Menu
Menu
Busca quinta, 29 de fevereiro de 2024
Brasil

À frente do Supremo por apenas sete meses, Ayres Britto buscará coalizão

19 abril 2012 - 10h47Reprodução

O ministro Carlos Ayres Britto assume hoje (19) a chefia do Poder Judiciário e fica no cargo por sete meses sem um plano de metas e estratégias. No entanto, ele decidiu que seu mandato primará pelo diálogo aberto com juízes, representantes do Legislativo, do Executivo e de entidades diversas e com seus próprios colegas de Tribunal para articular assuntos de interesse do Judiciário. O perfil é uma guinada em relação ao padrão mais centralizador do antecessor, Cezar Peluso.

A aproximação com os tribunais superiores e com instituições ligadas à Justiça, como o Ministério Público e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), começou a ser posta em prática assim que Britto foi eleito presidente, quando realizou uma série de visitas de cortesia. “Meu estilo de gestão é o compartilhamento gerencial. Pretendo projetar um olhar coletivo sobre os nossos problemas, os nossos desafios, convocando toda a magistratura, a partir dos tribunais”, disse, em passagem pelo Superior Tribunal de Justiça.

Preocupado com a autoestima dos juízes, Britto pretende direcionar seus esforços à frente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) para mostrar que os “bandidos de toga” são exceção. Ele não chegou a definir ações específicas para restaurar a unidade da categoria, mas já é certo que defenderá uma postura menos “belicosa” com os magistrados por parte da corregedora Eliana Calmon.

Uma das evidências sobre essa postura conciliadora é a aproximação do ministro Ayres Britto de entidades de classe da magistratura, principais críticas do CNJ. Britto escolheu três ex-dirigentes de associações de juízes para auxiliá-lo na presidência do conselho.

A aproximação com a magistratura também prevê a retomada das negociações com o Executivo e com o Legislativo para o reajuste salarial da categoria, estagnado desde 2009. Ainda não há definição sobre a articulação de um terceiro Pacto Republicano com os demais poderes, mas é certo que, caso isso aconteça, a pauta sugerida inicialmente por Peluso sofrerá alterações.

Internamente, Britto quer que os colegas participem mais dos assuntos da Suprema Corte e colherá opiniões sobre a manutenção do rigoroso sistema de segurança implantado na gestão de Peluso e sobre critérios que restringem a transparência de processos, como o uso de iniciais para identificar investigados em inquéritos.

Caso o julgamento do mensalão ocorra mesmo durante sua gestão, ele convocará os ministros para formatar o julgamento, que promete ser o mais extenso e complexo já ocorrido no STF.

A imagem dos juízes vem sendo colocada em xeque desde o ano passado, quando a Corregedoria do Conselho Nacional de Justiça passou a atuar de forma mais incisiva contra desvios cometidos nos tribunais. As críticas acabaram provocando um racha na magistratura, especialmente entre a cúpula, resistente a intervenções externas, e a base, que não se identificava com as críticas sobre falta de transparência.

Via Agência Brasil

Reportar Erro

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
TSE autoriza shows para arrecadação de recursos nas eleições de 2024
Política
TSE veta deep fake e amplia deveres das redes sociais nas eleições de 2024
Brasil
Filho de desembargadora de MS preso em SP começa cumprir pena de 8 anos de prisão
Geral
Obra de pavilhão militar em Campo Grande custará mais de 4 milhões de reais
Brasil
Deputado federal tem sigilos bancário e fiscal quebrados por suposta 'rachadinha'
Brasil
Cerimônia de posse de Flávio Dino como ministro do STF acontece hoje
Brasil
MS tem 15 vagas em concurso da Caixa para nível médio e superior
Política
"Queda da Bastilha", diz Delcídio após ataque de Gilmar
Brasil
Eleitores devem regularizar o título até 8 de maio
Polícia
Irritado, ciclista discute com agentes da PRF por viatura estacionada no acostamento

Mais Lidas

Vídeos
Vídeo: Travesti bate em jovem e tribunal a pune
Justiça
Ex-secretários de saúde de Glória de Dourados são condenados pelo TCE-MS
Polícia
Bêbadas, mulheres dizem ter sido abandonadas pela PM na BR-163 após suposta abordagem
Geral
Aposentado viaja de motor home com a esposa e já percorreu mais de 120 mil km