Menu
Menu
Busca quarta, 28 de fevereiro de 2024
Brasil

MPF diz que situação dos yanomami foi causada por omissão do Estado

Providências tomadas pelo governo anterior foram limitadas, diz órgão

24 janeiro 2023 - 06h50Vinicius Costa

Procuradores do Ministério Público Federal (MPF) afirmaram na segunda-feira (23) que a situação de saúde dos indígenas yanomami foi causada pela omissão do Estado brasileiro na proteção das terras indígenas. 

A conclusão está em uma nota publica divulgada pela Câmara de Populações Indígenas e Comunidades Tradicionais do MPF, que fez um relato histórico do trabalho realizado na Terra Indígena Yanomami, localizada em Roraima. 

De acordo com a nota, apesar dos esforços feitos pelo órgão, as providências tomadas pelo governo foram limitadas. 

“No entendimento do Ministério Público Federal a grave situação de saúde e segurança alimentar sofrida pelo povo yanomami, entre outros, resulta da omissão do Estado brasileiro em assegurar a proteção de suas terras. Com efeito, nos últimos anos verificou-se o crescimento alarmante do número de garimpeiros dentro da Terra Indígena Yanomami, estimado em mais de 20 mil pela Hutukara Associação Yanomami”, declarou o órgão. 

A nota cita ainda deficiência na oferta de serviços de saúde, falta de distribuição de remédios e a presença de garimpeiros na região como fatores que contribuíram para a situação. 

“O Ministério Público Federal destaca também o firme compromisso da instituição de continuar atuando de forma célere e diligente, em todas as esferas e em cumprimento à sua missão constitucional para coibir as atividades ilegais de garimpo e outros ilícitos em terras indígenas, para a retirada de invasores nas Terras Indígenas Yanomami e de outros povos, como Munduruku e Kayapó, bem como para o fortalecimento da Fundação Nacional dos Povos Indígenas (Funai) e da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai)”, concluiu o órgão. 

Em nota, a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB) declarou que a situação dos povos yanomami foi denunciada pelo menos 21 vezes à Justiça. Segundo a entidade, cerca de 100 crianças morreram em 2022.

* Com informações da Agência Brasil

JD1 No Celular

Tenha em seu celular o aplicativo do JD1 e acompanhe em tempo real todas as notícias. Para baixar no IOS, clique aqui. E aqui para Android.

Reportar Erro

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Filho de desembargadora de MS preso em SP começa cumprir pena de 8 anos de prisão
Geral
Obra de pavilhão militar em Campo Grande custará mais de 4 milhões de reais
Brasil
Deputado federal tem sigilos bancário e fiscal quebrados por suposta 'rachadinha'
Brasil
Cerimônia de posse de Flávio Dino como ministro do STF acontece hoje
Brasil
MS tem 15 vagas em concurso da Caixa para nível médio e superior
Política
"Queda da Bastilha", diz Delcídio após ataque de Gilmar
Brasil
Eleitores devem regularizar o título até 8 de maio
Polícia
Irritado, ciclista discute com agentes da PRF por viatura estacionada no acostamento
Brasil
Mohamed al-Menfi pede reabertura da Embaixada brasileira na Líbia
Brasil
Ministro condena falas de Lula e diz que ele é 'persona non grata' em Israel

Mais Lidas

Vídeos
Vídeo: Travesti bate em jovem e tribunal a pune
Justiça
Ex-secretários de saúde de Glória de Dourados são condenados pelo TCE-MS
Geral
Mulher de 33 anos morre após se queimar fritando ovo em casa
Justiça
Camila Jara enfrenta batalha jurídica no TRE