Menu
Busca sexta, 03 de abril de 2020
(67) 99647-9098
TJMS Topo
Economia

Coronavírus: Desemprego na construção preocupa sindicato de trabalhadores

Sindicato prevê dias dificeis caso o prazo do decreto seja prorrogado

26 março 2020 - 11h33Gabriel Neves

O decreto feito pelo Prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad, onde ficam suspensas todas as atividades do setor da construção civil, por 15 dias é vista com bons olhos pelo Sindicato dos Trabalhadores na Construção Civil e no Mobiliário de Campo Grande (Sintracom CG-MS), o único problema é se esse prazo for alterado.

De acordo com o Presidente do Sintracom CG-MS, José Abelha, uma prorrogação deste período seria prejudicial a todo setor, visto que muitas empresas tem uma reversa para se sustentar e manter seus funcionários por apenas 30 dias, outras optaram pelas férias coletivas.

“Nós estamos discutindo isso, empresas nos procurando, caso esse período seja prorrogado provavelmente vão demitir pessoas, algumas empresas estão adiantando férias, mas ela (a empresa) não vai aguentar pagar os trabalhadores parados. Teremos um problema sério caso essa pandemia persista por mais tempo”, explicou José.

Abelha explicou que ainda é difícil estimar um número concreto de prejuízos ou demissões que possam ocorrer no setor, pois a situação é muito recente e pegou todos de surpresa, levando em consideração que o sindicato também engloba os trabalhadores informais.

Uma das empresas que optou pelas férias coletivas é a Plaenge, de acordo com uma nota divulgada pela empresa, essa medida alcançará 700 funcionários apenas aqui em Campo Grande.

 A decisão foi tomada pela construtora em acordo com o Sindicato Intermunicipal da Indústria da Construção do Estado de Mato Grosso do Sul (Sinduscon/MS) e Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e do Mobiliário de Campo Grande (Sintracom/CG).

Trabalhadores informais

A maior preocupação do Sintracom CG-MS é em relação aos trabalhadores informais, levando em consideração que a maioria destas pessoas recebem por semana, e duas semanas sem receber seria algo prejudicial a suas finanças.

“A nossa maior preocupação é no setor informal, aqueles pequenos trabalhadores autônomos que atuam na periferia da cidade, essas pessoas recebem semanalmente, ou seja, recebem na sexta e fazem suas compras no sábado, como ficarão esses trabalhadores?”, questiona Abelha.

O prefeito Marquinhos Trad, revelou durante uma live em seu Facebook, na última quarta-feira (25), que terá novas informações sobre o decreto, José espera que seja sobre a redução deste prazo para serviços realizados com até 20 pessoas.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
BC fará empréstimos visando injetar R$ 650 bi na economia
Economia
Prazo para pagamento das parcelas do FCO é prorrogado
Economia
Guedes conversa com Gilmar Mendes e deve acelerar pagamento dos R$ 600
Economia
Governo reduz contribuições pagas ao Sistema S por três meses
Economia
Desemprego sobe para 11,6% em fevereiro
Economia
Auxílio emergencial ainda não está disponível para saque
Economia
Guedes diz que prefere isolamento, mas que economia não aguenta dois meses parada
Economia
Servidores estaduais irão receber a partir desta terça-feira
Economia
Prazo para saque imediato de até R$ 998 do FGTS termina nesta terça
Economia
Senado define data de votação do auxílio de R$ 600 para trabalhadores

Mais Lidas

Política
Vídeo - Alcolumbre se diz curado do coronavírus e apoia isolamento
Cidade
Coronavírus - Detran alerta a importância de higienizar veículos
Saúde
MPT define medidas sanitárias para o transporte coletivo urbano
Geral
Isolamento social no MS é monitorado por sistema inteligente