Menu
Busca quarta, 22 de maio de 2019
(67) 99647-9098
Política

Durante entrevista em rádio, Fábio Trad destaca projeto sobre assédio

O deputado também falou sobre o clima entre os parlamentares na Câmara

11 março 2019 - 15h31Mauro Silva com CBN

O deputado Fábio Trad em entrevista à Rádio CBN de Campo Grande na manhã desta segunda-feira (11) revelou como está o clima na Câmara, conforme ele, ainda está com o “perfume" da campanha do ano passado. O parlamentar destacou também o seu projeto de lei que está no Congresso Nacional e fala sobre o assédio obsessivo ou insidioso.

De acordo com o deputado, o ambiente entre os parlamentares ainda está polarizado, exalando o “perfume” da campanha eleitoral de 2018. “Tudo o que o PT fala é contestado pelo PSL e vice-versa. E isso cria um ambiente de radicalismo, eu adotei uma estratégia diferente, enquanto eles brigam eu apresento projetos”, afirmou.

“Já aprovamos um que constitui um grande avanço para a saúde mental dos brasileiros incentivando pesquisadores e cientistas a produzirem projetos e planos de boas práticas de saúde mental. Um dos primeiros projetos aprovados na Câmara dos Deputados este ano”, acrescentou.

Segundo Fábio, ele conseguiu a proeza de reunir em torno desse projeto a adesão dos bolsonaristas e lulistas. O deputado espera que esse clima hostil acabe, pois o Brasil necessita da atenção dos seus parlamentares aos seus problemas.

Assédio obsessivo

Outro projeto que o parlamentar destacou durante sua entrevista foi sobre a o assédio obsessivo ou insidioso. Que ressalta sobre a perseguição à mulher. “Projeto define como crime o assédio obsessivo praticados por quem não consegue controlar suas próprias frustrações seus ressentimentos e suas culpas”, explicou.  

“E extravasam esses sentimentos através do prazer que sente com a dor de suas vítimas. Não são apenas as mulheres que são vítimas, os homens também passam por situações semelhantes, porém é a minoria dos casos”, afirmou.  

De acordo com Fábio, pesquisas apontam que muitos casos de stalking resultam em agressões mais graves, sendo lesão corporal ou até mesmo o homicídio, no caso das mulheres o feminicídio. “Esse é um projeto importante no âmbito jurídico, pois não há lei penal no país que criminaliza a conduta do perseguidor excessivo daquele que assedia”, afirmou.    

Andamento

A lei prevê a criminalização do assédio obsessivo da perseguição estabelecendo uma pena de reclusão de dois a quatro anos e multa. E se o crime foi cometido com quem já foi parceiro intimo da vítima a pena aumenta de três a cinco anos, caso o ato aconteça nas redes sociais (internet) pelo anonimato a pena pode aumentar ainda mais. “A lei atual não fala nada sobre essa prática, esse tipo de assédio ainda é considerado uma contravenção”, revelou o deputado.

O projeto foi protocolado há três semanas "e eu falei pessoalmente com o presidente da Câmara Rodrigo Maia e disse para ele sobre a importância da votação da proposta", finalizou.

Fac Feijoada 2019

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Após críticas, Bolsonaro altera decreto de posse de armas
Política
Acordo entre a Câmara e Senado votará MP que reduz ministérios
Política
Políticos não poderão mais usar milhas de passagens aéreas
Política
Reinaldo e Marquinhos apresentam plano para desassorear Parque das Nações
Política
Para presidente do PSL, Bolsonaro não precisa de manifestações
Política
Nelsinho preside audiência pública para preservação ambiental em Bonito
Polícia
Operação no camelódromo termina com um preso e motos apreendidas
Política
TRE-MS e Assembleia assinam termo de cooperação audiovisual
Política
Blal Dolloul, de MS, está entre os dez candidatos à PGR
Política
Coronel David pede reparo em câmeras de rodovia

Mais Lidas

Internacional
Peão de MS vence rodeio nos EUA
Economia
No “Dia Livre de Impostos”, capital terá cerveja com metade do preço
Polícia
Com quatro tiros na cabeça, adolescente morre em escola
Polícia
Operação no camelódromo termina com um preso e motos apreendidas