Menu
Busca segunda, 26 de fevereiro de 2024
(67) 99647-9098
Brasil

Regulamentação de profissões deve ser discutida com ministros do Trabalho e da Fazenda

27 julho 2016 - 16h34Agência Senado

As Comissões de Assuntos Sociais (CAS) e de Direitos Humanos (CDH) devem discutir, com a presença dos ministros da Fazenda, Henrique Meirelles, e do Trabalho e Previdência, Ronaldo Nogueira, critérios para as regulamentações profissionais. Nos últimos anos, projetos com a sistematização de profissões como as de salva-vidas, físico, despachante, massoterapeuta e DJ foram aprovados pelo Congresso, mas o destino final foi o mesmo, independentemente da categoria: o veto da Presidência da República.

Entre 2008 e 2015, foram 15 mensagens de veto total a proposições desse tipo, além do veto parcial do chamado “Ato Médico”, sobre o exercício da medicina. Existem ainda 87 proposições semelhantes, ou que aprimoram leis que regulam atividades profissionais, aguardando análise da Casa.

Para evitar o trabalho em vão dos parlamentares e a criação de falsas expectativas nos trabalhadores, os integrantes da CAS decidiram suspender a análise das propostas com esse intuito até obter, dos próprios ministros, os critérios para a redação dessas leis.

- Uma palavra e uma orientação do ministro pode nos ajudar a não ficar discutindo projetos que depois sabemos que, dificilmente, terão sucesso – declarou Marta Suplicy (PMDB-SP), autora do requerimento de audiência, na última reunião da comissão.

O presidente da CAS, senador Edison Lobão (PMDB-MA), lembrou que, em abril, constituiu um grupo de trabalho para examinar todos os projetos referentes à regulamentação de novas profissões. A subcomissão, segundo o senador, não concluiu ainda as atividades, apesar de todas as carreiras estarem “desejosas de uma regulamentação”.

- Até o momento, a comissão não produziu o seu trabalho, mas tenho esperança de que o faça – afirmou.

Em muitos dos projetos vetados, a justificativa do Ministério do Trabalho foi a mesma: a de que a regulamentação de uma profissão só se justifica em caso de ameaça de dano à sociedade e que, fora desse contexto, a edição de normas contraria o direito de livre exercício de qualquer trabalho, garantido no artigo 5º da Constituição.

O senador Paulo Paim (PT-RS), presidente da CDH, apresentou requerimento para discussão conjunta do tema com a CAS.

Reportar Erro

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Filho de desembargadora de MS preso em SP começa cumprir pena de 8 anos de prisão
Geral
Obra de pavilhão militar em Campo Grande custará mais de 4 milhões de reais
Brasil
Deputado federal tem sigilos bancário e fiscal quebrados por suposta 'rachadinha'
Brasil
Cerimônia de posse de Flávio Dino como ministro do STF acontece hoje
Brasil
MS tem 15 vagas em concurso da Caixa para nível médio e superior
Política
"Queda da Bastilha", diz Delcídio após ataque de Gilmar
Brasil
Eleitores devem regularizar o título até 8 de maio
Polícia
Irritado, ciclista discute com agentes da PRF por viatura estacionada no acostamento
Brasil
Mohamed al-Menfi pede reabertura da Embaixada brasileira na Líbia
Brasil
Ministro condena falas de Lula e diz que ele é 'persona non grata' em Israel

Mais Lidas

Polícia
AGORA: Casal morre após carro bater em carreta na BR-163, em Campo Grande
Polícia
Corpo é encontrado em pesqueiro no Jardim Pênfigo
Polícia
Cantor apanha após dançar com mulher durante baile em chácara do Bonança
Polícia
Cadeirante é encontrado morto em avançado estado de decomposição