Menu
Menu
Busca sexta, 19 de abril de 2024
TJMS Abril24
Brasil

Helder Barbalho defende-se de delator sobre doações

14 abril 2017 - 13h57Exame

A Odebrecht cogitou não dar nada ao então candidato do PMDB ao governo do Pará, Helder Barbalho, depois de ele ter solicitado R$ 30 milhões para a sua campanha em 2014, disse em delação premiada o executivo Mário Amaro da Silveira. No final das contas, a campanha do peemedebista teria recebido R$ 1,5 milhão via caixa 2.

Em nota, o ministro da Integração Nacional negou que tenha cometido ilegalidades. Barbalho reafirma que todos os recursos que recebeu como doações para sua campanha em 2014 foram devidamente registradas junto ao TRE-PA, que aprovou todas as suas contas. Segundo a nota, ao longo da campanha de 2014, o então candidato teve encontros com representantes de empresas com o objetivo de obter doações legais.

Segundo a assessoria do ministro, a doação de R$ 1,5 milhão da Odebrecht corresponde à doação oficial registrada por Helder (R$ 1,2 milhão) e por Beto Salame (R$ 300 mil). Acrescenta ainda que Helder teve doação oficial de mais R$ 2 milhão da Braskem. “Estranhamente na delação não há referência à doação oficial, só a uma suposta doação via caixa 2”, diz a nota.

Silveira ocupou o cargo de diretor-superintendente da Odebrecht Ambiental no Estado do Pará, tendo concentrado suas atividades em uma empresa adquirida pela empreiteira, a Saneatins, que na época tinha a concessão do serviço de saneamento de cinco municípios paraenses.

Apelidado de “Cavanhaque”, Barbalho é um dos oito ministros do presidente Michel Temer que são alvos de inquéritos instaurados pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), com base nas delações de executivos e ex-executivos da Odebrecht.

Em nota, a assessoria do ministro afirma que a conversa em São Paulo com o executivo da Odebrecht existiu sim, mas durou 10 minutos e foi apenas para apresentação. “Helder nunca pediu R$ 30 milhões ou quantia alguma.”

Afirmou que não tinha e não tem qualquer ingerência sobre a área de saneamento no município de Marabá. O ministro destacou ainda sua “estranheza” com o codinome “Cavanhaque”. “Em toda sua trajetória política, Helder Barbalho nunca usou cavanhaque”, diz a nota.

Reportar Erro

Deixe seu Comentário

Leia Também

Wladimir Costa -
Brasil
Ex-deputado federal é preso por violência política e ataques na internet
Votação aconteceu no Senado
Política
Senado aprova projeto que isenta do IR quem ganha até dois salários mínimos
Mais 29 casos do 8 de janeiro são votados no STF
Justiça
Defesas alegam ato pacífico, mas STF condena oito pessoas por atos antidemocráticos
Votação aconteceu no Senado
Política
PEC que criminaliza o porte de drogas independente da quantidade segue para a Câmara
Votação no Senado aconteceu na noite de quarta-feira
Política
Senado vota PEC que criminaliza posse de qualquer quantidade de droga ilícita
Juiza Gabriela Hardt, juiz Danilo Pereira Júnior e os desembargadores Carlos Eduardo Thompson Flores e Lenz Loraci Flores De Lima /
Justiça
"Graves infrações" afastam juíza da Lava Jato e mais 3
Corpos estavam na embarcação a deriva
Brasil
Embarcação é encontrada no Pará com vários corpos em decomposição
Pré-candidata a prefeita e chefe da Sudeco, Rose Modesto -
Política
Em visita de Lula a MS, Rose destaca intenção de ser a primeira prefeita eleita da Capital
Em uma das faces, peça tem gravada a ilustração do livro manuscrito da primeira Constituição do País
Brasil
BC lança moeda de R$ 5 em comemoração os 200 anos da 1ª Constituição do Brasil
Rodolfo Nogueira (PL), Marcos Pollon (PL) e Dr. Luiz Ovando (PP)
Política
Trio Bolsonarista de MS vota contra prisão de Chiquinho Brazão acusado de mandar matar Marielle

Mais Lidas

Aeronave de asa rotativa caída na grama no aeroporto
Geral
JD1 Urgente: Helicóptero cai no aeroporto Santa Maria
JD1TV: Após furtar moto, ladrão tenta extorquir soldado do Exército em Campo Grande
Polícia
JD1TV: Após furtar moto, ladrão tenta extorquir soldado do Exército em Campo Grande
Caramelo e Stivizinha
Comportamento
JD1TV: Animais de rua viram 'cãopanheiros' de serviço em atacadista e base da GCM da Capital
Professora grampeia bilhete em camisa de criança de 5 anos em Nova Friburgo
Geral
Professora grampeia bilhete em uniforme de aluno de 5 anos e gera revolta