Menu
Busca terça, 22 de junho de 2021
(67) 99647-9098
Senar - junho21
Brasil

Mourão quer punição aos responsáveis por rompimento de barragem

O presidente em exercício disse ainda que os responsáveis devem responder criminalmente

28 janeiro 2019 - 16h57Da redação com informações da Agência Brasil

O presidente em exercício, Hamilton Mourão, defendeu nesta segunda-feira (28) punição para os responsáveis pelo rompimento da Barragem 1, da mineradora Vale, em Brumadinho, Minas Gerais, na sexta-feira (25). Segundo ele, a investigação tem de identificar os culpados e prever punição. “Agora, tem que punir mesmo, punir mesmo”, afirmou, na saída da Vice-Presidência.

“Punição tem que ser a que dói no bolso que já está sendo aplicada. Segundo, se houve imperícia, imprudência ou negligência por parte de alguém dentro da empresa, essa pessoa tem que responder criminalmente. Afinal de contas, quantas vidas foram perdidas nisso aí?”, acrescentou.

Perguntado se não seria o caso de a diretoria da Vale, empresa responsável pela barragem, ser afastada durante a investigação, Mourão respondeu: “Essa questão da diretoria da Vale está sendo estudada pelo grupo de crise. Vamos aguardar as linhas de ação que eles estão levantando”.

Ao ser questionado sobre a possibilidade de o gabinete de crise recomendar o afastamento da diretoria da empresa, Mourão afirmou que teria que estudar essa questão. “Eu não tenho a certeza de que possa fazer essa recomendação”, afirmou.

Punição

Mais cedo, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, disse, em São Paulo, que os responsáveis pela tragédia com o rompimento das barragens da Mina Córrego do Feijão em Brumadinho, nos arredores de Belo Horizonte (MG) devem responder criminalmente.

Na terça-feira (29), ela se reúne com o presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, para conversar sobre as prioridades do Judiciário e do Ministério Público em relação à tragédia.

Para Raquel Dodge, a empresa e os envolvidos no acidente devem responder criminalmente. “É preciso responsabilizar severamente do ponto de vista indenizatório a empresa que deu causa a esse desastre, e também promover a persecução penal, a punição penal é muito importante”, destacou a procuradora, que participou da abertura de um seminário sobre trabalho escravo promovido pela Escola Superior do Ministério Público da União.

Vai di Vinho

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Jovem de 19 anos perde parte do pulmão após contrair fungos durante uso de narguilé
Brasil
Covid: Brasil tem 2º maior número de casos em 24h
Brasil
Entra em vigor lei que prorroga regras de reembolso de passagens aéreas
Brasil
Prints do WhatsApp Web não podem ser usados como prova, decide STJ
Brasil
Em viaduto, grupo ora pela prisão de serial killer
Brasil
Caça a 'serial killer do DF', chega ao nono dia com centenas de policiais
Brasil
CPI da Pandemia quebra sigilo de documentos com nomes de empresários
Brasil
Polícia encontra corpo de ex-parceiro de dupla de Cristiano Araújo
Saúde
“Não precisa que professores estejam vacinados”, diz Queiroga sobre aulas presenciais
Brasil
Homem obriga mulher de amigo a fazer sexo oral e leva surra em delegacia

Mais Lidas

Geral
Foi convocado? Agehab divulga lista de beneficiários para ocupação de imóveis
Polícia
Menina de 11 anos era estuprada pelo pai no trajeto da igreja
Polícia
Bandido morre após tentar assaltar policial
Geral
Morta pelo marido, Lindinalva era professora e deixa dois filhos