Menu
Busca sábado, 18 de janeiro de 2020
(67) 99647-9098
Perkal Topo - janeiro-20
Política

Reeleição se confunde com história recente de MS

01 agosto 2010 - 10h58
O advento da reeleição é mais do que uma possibilidade. Na história recente de Mato Grosso do Sul ele aconteceu em todas as situações em que postulantes do executivo a pleitearam. O primeiro deles foi o atual governador André Puccinelli, quando prefeito de Campo Grande em 2000, ele enfrentou o então petista e hoje tucano Ben Hur Ferreira, na época deputado federal, que tentava barrar a recondução de Puccinelli. O resultado é conhecido, André ganhou e conquistou mais quatro anos frente à Prefeitura da Capital. Ainda em Campo Grande, o atual prefeito Nelsinho Trad disputou a possibilidade de uma segunda eleição, num pleito quase homologatório contra o deputado Pedro Teruel (PT). Venceu e com uma margem achapante. A vice de Puccinelli, que renunciou a Prefeitura de Três Lagoas para ser vice de André na eleição deste ano, também se reelegeu até com facilidade na sua cidade em 2008. Os petistas também souberam usar o poder para asfaltar sua permanência no poder por oito anos. Quando governador, Zeca do PT enfrentou Marisa Serrano, mas não teve a mesma facilidade de outros. A disputa foi ao segundo turno e até adversários tiveram que ser mobilizados ou "acalmados" para que a eleição não fosse uma grande surpresa. Por fim, Zeca ganhou o direito de ser governador novamente e ficou no poder até o final de 2006, exercendo oito anos de governo. Em Corumbá, Ruiter Cunha também se reelegeu e ficará no poder até o final de 2012, quando encerrara o exercício de duas administrações frente à "Cidade Branca". Na cidade de Dourados outro prefeito do PT tocou a municipalidade por dois longos mandatos, Laerte Tetilla, que mesmo não sendo uma unaminidade no Município, também teve duas gestões sob o comando de sua caneta. Mesmo em municípios onde a reeleição era considerada problemática, como Porto Murtinho com Nelson Cintra, a força da máquina (nesse caso também da estadual) acabou falando mais alto que a perspectiva política que se apresentava até o início do processo eleitoral. Neste ano de 2010, mais uma reeleição está em disputa, a do governador André Puccinelli. Com boa avaliação da população, liderando as pesquisas e mesmo com a vigilância rigorosa da justiça eleitoral e tendo a estrutura da máquina pública a seu favor, André tem toda a história política pós-reeleição de MS avalizando suas possibilidades de mais quatro anos de mandato. O segundo mandato foi permitido pela primeira vez na eleição de 1998, quando o então governador Wilson Martins não tentou conquistá-la, sendo que em 2010 ela estará sendo permitida pela sétima vez. Todos que a disputam, entram no pleito historicamente com favoritismo sobre seus adversários.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Bolsonaro sanciona LOA de 2020
Política
Bolsonaro anuncia aumento de 12% no salário do professor do ensino básico
Política
Após declarações nazistas, Bolsonaro exonera Roberto Alvim
Política
Nelsinho avalia como "um passo a frente", entrada do Brasil na OCDE
Política
Sérgio de Paula desmente expulsão de Rose do PSDB
Política
"Aliança" fará encontro em fevereiro, na capital
Política
''Janela'' para vereadores começa em março
Política
Deputado do PSL defende assédio e polemiza: “Não sejamos hipócritas”
Política
Veja a previsão de líderes de partidos na Câmara dos Deputados em 2020
Política
Mandetta é primeiro em ranking de simpatia no congresso

Mais Lidas

Economia
Com simplificação no processo, MS bate recorde em abertura de negócios
Polícia
Assaltantes se escondem em moita após furtarem residência
Geral
Morador se assusta com a visita noturna de um jacaré
Polícia
Mulher que levou tiro de ex está em estado grave na Santa Casa