Menu
Busca domingo, 24 de outubro de 2021
(67) 99647-9098
Gov 44 anos
Política

Pandemia: Câmara aprova crédito de R$ 235 mi para áreas indígenas

14 outubro 2021 - 12h45Sarah Chaves com informações da Agência Câmara

A Medida Provisória 1054/21, do Poder Executivo, que abre crédito extraordinário de R$ 235,3 milhões para o enfrentamento da pandemia  em áreas indígenas foi aprovado na manhã desta quinta-feira (14) no Planário da Câmara.

O prazo para transformar a MP em lei se esgota na próxima terça-feira (19). O texto irá agora ao Senado.

Os recursos serão distribuídos em R$ 173,4 milhões para o Ministério da Cidadania; R$ 20,9 milhões para Defesa e o restante, o total de R$ 41 milhões é destinado à Fundação Nacional do Índio (Funai).

A MP teve parecer favorável do relator, deputado Nilto Tatto (PT-SP). “Estamos falando de populações mais vulneráveis e precisam de um acompanhamento mais de perto do poder público”, disse Tatto.

Ele alertou para a baixa execução dos recursos até o momento. Segundo Tatto, dos valores destinados ao Ministério da Cidadania, nada foi empenhado até agora.

 

Unica - primavera

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Acesso livre à internet em órgãos públicos municipais agora é lei
Política
Bolsonaro diz ter “total confiança” em Guedes e afirma que o ministro irá continuar
Política
Saúde e segurança da Capital prontos para possível vendaval
Política
Pesquisa mostra intenção de votos e rejeição para eleição suplementar em Bandeirantes
Política
Simone e Fábio recebem prêmio em Brasília
Política
Quebra do teto de gastos faz equipe de Paulo Guedes se demitir
Política
Projeto destina 10% de vagas no Sine para mulher vítima de violência
Política
Ministro anuncia novo Bolsa Família de R$ 400 a partir do próximo mês
Política
Veja a lista dos indiciados pela CPI da Pandemia
Política
MS terá CNH social

Mais Lidas

Vídeos
Tempestade atinge Bodoquena agora
Vídeos
Granizo em Dois Irmãos
Vídeos
Tempestade com granizo atinge Campo Grande agora
Vídeos
Vídeo: Fogo na fiação elétrica deixa funcionário da Energisa preso em uma 'chuva' de faísca