Menu
Menu
Busca sábado, 25 de maio de 2024
Camara Maio24 - TV camara
Educação

Professores da rede municipal decretam greve até a próxima semana na Capital

De acordo com a ACP, a greve se da devido ao não pagamento do reajuste salarial de 10,39%

02 dezembro 2022 - 13h52Brenda Leitte, com G1

A greve geral dos professores da Rede Municipal de Ensino (Reme) de Campo Grande começou nesta sexta-feira (2). A decisão foi tomada devido à negativa da prefeitura de Campo Grande em reajustar o salário em 10,39%, segundo o Sindicato Campo-grandense dos Profissionais da Educação Pública (ACP).

Procurados pela reportagem, a ACP informou que a greve foi definida pela categoria em assembleia geral e tem adesão em todas as escolas da Reme, mesmo que em algumas unidades a paralisação seja parcial.

Como exemplo, a Escola Municipal Antônio José Paniago, no Jardim Itamaracá, recebe os alunos normalmente no período da manhã nesta sexta-feira. No período da tarde, os estudantes terão atividades não presenciais devido ao jogo da Seleção Brasileira.

Impasse no reajuste salarial

Segundo o ACP, a correção salarial está prevista em lei municipal e seria aplicada de forma escalonada, 5,03% em abril (já cumprido), 10,39% em novembro e 4,78% em dezembro. A rede municipal de ensino conta com 108 mil alunos.

Em contrapartida, o município propôs o pagamento de 4,7% no salário de dezembro, segundo o cronograma que inclui todos os outros servidores da prefeitura. Além disso, a administração ofereceu um auxílio alimentação de R$ 400 para os professores com jornada de 40h semanais, e proporcionalmente, R$ 200 para os profissionais com jornada de 20h. A categoria rejeitou a proposta.

No dia 25 de novembro os professores fizeram um protesto na frente da prefeitura de Campo Grande para pedir que o acordo de reajuste salarial feito com o antigo prefeito, Marquinhos Trad (PSD), fosse cumprido. No dia 29 de novembro as aulas foram paralisadas novamente na rede municipal.

A Prefeitura de Campo Grande entrou com uma ação no Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJMS), nesta quinta-feira (1º), contra a greve dos professores. Se a solicitação da prefeitura for acatada pela justiça, o sindicato poderá ser condenado a pagar multa diária de R$ 100 mil pelos dias paralisados.

De acordo com a prefeitura, a greve é ilegal, pois o Executivo apresentou uma contra-proposta, assim como as negociações não esgotaram.

 

Tenha em seu celular o aplicativo do JD1 e acompanhe em tempo real todas as notícias. Para baixar no IOS, clique aqui. E aqui para Android.

Reportar Erro
Assembleia - Maio24

Deixe seu Comentário

Leia Também

UEMS
Educação
UEMS e Fundect selecionam projetos de graduação e pós-graduação para auxílio financeiro
Enem 2024
Educação
Enem 2024: Inscrições começam na próxima segunda-feira
Sebrae
Educação
'Desafio Liga Jovem' chega no MS com ações nas escolas da Capital; entenda
Gibiteca Mais Cultura
Educação
JD1TV: Gibiteca da Capital quer "provocar esperança nas pessoas"
Concurso Unificado chegou a ser suspenso após tragédia no Rio Grande do Sul
Oportunidade
Ministério da Gestão confirma Concurso Unificado para 18 de agosto
Enem
Educação
Enem 2024: Candidatos do Rio Grande do Sul terão isenção na taxa de inscrição
Foto: Eduardo Coutinho
Educação
Clube de Ciências no Bioparque Pantanal aceita inscrições até 31 de maio
Ministro Alexandre de Moraes
Justiça
STF suspende lei que proibia linguagem neutra nas escolas
Alunos durante cursinho da Sejuv
Educação
Gratuito: matrículas para cursinho começam nesta segunda em Campo Grande
Prefeitura abre inscrições para seis cursos gratuitos em Campo Grande
Educação
Prefeitura abre inscrições para seis cursos gratuitos em Campo Grande

Mais Lidas

Amalha trabalhava como corretora de imóveis
Polícia
Corretora foi morta a pauladas por 'amigo' após não entrar em esquema de golpe
Amalha era corretora de imóveis
Polícia
AGORA: Choque prende um dos autores do assassinato da corretora Amalha Mariano
Amalha foi vítima de três sessões de espancamento antes de ser morta em Porto Seco
Polícia
Amalha foi vítima de três sessões de espancamento antes de ser morta em Porto Seco
O caso foi registrado na Depac Cepol em Campo Grande
Polícia
Mulher é ameaçada de morte por agiota na Capital: 'vai pagar por bem ou por mal'