Menu
Busca sábado, 15 de agosto de 2020
(67) 99647-9098
TJMS agosto/20
Política

Projeto proíbe venda de guloseimas nas escolas

02 setembro 2011 - 10h57G1

A Câmara de Vereadores de Campo Grande aprovou nesta quinta-feira (1º), em segunda e última votação, projeto de lei que proíbe a venda de guloseimas nas escolas públicas e particulares da cidade, com o objetivo de garantir uma alimentação mais saudável para os estudantes. A proposta estava sendo analisada há mais de um ano e segue agora para sanção do prefeito da capital.

O projeto estabelece normas para a comercialização de alimentos nas cantinas escolares. Se sancionada, a lei vai proibir a comercialização nestes locais de salgadinhos industrializados, balas, pirulitos, gomas de mascar, biscoito recheados, refrigerantes, sucos artificiais, frituras em geral, pipoca industrializada e alimentos em que o percentual de gordura saturada ultrapasse dez por cento das calorias totais, além de alimentos preparados com gordura vegetal.

Estudantes do curso de Nutrição acompanharam a votação do projeto no plenário da Câmara com cartazes em que defendiam uma mudança urgente nos hábitos alimentares das crianças e adolescentes. "Se alimentando bem nós criamos uma resistência maior. Então temos que defender uma alimentação melhor. É a nossa vida, a nossa saúde", disse a acadêmica Aline Cristina.

Profissionais da área, como a nutricionista Lidiane Britts, também defenderam a proposta. "O problema é que a oferta das guloseimas é muito maior que a oferta dos alimentos saudáveis e isso está estimulando o consumo alimentar dessas crianças. Essas crianças estão ganhando peso e como consequência estamos tendo adultos muito mais doentes", avaliou.

Após mais de três horas de discussão sobre o projeto, a proposta foi aprovada. Dos 21 vereadores da Câmara, 17 estavam presentes e 14 votaram a favor da proibição da venda de guloseimas nas cantinas escolares da capital.

O vereador Clemêncio Ribeiro (PMDB), presidente da Comissão de Indústria, Comércio, Agropecuária e Turismo, votou contra o projeto e justificou sua posição dizendo que a proposta mereceria um debate mais aprofundado. "Acho que deveria ser realizada uma audiência pública para que tivéssemos chance de ouvir os dois lados neste assunto".

Em contrapartida, o vereador Cristóvão Silveira (PSDB), que é o autor do projeto, defendeu a proibição. "As cantinas que vendem alimentos para as crianças precisam estar sintonizadas com a cultura da saúde que é ensinada nas salas de aula. Não pode, na sala se ensinar uma coisa, a merenda escolar ser de um jeito e a cantina estar totalmente ao contrário", conclui.

a proprietária da cantina da escola estadual Joaquim Murtinho, Shosaine Alves da Silva, não concorda com a medida e enfatiza que, se o projeto virar lei, vai prejudicar as vendas. "Independente disso, a educação alimentar tem que vir de casa, pois esses tipos de alimentos tem na rua ou no mercado. Se a pessoa tem o entendimento, ela não vai consumir, independente de vender ou não na cantina." Shosaine disse ainda que a medida terá impacto na alimentação dos estudantes. "Muitos dos alunos de escolas públicas não têm condições de consumir alguns dos alimentos propostos [na lei], pois produtos como suco e sanduíche natural, por exemplo, são mais caros." Arlan Oliveira de Souza é dono de uma lanchonete em uma escola particular no centro de Campo Grande e disse ao G1 que a medida é bem-vinda. "Tudo que vem para beneficiar a saúde, é bem-vindo." Porém, ele alerta para a educação alimentar dos estudantes. "É válido [o projeto] se conscientizasse todos os pais que essa é a alimentação correta."

Senar - agosto2020

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
“Muita Tristeza, parece que caiu uma bomba atômica”, diz Nelsinho no Líbano
Política
Datafolha mostra melhora da avaliação de Bolsonaro
Política
Vereadores aprovam criação do Mapa da Violência na capital
Política
Assembleia reconhece calamidade pública em Dois Irmãos do Buriti
Política
Bico seco: “Vai aliviar o fígado”, brinca Marquinhos
Política
Prefeitura republica decreto e antecipa “bico seco” para amanhã
Política
Decretado: “bico seco” começa a valer a partir de quinta na capital
Política
Marquinhos sanciona Lei que define serviços como atividades essenciais
Política
Capital: Câmara aprova prorrogação do Refis para setembro
Política
Assembleia aprova adicional a contratados do Sistema Penitenciário

Mais Lidas

Justiça
STF anula demarcação da Fazenda Santa Alice
Geral
Funcionário do Detran testa positivo e alega omissão do órgão
Esportes
Vexame histórico: Bayern “enfia” 8 no Barça na Champions
Brasil
Vídeo: Casal aparece fazendo sexo em reunião virtual de vereadores