Menu
Busca quinta, 23 de setembro de 2021
(67) 99647-9098
TJMS setembro21
Política

Líbia quer ampliar relações econômicas e comerciais com o Brasil

17 dezembro 2012 - 11h05Reprodução/Agência Brasil

Um ano depois, com o país sob novo comando, os novos líderes da Líbia querem mostrar que é possível intensificar parcerias e por em prática um modelo de democracia diferente do que havia nas quatro décadas em que a região era governada pelo ex-presidente Muammar Khadafi. O Brasil é um dos parceiros cortejados para ampliar os acordos nas áreas de construção civil, agrícola, bens de consumo e serviços.

A avaliação é do presidente da Frente Parlamentar Brasil-Líbia, deputado Adrian Mussi (PMDB-RJ), que neste domingo (16) encerra a visita de uma semana a Trípoli e algumas cidades líbias. Adrian esteve com o presidente líbio, Mohamed Al Magarief,  parlamentares e representantes da sociedade civil. “É evidente o desejo de todos de construir uma nova Líbia. As pessoas querem abrir as portas para o Brasil”, ressaltou ele à Agência Brasil.

Nas conversas, o deputado disse ter percebido que há um interesse não só das autoridades líbias, como dos empresários que se interessam em executar projetos que estimulem a geração de emprego e  investimentos no país. Segundo ele, o presidente líbio indicou que quer incentivar projetos que gerem a industrialização, o aperfeiçoamento profissional e mais oportunidades para os jovens.

“Há um interesse imenso pelo Brasil e também pelos programas sociais desenvolvidos no país porque o esforço dos que estão hoje no poder é construir um governo voltado para o povo e longe do período da ditadura”, disse o parlamentar.

O embaixador do Brasil na Líbia, Afonso Carbonar, disse à Agência Brasil que desde que chegou ao país, há quatro meses, observa avanços significativos no país. “Comparando os dias de hoje com agosto houve um salto qualitativo imenso”, disse ele. “A presença de um parlamentar brasileiro aqui, trazendo propostas e ouvindo as demandas, é espetacular. Fomos muito bem-recebidos pelo presidente da República e pelas autoridades do país”, ressaltou.

Por 42 anos, a Líbia esteve sob domínio de Khadafi. Em outubro de 2011, ele foi capturado e morto, iniciando uma nova fase no país. Após sete meses de conflitos em 2011, várias cidades foram destruídas, como Sirte (terra natal de Khadafi) e Brega. Um ano depois, ainda há instituições públicas desfeitas e empresas privadas estrangeiras que negociam seu retorno ao país.       

A morte de Khadafi encerrou um longo período que alternou momentos de tensão e isolamento com a comunidade internacional. Depois de 2003, Khadafi retomou as articulações para se reaproximar da comunidade internacional. Porém, o processo de desgaste do seu governo acentuou-se por protestos e manifestações na região.

Via Agência Brasil

Unica - inverno

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Relatório da reforma administrativa é aprovado por Comissão da Câmera
Política
Diretor da Precisa nega participação nas negociações da Covaxin
Política
PEC da Reforma Administrativa deve ser votada pela Comissão especial
Política
Dono da Havan deverá explicar fraude em certidão de óbito da própria mãe à CPI
Política
IOF não irá financiar Bolsa Família em 2022, segundo secretário
Política
Bolsonaro e comitiva brasileira devem fazer quarentena por recomendação da Anvisa
Política
Nelsinho representa pauta ambiental do Brasil nos EUA
Política
Vídeo: André Puccinelli afirma que decide candidatura até dezembro
Política
Em MS "bandido não faz carreira", dispara Paulo Corrêa
Política
Auxílio Brasil é tema de audiência na Câmara com ministro da Cidadania

Mais Lidas

Geral
Vídeo: "Peixe de bosteiro", morador de rua engana população de Paranaíba
Polícia
Menino de 2 anos mata prima atropelada após dar partida em carro
Polícia
Funcionários da Energisa ficam sob mira de arma ao tentar podar árvores na Vila Olinda
Polícia
Operação “Dark Money” investiga desvio de R$ 23 milhões no esquema de corrupção em Maracaju