Menu
Busca quinta, 24 de setembro de 2020
(67) 99647-9098
TJMS setembro20
Política

Líbia quer ampliar relações econômicas e comerciais com o Brasil

17 dezembro 2012 - 11h05Reprodução/Agência Brasil

Um ano depois, com o país sob novo comando, os novos líderes da Líbia querem mostrar que é possível intensificar parcerias e por em prática um modelo de democracia diferente do que havia nas quatro décadas em que a região era governada pelo ex-presidente Muammar Khadafi. O Brasil é um dos parceiros cortejados para ampliar os acordos nas áreas de construção civil, agrícola, bens de consumo e serviços.

A avaliação é do presidente da Frente Parlamentar Brasil-Líbia, deputado Adrian Mussi (PMDB-RJ), que neste domingo (16) encerra a visita de uma semana a Trípoli e algumas cidades líbias. Adrian esteve com o presidente líbio, Mohamed Al Magarief,  parlamentares e representantes da sociedade civil. “É evidente o desejo de todos de construir uma nova Líbia. As pessoas querem abrir as portas para o Brasil”, ressaltou ele à Agência Brasil.

Nas conversas, o deputado disse ter percebido que há um interesse não só das autoridades líbias, como dos empresários que se interessam em executar projetos que estimulem a geração de emprego e  investimentos no país. Segundo ele, o presidente líbio indicou que quer incentivar projetos que gerem a industrialização, o aperfeiçoamento profissional e mais oportunidades para os jovens.

“Há um interesse imenso pelo Brasil e também pelos programas sociais desenvolvidos no país porque o esforço dos que estão hoje no poder é construir um governo voltado para o povo e longe do período da ditadura”, disse o parlamentar.

O embaixador do Brasil na Líbia, Afonso Carbonar, disse à Agência Brasil que desde que chegou ao país, há quatro meses, observa avanços significativos no país. “Comparando os dias de hoje com agosto houve um salto qualitativo imenso”, disse ele. “A presença de um parlamentar brasileiro aqui, trazendo propostas e ouvindo as demandas, é espetacular. Fomos muito bem-recebidos pelo presidente da República e pelas autoridades do país”, ressaltou.

Por 42 anos, a Líbia esteve sob domínio de Khadafi. Em outubro de 2011, ele foi capturado e morto, iniciando uma nova fase no país. Após sete meses de conflitos em 2011, várias cidades foram destruídas, como Sirte (terra natal de Khadafi) e Brega. Um ano depois, ainda há instituições públicas desfeitas e empresas privadas estrangeiras que negociam seu retorno ao país.       

A morte de Khadafi encerrou um longo período que alternou momentos de tensão e isolamento com a comunidade internacional. Depois de 2003, Khadafi retomou as articulações para se reaproximar da comunidade internacional. Porém, o processo de desgaste do seu governo acentuou-se por protestos e manifestações na região.

Via Agência Brasil

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Paulo Corrêa homenageia bombeiro que salvou recém-nascida
Política
Bolsonaro e Felipe Neto estão entre os 100 mais influentes do mundo
Política
Senado: Comissão do Pantanal aprova visita a Corumbá em outubro
Política
Câmara instala hoje comissão para mudar Lei da Lavagem de Dinheiro
Política
AO VIVO - Acompanhe a reunião da Comissão do Pantanal no Senado
Política
Onevan de Matos e seu candidato a vice, testam positivo para Covid-19
Política
Câmara aprova projeto que prorroga contratos durante a pandemia
Política
MDB de Sonora vai ao TRE contra pesquisa
Política
Em discurso na ONU, Bolsonaro nega incêndios criminosos no Pantanal
Política
AO VIVO: Bolsonaro discursa na ONU

Mais Lidas

Polícia
Jovem é espancada pelo namorado ao se recusar dormir com ele
Saúde
MS registra 13 novos de coronavírus; infecções foram 815
Saúde
Pessoas infectadas com Covid-19 serão rastreadas no MS
Geral
Jovem comete suicídio em salão