Menu
Busca terça, 13 de abril de 2021
(67) 99647-9098
Governo Balada - topo - abril21
Política

Bancada de MS quer regulação dos estados em pontos polêmicos do Código Florestal

17 maio 2011 - 06h03Divulgação

Em reunião com produtores rurais na manhã de ontem, na sede da Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul), em Campo Grande, os deputados federais Reinaldo Azambuja (PSDB), Geraldo Resende (PMDB) e Luiz Henrique Mandetta (DEM), ouviram as reivindicações do setor e, em comum, defenderam a regulação dos estados em relação a pontos polêmicos do Código Florestal.

Além disso, demonstraram que seguirão o relatório de Aldo Rebelo (PcdoB) na votação.

Além dos parlamentares, participaram do encontro o presidente da Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de MS), Eduardo Riedel, o vereador Carlão (PSB), além do presidente da Acrissul, Francisco Maia.

Num dos pontos mais polêmicos do projeto, os representantes do setor produtivo e oposição brigam para que as APPs (Áreas de Proteção Permanente) sejam reguladas pelos estados e não por decreto do governo federal.

O deputado Geraldo Resende, novo coordenador da bancada, diz que a votação hoje não é uma disputa entre situação e oposição, mas sim do setor produtivo contra “pessoas de posição atrasada que querem prejudicar” o segmento.

Azambuja, por sua vez, defendeu que a criação do PRA (Programa de Regularização Ambiental), outro ponto em discussão, também seja regularizada pelos estados e não por decreto federal.

Após adiamentos, o governo federal obstruiu a votação do código na quarta-feira, em sessão tumultuada. Provavelmente o projeto volte à pauta apenas na semana que vem.

O presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), está em viagem oficial ao exterior, o que contribuiu para que a votação não ocorra nesta semana.

Queda de braço

Na última sessão, o governo cedeu na isenção da reserva legal para propriedades rurais de até quatro módulos fiscais, uma exigência do relator. Em contrapartida, Rebelo teve que recuar na questão dos usos consolidados nas matas ciliares.

Segundo informações de matéria publicada pela Folha Online, apesar da resistência da bancada ruralista, o relatório estabelece que a lei proibirá de forma geral o plantio em matas ciliares (as chamadas APPs ripárias) em rios largos. O governo queria que as exceções fossem regulamentadas por decreto presidencial, sem data prevista na lei. Foi justamente esse ponto que provocou novo embate.

Com informações do Campo Grande News.

APP JD1_apple

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Bolsonaristas fazem carreata "pela família" e "contra o comunismo"
Política
Reinaldo apresenta Reforma Administrativa na Assembleia
Política
Pessoas com saúde mental afetada pela pandemia podem ter amparo do SUS
Política
Marun está deixando o conselho de Itaipu
Política
Câmara quer imprensa entre prioridades na vacinação
Política
Câmara aprova texto-base de projeto que permite empresas comprarem vacinas
Política
Bolsonaro quer criar Dia de Conscientização sobre Riscos do Aborto
Política
Vereadores criam CPI para esclarecer gastos da prefeitura de Dourados na pandemia
Política
Bolsonaro pretende ligar para presidente da Rússia para falar sobre Sputnik V
Política
Reinaldo sanciona o "Mais Social", que dará R$ 200

Mais Lidas

Polícia
Jacaré é capturado dando 'rolê' em cidade de MS
Internacional
Estados Unidos inicia vacinação contra a Covid-19 em Nova York
Polícia
Morador de rua tenta matar desafeto a pauladas no interior do Estado
Polícia
Briga por capacete acaba em tentativa de homicídio