Menu
Busca quinta, 27 de junho de 2019
(67) 99647-9098
Política

“Eles terão a liberdade de abrir mão ou não”, diz João Rocha sobre reajuste

O reajuste salarial aprovado para a legislatura de 2021 gerou revolta e manifestação na Câmara

11 dezembro 2018 - 11h15Rayani Santa Cruz

Manifestantes ergueram cartazes e expressaram gritos de ordem no plenário da Câmara de Campo Grande na manhã desta terça-feira (11). Eles são contra o projeto de lei que dará aumento salarial equivalente a 75% do piso salarial dos deputados estaduais aos vereadores da legislatura de 2021/2025 se sancionado pela prefeitura.

Em entrevista ao JD1 Notícias, o presidente da Casa de Leis, Professor João Rocha disse que o projeto votado e aprovado foi direcionado ao poder Executivo e a prefeitura tem 15 dias para sancionar. Ele explicou que a proposta votada passa a vigorar em 2021 e os parlamentares da próxima legislatura terão a liberdade de abrir mão ou não. “Vai depender da situação econômica do país, nós optamos por não ter o aumento, e os colegas que virão em 2021 poderão fazer o mesmo se necessário for”, disse.

Sobre o projeto de lei que trata do subsídio do salário do prefeito, vice e secretários, Rocha explicou que houve a votação e existe o prazo de 10 dias para que a proposta do executivo volte a apreciação. “Nós temos o prazo para analisar os impactos, fazer estudos e vamos votar entre os dias 18 e 20 de dezembro. Se for aprovado em janeiro de 2019 o valor do subsídio será de 80%  equivalente ao salário de um ministro do STF, e gradativamente sendo 2020 de 90% chegando a 100% em 2021”.

Em relação a manifestação na Casa de Leis, o parlamentar salientou que a opinião pública deve ser levada em consideração e pontuou que as ações podem ser feitas de maneira ordeira, mas criticou manifestantes que aparentam ter interesse político de um determinado grupo ou partido.

Em conversa com a equipe do JD1 Notícias, Guto Scarpanti do partido Novo (e que concorreu às eleições ao cargo de deputado federal e teve 4 mil votos) e Alexandre Baís do Partido Social Liberal (PSL) e movimento Missão Campo Grande (MCG) afirmaram que a junção de aproximadamente 25 pessoas para o ato partiu das ruas e de um evento marcado em uma página do facebook.

Alexandre Baís que é empresário, disse que o movimento começou em atos pró Bolsonaro e que os integrantes tem o objetivo de lutar pelos direitos e contra a corrupção. Guto explicou que o objetivo do grupo é mostrar aos vereadores que a população ficou indignada com o aumento. Nenhum deles considerou que o manifesto era partidário ou de interesse em “aparecer” para disputa eleitoral em próximas eleições. 

(Matéria editada ás 12h para correção de informações)

Assembleia para todos - junho-19

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
CCJ do Senado aprova texto contra abuso de autoridade
Política
Nelsinho destrava recursos para Rochedo e Amambaí
Política
Coronel David defende Bolsonaro sobre decisão da demarcação de terras indígenas
Política
Projeto sobre proibição de canudos pode ser votado hoje
Política
TJ-MS apresenta estudo para revisão das custas cartoriais
Política
Sargento brasileiro é detido com droga em aeroporto na Espanha
Política
TRF devolve mandato para Braz Melo voltar a Câmara de Dourados
Política
Audiência debate entrada de animais em hospitais
Política
Morre o ex-deputado estadual Paulo Estevão
Política
Bolsonaro anuncia policial militar na Secretaria-Geral da Presidência

Mais Lidas

Polícia
Vídeo – ex-policial é executado no estacionamento do Shopping China
Polícia
Pilar de concreto cai e mata criança deitada em rede
Cidade
Supermercado Real é autuado pela venda de produtos vencidos
Polícia
Homem é atendido com faca cravada no crânio em MS