Menu
Busca segunda, 21 de junho de 2021
(67) 99647-9098
Governo - Feminicidio
Geral

Alemã conta como vive sem dinheiro há 16 anos após doar tudo que tinha

10 julho 2012 - 10h16Martin Bruckmanns

Você se atreveria a se desfazer de suas posses mais valiosas e enfrentar a vida sem um tostão no bolso?

Foi precisamente isso que a alemã Heidemarie Schwermer fez há 16 anos. Ela disse à BBC que este estilo de vida só lhe trouxe felicidade.

Cansada da vida que levava como professora e psicoterapeuta, e preocupada com a quantidade de pessoas sem-teto que via em seu país, ela decidiu se lançar na aventura de viver sem dinheiro.

Schwermer, de 69 anos, tinha previsto que a experiência se prolongaria por um ano, mas pouco depois de começar, percebeu que não conseguiria voltar atrás.

'Foi uma grande libertação', diz, lembrando como deu de presente tudo o que tinha, incluindo seu apartamento.

'O melhor é a sensação de abertura. Não sei o que acontecerá à noite, nem na manhã do dia seguinte. Não sinto medo, e sim uma grande curiosidade.'

No início, Schwermer começou trocando coisas: oferecia seus serviços - desde limpar casas até ajudar as pessoas com problemas pessoais - em troca de teto e comida. Agora ela diz que não se trata exatamente de trocar, mas simplesmente de compartilhar.

'Dou o que quero dar e me dão o que eu preciso', explica. Deste modo, ela supre as necessidades mais básicas. A roupa que veste é dada pelas pessoas com quem convive e os gastos restantes - desde a comida e o transporte - são pagos por seus anfitriões.

O que ela lhes dá é de ordem espiritual. 'Não são coisas materiais, e sim a minha presença. Muita gente tem problemas ou está sozinha. Eu os escuto e os ajudo a pensar sobre o que querem fazer com suas vidas.'

De conversa em conversa
Na prática, funciona mais ou menos assim: Schwermer recebe convites de pessoas de diferentes lugares do mundo que a querem receber e seus anfitriões enviam a passagem para que ela possa chegar lá.

Organizações, instituições e grupos também a convidam a dar palestras e seminários sobre seu modo de vida particular.

Para isso, é preciso ter muitos amigos, ou pelo menos muitos convite, mas ela tem todas estas coisas de sobra.

Graças a uma entrevista que deu a uma emissora de rádio anos atrás, o nome da ex-professora tornou-se conhecido na Alemanha. Outras entrevistas na televisão e diversas matérias em jornais e revistas popularizaram ainda mais sua imagem e seu projeto.

O interesse por Schwermer cresceu até se transformar em três livros que ela escreveu - cujos lucros, como era de se esperar, ela doou a organizações de caridade e terceiros - e no documentário Living without money (Vivendo sem dinheiro, em tradução livre), que já foi exibido em 30 países.

Alguns sustentam que ela é um 'parasita' e que não lhe falta dinheiro porque vive com o que é dos outros. Muitos moradores de rua também não conseguem se identificar com uma mulher de classe média que não tem nada porque simplesmente não quer.

'É verdade que são os outros que ganham salários para pagar o que eu como, mas eu também trabalho todos os dias. Faço coisas para as pessoas. No mundo ocidental há muitas pessoas que se sentem isoladas, e eu as ajudo com minha presença. Posso ser uma mãe, uma irmã, uma amiga, o que precisarem', defende-se a alemã.

'Quem diz isso é porque vive no velho sistema, mas tudo vai mudar.'

E quando chegar a velhice? O que acontecerá quando sua companhia deixe de ser uma ajuda e um consolo para transformar-se em um fardo?

'A velhice? Mas eu já sou muito velha! A verdade é que não penso nessas coisas. Quando o problema se apresentar, a solução também se apresentará', conclui Schwermer, rindo.

Via G1

Vai di Vinho

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Vídeo: Nativas pega fogo, mas incêndio já está controlado
Geral
Jovem de 24 anos morre 73 dias depois de acidente de trânsito
Geral
Mulher recusa atendimento após capotar veículo na BR-060
Geral
Caixa paga hoje 3ª parcela do auxílio emergencial para nascidos em março
Geral
Marcelo Bertoni, será o novo presidente da Famasul
Geral
Carreta da Justiça retoma atendimentos nesta segunda-feira
Geral
Aposta única fatura prêmio de R$ 7 milhões da Mega-Sena
Geral
PF pede indiciamento de Trutis em quatro crimes após concluir que ele simulou atentado
Geral
Mega-Sena pode pagar R$ 7 milhões em sorteio deste sábado
Geral
Caixa paga 3ª parcela do auxílio emergencial para nascidos em fevereiro

Mais Lidas

Polícia
Mulher é levada para dentro da mata por bandidos e morta com tiro na cabeça
Polícia
Casal briga e vizinho tenta intervir mas passa mal e morre
Saúde
Jovem de 17 anos, sem comorbidades, está entre as 38 vítimas da covid em 24h
Saúde
Lote com 97.500 doses de vacina contra covid chegam hoje a MS