Menu
Busca sábado, 19 de setembro de 2020
(67) 99647-9098
Aguas - super banner
Tecnologia

Aplicativo para celular e tablet testa alunos para o Enem e vestibulares

05 junho 2013 - 11h35Reprodução/Google Play
A mania moderna de mexer no celular pode ser uma grande aliada para quem está às vésperas de prestar o vestibular. O ambiente tecnológico, cada dia mais inovador, também tem espaço garantido para a educação. Pensando nisso, a empresa mineira EI&T (Educação, Inovação e Tecnologia) desenvolveu um aplicativo, o AppProva, que une diversão e conhecimento em apenas alguns cliques.

A ferramenta, disponível gratuitamente para smartphones e tablets, é um jogo interativo, que apresenta um quiz de perguntas e respostas – são quase 10 mil questões baseadas no conteúdo das provas do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) e dos principais vestibulares do país.

"Os questionamentos sobre o uso da tecnologia como ferramenta de auxílio na educação bem como aqueles sobre a utilização de redes sociais pelos adolescentes nos instigavam a modelar uma solução que aproveitasse o grande tempo despendido nessas redes. Ao observarmos o comportamento das pessoas em diversos jogos sociais percebemos que a interação social se tornava mais importante do que gráficos ou enredos complexos. Por fim, havia a familiaridade com um problema de difícil solução enfrentado pelas instituições de ensino: identificar as falhas sistemáticas de uma 'safra' de alunos antes da realização do vestibular uma vez que, na maioria dos casos, essa era a única vez em que eles eram expostos aos seus concorrentes", falou João Guilherme Gallo, diretor executivo da EI&T, sobre a ideia de desenvolver o dispositivo.

Campeão de download
Disponível para os sistemas Android e IOS (para Iphone), a ferramenta foi lançada no dia 2 de maio e já está no top 10 da categoria Educação da Apple Store.

O estudante Raphael Kakazu, 18, de São Paulo, testou o aplicativo e aprovou. "A proposta é legal, pois permite que você fique sempre ligado ao compromisso do vestibular. Nem sempre dá para ler um livro em um ônibus, por exemplo. E o aplicativo comporta um conteúdo que proporciona um preparo considerável para as provas", analisou.

Porém, com tanta facilidade, vale lembrar que a ferramenta é só mais uma parceira dos vestibulandos, que não devem abandonar os métodos convencionais de estudos, como ressalta o coordenador pedagógico da EI&T, Jorge Cascardo.

"O aplicativo definitivamente não substitui as aulas, livro, apostilas e muito menos os professores. A ideia é que o aluno continue utilizando todas as ferramentas que já utilizava para se capacitar e utilize o dispositivo tanto para o lazer quanto para identificar suas dificuldades, ao perceber que tem errado sistematicamente questões sobre um determinado conteúdo ou que dependem de uma determinada habilidade. Uma vez identificada a fraqueza, o usuário poderá recorrer ao seus professores, monitores, livros e apostilas para estudar mais e resolver suas dúvidas. O foco do aplicativo não está em ensinar mas em avaliar aquilo que o aluno realmente aprendeu e assim ajudá-lo a direcionar seus estudos", esclareceu Cascardo.

A parceria tecnologia e educação
Para Harley Sato, autor e professor do Sistema Anglo de Ensino de São Paulo, nos dias atuais, não dá para pensar em educação sem tecnologia. No entanto, Sato chama atenção para o fato de que é preciso ficar atento ao teor pedagógico dessas ferramentas, "do contrário, vira Playstation".

O professor Gilberto Alvarez Giusepone Jr., especialista em Enem e diretor do Cursinho da Poli (SP), também considera as inovações tecnológicas como grandes parceiras da educação, e avalia a funcionalidade do aplicativo que já conquistou a turminha geek.

"É uma boa ferramenta e, de fato, ajuda na preparação do aluno. O fato de ser um jogo lúdico também aumenta o interesse. Sempre recomendamos que o aluno se exercite, faça simulados e provas dos anos anteriores como dinâmica de estudo. Achei interessante o fato de aparecer uma tela orientando o aluno sobre o que estudar quando ele não acerta uma questão", falou Giusepone, que também deixou uma dica aos estudantes. "Os vestibulares mudam ao longo do tempo. É bom o aluno ir atrás de vestibulares com até cinco anos. O programa não informa o ano dos vestibulares", avaliou.

João Guilherme Gallo explicou como foi elaborado o quiz do AppProva:

"Cada questão foi analisada por uma equipe de professores que identificam os conteúdos, habilidades e competências necessárias para resolvê-la. Inicialmente foram selecionadas questões do Enem e, em seguida, buscou-se manter um equilíbrio na distribuição geográfica das fontes bem como no modelo de questões, mais conteudistas ou mais interpretativas e de raciocínio".

Como funciona o aplicativo?
"No AppProva você não joga sozinho". É assim que a página do AppProva no Google Play descreve a dinâmica do aplicativo. Para participar do quiz, o usuário faz login com a senha do Facebook e, além de compartilhar os resultados, também visualiza o desempenho dos amigos - a cada semana  é possível saber quem foram os vencedores. Para acirrar o clima de "disputa", a ferramenta estipula o tempo em que as questões deverão ser respondidas.

"A dinâmica principal do aplicativo é a interação social associada ao jogo. Os alunos podem realizar 'duelos' com seus amigos nas disciplinas que se julgam mais competentes e em breve terão acesso a uma avaliação com o resumo de seu desempenho e uma análise comparativa com outros alunos da sua cidade, estado ou que desejem o mesmo curso", explica João Guilherme Gallo, diretor executivo da EI&T.

Lançado inicialmente no Facebook – onde atraiu mais de 65 mil usuários –, em agosto de 2012, o AppProva chegou às telas de celulares e tablets após os criadores constatarem que cada vez mais o ambiente web tem como rivais os dispositivos móveis, "que tomam praticamente 100% do tempo dos usuários", como considerou Gallo.

Recentemente, pesquisa desenvolvida pela empresa norte-americana Pew Internet & American Life Project revelou que 78% dos jovens com idades entre 12 e 17 anos usam telefones celulares e quase a metade de seus aparelhos têm acesso à internet.

Via Uol

Deixe seu Comentário

Leia Também

Tecnologia
INSS começara a notificar beneficiários por meio digital
Tecnologia
Celulares Androids terão sensores de terremotos em nova tecnologia do Google

Mais Lidas

Geral
Confira a agenda de lives para esta sexta-feira
Geral
CRMV-MS traz veterinários que atuaram em Brumadinho para ajudar no combate ao incêndio do pantanal
Cidade
Após 20 anos vivendo na irregularidade, 215 famílias de Bodoquena receberão título de propriedade
Justiça
Espaço de eventos indenizará em R$ 20 mil casal por falta de água durante casamento