Menu
Busca segunda, 21 de junho de 2021
(67) 99647-9098
Senar - junho21
Política

Grampo em Arroyo facilitou "explosão" no Tribunal de Contas

Ameaças feitas pelo ex-deputado foram interceptadas pela PF e usadas para cruzar informações na Operação Mineração de Ouro

11 junho 2021 - 10h36Gabrielly Gonzalez, com Correio do Estado

Seis anos depois da indicação e confirmação de Osmar Jeronymo como conselheiro do Tribunal de Contas de Mato Grosso do Sul (TCE-MS), o ex-deputado estadual, Antônio Carlos Arroyo, também uma das opções à corte do ex-governador André Puccinelli (MDB), aparece trazendo novos detalhes da escolha.

Ameaças feitas por Arroyo a vários interlocutores, como o empreiteiro João Amorim, e interceptadas pela Polícia Federal, foram usadas pelos pesquisadores para cruzar como informações de lavagem de dinheiro na Operação Mineração de Ouro, que tem como alvo além de Jeronymo, outros dois conselheiros do TCE-MS: Ronaldo Chadid e Waldir Neves.

Entre os crimes que os conselheiros podem ter praticado, além da lavagem de dinheiro, está o peculato (desvio de dinheiro público), organização criminosa, entre outros.

Os federais concluíram, em representação ao Ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Francisco Falcão, que uma das curvas de Arroyo, que prometia denunciar várias irregularidades de Jeronymo, com quem disputava a indicação de Puccinelli, fazia sentido.

“Só dei uma cutucada no seu Osmar [Jeronymo], está certo? Eu tenho, mostrei pro amigo dele que um amigo dele chamado Nabor Barbosa Filho [...]. Olha, avisa o teu irmão lá que ele não toma posse, e mais, eu não queria te envolver, você vai estar presente ”, disse Arroyo em um dos telefones interceptados pela Operação Lama Asfáltica.

Seis anos e meio depois, na Operação Mineração de Ouro, o nome de Nabor Barbosa Filho aparece em uma transação de mútuo com Osmar Jaronymo. Nabor, que segundo a Polícia Federal opera a concessão do pedágio da ponte do Rio Paraguai, emprestou R $ 3 milhões do ex-chefe da Casa Civil de André Puccinelli e atual conselheiro do TCE-MS.

Como garantia do empréstimo, Nabor deu um apartamento no edifício D'Orsay, prédio de luxo localizado em frente ao Parque das Nações Indígenas, em Campo Grande.  
 
Ocorre que a Polícia Federal suspeita que uma operação financeira não tenha passado de uma simulação. Os contratos entre Nabor e Jeronymo foram apreendidos na casa do advogado Félix Jayme Nunes da Cunha, e lá foram encontrados indícios que iam além da operação.

Para a PF, Osmar emprestou R$ 3 milhões para Nabor, que pagou tal empréstimo com a “entrega” de um apartamento de luxo. “Contudo, tal imóvel foi passado para o nome de Félix Jayme, e não de Osmar Jeronymo”, afirma a Polícia Federal na representação.

Vai di Vinho

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
'É chato deixar o vice fora de reuniões', diz Mourão
Política
Nova pesquisa mostra, liderança apertada de Bolsonaro em MS
Política
Ida para novo partido está "bastante avançada", diz Bolsonaro
Política
Governo entrega cobertores a famílias campo-grandenses
Política
Bolsonaro tem 'dever cívico' de mostrar prova de fraude na eleição, diz Barroso
Política
Membros da CPI da Energisa se reúnem hoje para definir os "próximos passos"
Política
Senadores suspendem sessão da CPI da Pandemia desta quinta
Política
"Mais social" investirá R$ 182 mi por ano, diz Sérgio Murilo
Política
Diretora de hospital de MS assume secretaria anti-Covid em Brasília
Política
Paulo Corrêa pede prioridade para jornalistas na vacinação contra covid-19

Mais Lidas

Polícia
Mulher é levada para dentro da mata por bandidos e morta com tiro na cabeça
Polícia
Casal briga e vizinho tenta intervir mas passa mal e morre
Saúde
Jovem de 17 anos, sem comorbidades, está entre as 38 vítimas da covid em 24h
Saúde
Lote com 97.500 doses de vacina contra covid chegam hoje a MS