Menu
Busca domingo, 27 de setembro de 2020
(67) 99647-9098
Política

TRE/MS baixa portaria com condutas vedadas nas eleições

02 outubro 2010 - 07h46
O corregedor regional da Justiça Eleitoral de Mato Grosso do Sul, desembargador Rêmolo Letteriello, determinou a publicação da Portaria 29/2010, sobre as condutas que são proibidas no dia da eleição, que acontece domingo (3). É permitida a manifestação individual e silenciosa da preferência do eleitor por partido político, coligação ou candidato, revelada exclusivamente pelo uso de bandeiras, broches, dísticos e adesivos. Fica proibido até o término do horário de votação a aglomeração de pessoas portando vestuário padronizado, bem como o uso de bandeiras, broches, dísticos adesivos, de modo a caracterizar manifestação coletiva, com ou sem utilização de veículos em qualquer local público ou aberto ao público. Também fica proibido aos servidores da Justiça Eleitoral, aos mesários e aos escrutinadores, o uso de vestuário ou objeto que contenha propaganda de qualquer partido político, de coligação e candidato, no recinto das seções eleitorais e juntas eleitorais. Aos fiscais partidários, nos trabalhos de votação, só será permitido que, em suas vestes, constem o nome e a sigla do partido ou coligação a que sirvam, vedada a padronização do vestuário. Compra de voto figura como crime e no dia das eleições, a pessoa que estiver usando dessa prática estará sujeita a reclusão de até quatro anos e pagamento de cinco a 15 dias de multa. O candidato também será punido. Quem vender voto também estará sujeito as mesmas penas. Conforme o desembargador Letteriello, constitui crime eleitoral a realização de transporte de eleitores desde o dia anterior até o posterior à eleição, com exceção de serviço da Justiça Eleitoral, coletivos de linhas regulares e não fretados, de uso individual do proprietário, para o exercício do próprio voto e dos membros de sua família e a serviço normal, sem finalidade eleitoral, de veículos de aluguel. Também constituem crimes, no dia da eleição, puníveis com detenção de seis meses a um ano, com alternativa de prestação de serviços a comunidade pelo mesmo período, e multa no valor de R$ 5.320,50 a R$ 15.961,50, o uso de alto-falantes e amplificadores de som ou a promoção de comício e carreata, reter título eleitoral contra a vontade do eleitor, votar ou tentar votar mais de uma vez em lugar de outra pessoa, entre outros. A portaria foi encaminhada às coligações e ao PSOL, partido que concorre isoladamente, juízes e promotores eleitorais do estado e policias federal, militar, civil e rodoviárias.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Campanha das eleições municipais começa neste domingo
Política
Após polêmica, Siqueira anuncia que é candidato a prefeito de Campo Grande
Política
Mais de meio milhão de candidatos inscritos para disputar as eleições 2020
Política
Bolsonaro volta ao trabalho na segunda
Política
Bolsonaro apresenta ótima evolução clínica após cirurgia
Política
Pandemia deve baratear campanha
Política
Chapa do PSDB quer “dar voz” a sociedade
Política
Aprovação de Bolsonaro sobe para 40%, diz CNI/Ibope
Política
Capital já tem 9 candidatos a prefeito registrados no TRE
Política
Paulo Corrêa homenageia bombeiro que salvou recém-nascida

Mais Lidas

Polícia
Homem é preso com R$ 73 mil em ‘muamba’ que venderia em Brasília
Cidade
Acidente entre caminhão e carreta mata uma pessoa na BR-262
Política
Campanha das eleições municipais começa neste domingo
Polícia
Festa com mais de cem acaba na delegacia