Menu
Busca quarta, 27 de maio de 2020
(67) 99647-9098
TJ MS maio20
Saúde

Composto de planta da Mata Atlântica combate Leishmaniose e Chagas, diz estudo

Doenças negligenciadas atingem as zonas tropicais, afetando pessoas carentes

14 julho 2019 - 17h31Rauster Campitelli, com informações da Agência Brasil

Um estudo do Instituto Adolfo Lutz, Universidade Federal do ABC e Universidade de Oxford, apoiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), pode resultar em novos medicamentos para o tratamento de pacientes vítimas de leishmaniose visceral e doença de Chagas. Um composto derivado da planta Nectranda leucanta - originária da Mata Atlântica -, conhecida como canela-seca ou canela-branca, combate parasitas que transmitem essas doenças.

Os pesquisadores dessas instituições têm se dedicado à identificação de substâncias com origem na biodiversidade da Mata Atlântica que possam resultar em novos tratamentos para as chamadas doenças negligenciadas, aquelas causadas por agentes infecciosos ou parasitas que afetam principalmente populações mais pobres. Além da leishmaniose e Chagas, outros exemplos desse tipo de doença são dengue, malária e doença do sono.

“As doenças negligenciadas afetam vários países, especialmente nas zonas tropicais, afetando muitas pessoas carentes. As drogas ou fármacos disponíveis para o tratamento são escassos e trazem muitos efeitos colaterais, de modo que muitos usuários desses fármacos preferem interromper o tratamento antes da cura definitiva. Por isso, a seleção de novos compostos é crucial”, disse o pesquisador João Henrique Ghilardi Lago, da Universidade Federal do ABC (UFABC).

Responsável pelo isolamento e determinação estrutural dos compostos da canela-seca, Ghilardi destacou que há diversas substâncias na natureza que podem servir como protótipos para o desenvolvimento de novos medicamentos.

Os compostos retirados da canela-seca foram muito potentes contra a Leishmania infantum – agente causador da leishmaniose visceral – e o Trypanosoma cruzi – causador da doença de Chagas –, de acordo com os pesquisadores, levando inclusive à morte dos parasitas.

“O próximo passo do nosso trabalho consiste na realização de ensaios in vivo, ou seja, no animal acometido pela doença para confirmação da atividade já observada nos nossos estudos. O importante, nesse caso, é que a substância que testamos apresenta baixa toxicidade, ou seja, é seletiva atuando no parasita”, explicou o pesquisador.

Ghilardi ressalta que o composto é acessível, o que é uma vantagem quando se trata do desenvolvimento de um remédio. “A preparação dessa substância ativa [que combate os parasitas] é simples e utiliza matérias-primas baratas e facilmente disponíveis. Esse ponto é muito importante quando se busca medicamentos para tratamento de doenças negligenciadas, eles precisam ser eficientes e baratos”, disse.

Participaram da pesquisa também André Gustavo Tempone Cardoso, do Instituto Adolfo Lutz, responsável pelos ensaios de atividade antiparasitária da substância, e Edward Anderson, da Universidade de Oxford da Inglaterra, responsável pelo planejamento e síntese dos protótipos ativos baseados nos produtos de origem natural.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Saúde
Com morte e 86 novas confirmações, MS registra 1.186 casos de coronavírus
Saúde
Barreiras sanitárias abordaram mais de 8 mil pessoas na capital
Saúde
Três UPA's atendem com pediatras nesta manhã de quarta-feira
Saúde
Idosa de 78 anos é a 18ª vítima fatal de coronavírus no MS
Saúde
Capital: Em menos de 4h, barreiras sanitárias abordam 1,5 mil veículos
Saúde
Empresa arrisca e faz vacina contra coronavírus em larga escala
Saúde
MS totaliza 1.100 casos; "temos que atuar convivendo com a doença", diz Riedel
Saúde
Saiba onde 16 pediatras e 44 clínicos atenderão pela manhã
Saúde
Brasil tem 23.473 mortes pelo novo coronavírus, diz ministério
Saúde
URGENTE - MS passa de mil casos de coronavírus

Mais Lidas

Educação
Inscrições no Enem terminam nesta quarta
Polícia
Bandido invade UBS na madrugada levando botijão e liquidificador
Geral
App do Magazine Luiza ganha botão para denunciar violência contra mulheres
Cidade
Pandemia é o maior problema em MS, mostra pesquisa Ranking