Menu
Busca sábado, 26 de setembro de 2020
(67) 99647-9098
Política

Assessor de confiança de Aécio Neves é réu do mensalão mineiro

12 fevereiro 2014 - 12h03Via Folha
Pré-candidato do PSDB à Presidência, o senador Aécio Neves tem entre os seus assessores de confiança um dos principais personagens do mensalão tucano.

O jornalista e publicitário Eduardo Guedes, um dos réus do processo, atua nos bastidores e na etapa inicial da campanha do político como um de seus mais próximos conselheiros.

Antigo colaborador das campanhas eleitorais dos tucanos em Minas Gerais, Guedes é também um dos sócios da Pensar Comunicação Planejada, empresa contratada para prestar consultoria de comunicação ao PSDB, presidido por Aécio Neves.

Na peça em que pede a condenação do ex-governador de Minas e atual deputado Eduardo Azeredo (PSDB) a 22 anos de prisão, a Procuradoria Geral da República diz que Guedes determinou à Copasa, a Comig e ao Bemge, órgãos estaduais, que dessem R$ 3,5 milhões (R$ 9 milhões nos valores de hoje) a SMP&B para patrocínio de evento esportivo.

À época, ele era secretário-adjunto de Comunicação do governo mineiro. O valor, segundo a Procuradoria, acabou sendo desviado pelo suposto esquema.

Com esse dinheiro, segundo as investigações, o empresário Marcos Valério, da SMP&B, forjou empréstimos fraudulentos para justificar o seu uso na campanha à reeleição de Azeredo, em 1998. Esquema semelhante foi usado por Valério, anos depois, no mensalão do PT, motivo pelo qual ele acabou condenado no STF (Supremo Tribunal Federal).

Os ofícios assinados por Guedes, determinando o repasse, são o que os juristas chamam de "ato de ofício", que comprovaria o crime. Acusado de peculato (desvio de dinheiro público) e lavagem de dinheiro, seu processo tramita na primeira instância da Justiça mineira.

Eduardo Pereira Guedes Neto, 52, tem a confiança do presidenciável e de sua irmã, Andrea Neves, responsável pela imagem política do senador. Guedes já foi casado com Heloísa Neves, auxiliar de Andrea e atual assessora de imprensa de Aécio. Em 2005, quando estourou o escândalo, Eduardo Guedes era subsecretário de Comunicação do governo de Aécio. Foi exonerado, mas logo voltaria a trabalhar com ele.

Comunicação
Em 2010, Guedes atuou na campanha que elegeu Antônio Anastasia governador e que levou Aécio ao Senado. Desde 2011, quando o mineiro assumiu o papel de presidenciável, ele tem participado das campanhas de comunicação do partido. Em 2012, em Brasília, Guedes dividiu as atenções com Aécio em ato de marketing político do PSDB. Na ocasião, palestrou sobre "como fazer uma campanha competitiva".

Outro lado
O senador Aécio Neves informou, por meio de sua assessoria, que "não há nenhuma decisão judicial contra o citado jornalista", referindo-se à atuação de Eduardo Guedes como um de seus assessores políticos.

Segundo o senador, a empresa de Guedes presta serviços ao PSDB desde 2009, quando ele não havia assumido a direção do partido. O político também ressaltou que ainda "não tem marqueteiro contratado".

Por e-mail, Eduardo Guedes informou que "tem a consciência tranquila de quem não cometeu irregularidade", por isso "não tem constrangimento" ao assessorar Aécio Neves. Ele disse ter trabalho "para diferentes partidos, instituições, lideranças e empresas privadas" ao longo de 27 anos de carreira, e que essas acusações provocaram "prejuízos pessoais e profissionais incalculáveis".

Ainda sobre o processo do mensalão tucano, no qual é réu, Eduardo Guedes classificou as afirmações da Procuradoria de "descabidas e injustas". Ele disse estar ansioso para, "pela primeira vez", "oferecer à Justiça" de Minas sua defesa sobre o caso.
Rota do Pantanal

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Bolsonaro volta ao trabalho na segunda
Política
Bolsonaro apresenta ótima evolução clínica após cirurgia
Política
Pandemia deve baratear campanha
Política
Chapa do PSDB quer “dar voz” a sociedade
Política
Aprovação de Bolsonaro sobe para 40%, diz CNI/Ibope
Política
Capital já tem 9 candidatos a prefeito registrados no TRE
Política
Paulo Corrêa homenageia bombeiro que salvou recém-nascida
Política
Bolsonaro e Felipe Neto estão entre os 100 mais influentes do mundo
Política
Senado: Comissão do Pantanal aprova visita a Corumbá em outubro
Política
Câmara instala hoje comissão para mudar Lei da Lavagem de Dinheiro

Mais Lidas

Política
Bolsonaro volta ao trabalho na segunda
Saúde
Média de mortes por covid-19 cai 10,35% em uma semana no Brasil
Brasil
Motorista morre ao sofrer descarga elétrica em fazenda
Geral
"A grande culpa é de Sheiza", diz esteticista denunciada pela morte de estudante brasileira