Menu
Busca quinta, 16 de setembro de 2021
(67) 99647-9098
TJMS setembro21
Economia

Eleição traz riscos para economia brasileira, diz Banco Mundial

15 janeiro 2014 - 10h34Via Folha
O ano eleitoral no Brasil deve dificultar a implementação de medidas necessárias para o período de "aperto financeiro global", segundo relatório do Banco Mundial com a previsões para 2014 divulgado nessa terça-feira.

O estudo diz que o "desafio de implementar políticas necessárias de curto prazo para a estabilidade macroeconômica durante a transição a taxas globais mais altas de juros" será mais difícil em países com eleições à vista, como Brasil, Turquia, Índia, Africa do Sul e Tailândia.

As moedas desses países estão entre as que mais sofreram no ano passado, quando o Fed (BC dos EUA) indicou, a partir de maio, que diminuiria seus estímulos de US$ 85 bilhões – ação que foi tomada no fim de 2013, quando a compra de títulos foi reduzida a US$ 75 bilhões.

Entre maio e agosto de 2013, o real, por exemplo, chegou a se desvalorizar 16% e foi a moeda que mais perdeu em relação ao dólar.

A redução da política de estímulos do Fed agora obriga mudanças nas políticas econômicas dos países emergentes, diz o Banco Mundial.

"A recuperação dos países de maior renda é bem-vinda, mas traz alguns riscos. Se as taxas de juros [nos países ricos] subirem muito rapidamente, o fluxo de capitais para os países emergentes pode cair 50% ou mais por vários meses, potencialmente provocando crises nos países mais vulneráveis", escreveu Andrew Burns, principal autor do estudo.

O relatório diz que no Brasil, apesar do aumento da taxa de juros, os empréstimos liderados por "bancos estatais continuam fortes, ampliando as vulnerabilidades".

O texto cita diretamente o Brasil em trecho sobre "complacência política, que vai exigir ajustes maiores depois" e "um custo econômico maior devido ao maior escrutínio das condições domésticas pelos mercados financeiros".

Entre os emergentes, o menor fluxo de dólares criados pelo banco central americano pode aumentar os custos de financiamento e ameaçar investimentos e aumentar os custos do serviço da dívida nos emergentes.

Sobre o câmbio, sua utilidade como "primeira linha de defesa" foi limitada "pelo risco de que o aumento no custo das importações afetaria a inflação, em países como Brasil, Índia e Indonésia".

Avanço Modesto
As previsões do Banco Mundial colocam o Brasil mais próximo do crescimento modesto do PIB dos países mais ricos, que saíram recentemente da recessão, do que dos países emergentes.

O Brasil deve crescer, segundo o estudo, 2,4% neste ano e 2,7% no ano que vem. Para 2013, estima alta de 2,2%, mais do que analistas consultados em relatório semanal do BC (2%).

Menos que os EUA, que devem crescer 2,8% e 2,9%, neste ano e no próximo. A boa notícia é que a China continuará com crescimento forte, de 7,7% neste ano e 7,5% em 2015.
Unica - inverno

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Motoristas de apps vão ter incentivos, o que deve melhorar a vida dos passageiros
Economia
Trabalhadores nascidos em outubro podem sacar auxílio emergencial
Economia
Procon-MS devolve quase meio milhão a consumidor no primeiro semestre de 2021
Economia
Trabalhadores nascidos em setembro podem sacar auxílio emergencial
Economia
Funcionário diz que JBS está sem realizar abate
Economia
Segundo Ministro das Comunicações, tecnologia 5G pode trazer U$ 1,2 tri em investimentos
Economia
No dia do cliente, Salomão dá dicas para evitar fraudes em promoções
Economia
Financiamento da casa própria terá juros menores, afirma presidente da Caixa
Economia
Decreto antecipa flexibilização de fidelidade à bandeira em postos
Economia
Trabalhadores nascidos em agosto podem sacar auxílio emergencial

Mais Lidas

Polícia
Corpo é encontrado esquartejado em sacos de lixo
Geral
Ao vivo: Bebê transmite mãe tomando banho no Facebook
Polícia
Jovem é presa por morder enfermeira na UPA do Coronel Antonino
Polícia
Mulher agredida com barra de ferro em espetinho no Aero Rancho contesta versão dada pelo dono