Menu
Menu
Busca terça, 28 de maio de 2024
Secovi
Saúde

Por unanimidade, Anvisa mantém proibição de cigarros eletrônicos

Pneumologista Ronaldo Queiroz diz que dispositivos são "verdadeira droga"

20 abril 2024 - 11h36Carla Andréa    atualizado em 20/04/2024 às 11h43

Nesta sexta-feira (19), foi divulgado que a Anvisa decidiu manter a proibição dos dispositivos eletrônicos para fumar (DEFs), mais conhecidos como cigarros eletrônicos. Os “vapes” são proibidos desde 2009, conforme a Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) 46, de 28 de agosto daquele ano.

A atualização da norma proíbe a fabricação, a importação, a comercialização, a distribuição, o armazenamento, o transporte e a propaganda de todos os cigarros eletrônicos. No entanto, o regulamento aprovado não alcança a proibição do uso individual, mas proíbe em qualquer ambiente coletivo fechado, desde 1996, conforme previsto na Lei 9.294/1996.

De acordo com o pneumologista Ronaldo Queiroz, “a Anvisa está corretíssima”. Ele lembra que houve uma campanha da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT) demonstrando tecnicamente e cientificamente, todos os malefícios que o cigarro eletrônico provoca.

Diante disso, a Anvisa aprovou por unanimidade a proibição da comercialização dessa “verdadeira droga no território nacional”.

O não cumprimento da resolução constitui em infração sanitária e pode levar à aplicação das penalidades das Leis 9.294, de 2 de julho de 1996, e 6.437, de 20 de agosto de 1977, que incluem advertência, interdição, recolhimento, multa, e entre outras.

Ronaldo dispara que os cigarros eletrônicos prejudicam mais que os cigarros comuns, pois contém substâncias cancerígenas, nicotina (alcaloide que gera o vício) em concentrações maiores. Podendo causar, além de câncer de pulmão, a piora da asma brônquica, e aumentar o número de casos de Acidente Vascular Cerebral (AVC)

Segundo a SBPT, 2,9 milhões de brasileiros consomem o cigarro eletrônico. 7% deles são adolescentes que experimentaram para acompanhar alguém; 6,8% pelos sabores; 11% por “modinha”; e 20% por curiosidade. Esses números podem mostrar que os jovens desenvolverão a pneumonia Evali, que é agressiva, e pode levar um paciente à morte por insuficiência respiratória.

“A indústria do cigarro eletrônico objetiva ocupar esse mercado bilionário do tabagismo comum. Ela solta uma fake News, uma mentira, dizendo que o cigarro eletrônico pode substituir o comum, dizendo que não vicia, que não tem nicotina e nem provoca doenças. É mentira porque tem malefícios”, afirma Ronaldo Queiroz.

“Não tem menor possibilidade de se aprovar uma droga desse tipo”, complementa o pneumologista.

Ronaldo Queiroz (Reprodução)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

JD1 No Celular

Acompanhe em tempo real todas as notícias do Portal, clique aqui e acesse o canal do JD1 Notícias no WhatsApp e fique por dentro dos acontecimentos também pelo nosso grupo, acesse o convite.

Tenha em seu celular o aplicativo do JD1 no iOS ou Android.

Reportar Erro
Assembleia - Maio24

Deixe seu Comentário

Leia Também

Vai um cafezinho? Pesquisa mostrou que tomar bebida pode proteger contra Parkinson
Saúde
Vai um cafezinho? Pesquisa mostrou que tomar bebida pode proteger contra Parkinson
Campanha nacional de vacinação contra a pólio começa nesta segunda-feira
Saúde
Campanha nacional de vacinação contra a pólio começa nesta segunda-feira
Parte da população brasileira deverá receber dose da vacina contra a Covid-19
Saúde
Saúde lança nova campanha de vacinação contra covid-19
Escala médica
Saúde
Plantão UPAs: Confira a escala médica nas unidades da Capital neste sábado
Ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal
Saúde
Moraes suspende processos baseados em resolução contra aborto do CFM
Dengue: Brasil já registra 3 mil mortes pela doença neste ano
Saúde
Dengue: Brasil já registra 3 mil mortes pela doença neste ano
Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue e de outras arboviroses, como zika e chikungunya
Saúde
Dengue: MS tem mais de 9 mil casos confirmados neste ano
Casos e mortes por SRAG continuam a subir em MS
Saúde
Casos e mortes por SRAG continuam a subir em MS
Campo Grande já registrou mais de 14 mil casos de Síndrome Gripal
Saúde
Campo Grande já registrou mais de 14 mil casos de Síndrome Gripal
Mortes estão acontecendo após enchentes no RS
Saúde
Rio Grande do Sul confirma mais duas mortes por leptospirose

Mais Lidas

Waldeli dos Santos Rosa -
Política
Ex-prefeito é condenado por espalhar "Deep Fake" em Costa Rica
Vítima morreu ainda no local
Polícia
Homem é morto a tiros após jogar salgado em dono de lanchonete
Campo Grande amanhece encoberta de névoa
Clima
Campo Grande amanhece com neblina e frio ganha novo aliado nesta segunda
Delegadas Elaine Benicasa e Analu Lacerda deram detalhes sobre o crime de Amalha Mariano
Polícia
Nova versão: Caminhoneiro matou corretora após discussão em caso extraconjugal