões para a Cultura

Mais Lidas

Polícia
Homem enforca familiar após piada com derrota do São Paulo para o Flamengo
Polícia
Nem após cometer suicídio jovem escapa de assalto no Jardim Noroeste
Cidade
Foi selecionado? Prefeitura convoca aprovados em dois processos
Geral
Homem fuma maconha, escala montanha e cai de altura de 12 metros; veja vídeo