Menu
Busca quinta, 11 de agosto de 2022
(67) 99647-9098
TJMS Agosto 22
Geral

Após dois anos preso acusado de matar o filho de 8 meses, homem é inocentado

Dorgival Junior foi inocentado pelo tribunal do júri depois que perícia particular provou que o bebê morreu após se asfixiar no próprio vômito

30 novembro 2021 - 11h45Gabrielly Gonzalez, com G1

Durante dois anos e 14 dias, o ajudante de obras Dorgival José da Silva Junior, de 24 anos, ficou preso acusado de matar o filho, um bebê de apenas oito meses. A criança morreu em outubro de 2019, na casa onde morava com os pais e o irmão gêmeo, em Petrolina, Sertão de Pernambuco. Na última quinta-feira (25), depois de 12 horas de julgamento no fórum da cidade, a defesa de Dorgival conseguiu provar a inocência dele — a criança, segundo perícia particular pedida pela família, morreu asfixiado pelo próprio vômito. 

Quando a história da família mudou - 

“Quando a gente acordou e fomos fazer o leite dos meninos, percebemos que um dos nossos filhos não estava respirando. Ligamos para o Samu, para saber o que tinha acontecido. O Samu chegou, viu a criança e, infelizmente, não tinha mais o que ser feito”, recorda Dorgival.

Na noite da morte do pequeno Douglas Ravi, na casa da família estavam Dorgival, a mãe da criança, o irmão gêmeo de Douglas e a babá. Todos dormindo, após retornar de uma festa de aniversário. Depois que o Samu constatou a morte do bebê, a polícia foi chamada. “Foi feita a perícia e depois fomos encaminhados para a delegacia para prestar depoimento”, diz o pai.

Não demorou para que Dorgival fosse considerado suspeito do crime. De acordo com o advogado de defesa, Marcílio Rubens, a perícia técnica, que esteve na casa da família, detectou que Douglas sofreu uma asfixia direta — provocada pela obstrução das vias respiratórias —, o que causou a morte.

“Os indícios iniciais traziam a presença de sangue humano em uma camisa utilizada por Dorgival, no dia anterior à morte do bebê. Essa camisa foi localizada pela perícia e, constatado que o sangue seria do bebê, houve a suposição de que o pai teria praticado o crime. Em razão disso, foi determinada a prisão dele”, explica o advogado.

Prisão e inôcencia - 

Dorgival foi preso no dia 4 de novembro, 14 dias a pós a morte do filho. Uma situação pela qual ele nunca imaginou passar. “Nunca pensei que além da dor de perder meu filho, ia ser preso por conta disso. Fiquei realmente surpreso”. 

Enquanto ele passava os dias presos, do lado de fora a família lutava para provar a sua inocência. Para o advogado, a ação dos familiares foi crucial para o desfecho do caso. “O que contribuiu sobremaneira, decorrente do próprio esforço, sacrifício financeiro feito pela família, que é uma família simples, mas que se desincumbiu de custear uma perícia particular, de ir em busca de outras provas, sob pena de um sacrifício feito por eles, mas que possibilitou uma contraprova em relação às provas inicialmente produzidas e o questionamento acerca dessas provas, demonstrando que havia falhas investigativas”.

Durante o julgamento, o Ministério Público também pediu a absolvição de Dorgival, por entender que as provas seriam insuficientes para sustentar o pedido de condenação. A defesa alegou que a causa da morte não foi uma esganadura, assim como, que o pai não poderia ser o autor de qualquer violência contra a criança. Por meio de perícia particular paga pela família de Dorgival, ficou provado que Douglas Ravi morreu após se asfixiar no próprio vômito.

Do sonho de ser pai ao pesadelo na prisão -

Ser pai sempre fez parte dos planos de Dorgival. Quando descobriu que a esposa estava grávida de gêmeos, ele conta que “foi a maior alegria do mundo”.

“Eu tinha o sonho de ser pai, e descobrir que era gêmeos, foi uma bênção na vida da gente. Eu era muito feliz, muito abençoado por Deus, por ter os meus filhos”.

A morte de Ravi e a prisão mudaram a vida da família de ponta a cabeça. Além da liberdade e do filho morto, Dorgival perdeu os primeiros anos do filho que está vivo, o casamento e o emprego.

“Não conseguia dormir. Além de ter perdido meu filho, fui encaminhado para aquele lugar. Não desejo a ninguém. Perdi o emprego, esse tempo todo que passei lá, longe do meu outro filho. Não tive a oportunidade de acompanhar o crescimento de meu outro filho. O sonho de ser pai. Fui impedido de acompanhar o crescimento do meu filho”, lamenta Dorgival.

Recomeço -

De acordo com o advogado Marcílio Rubens, pelo fato de a absolvição de Dorgival também ter sido solicitada pelo Ministério Público, a tendência é que não haja recurso. Livre das acusações, o pai só pensa em recomeçar a vida. Dorgival disse que, quando soube que seria libertado, só teve um pensamento.

“Ver meu outro filho. Deus fez tudo para que eu possa cuidar dele, recuperar o tempo perdido”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Superlua de esturjão irá iluminar a noite do brasileiro nesta quinta
Geral
JD1TV: Outdoor de mercado cai durante ventania
Geral
Black Friday Fronteira é lançada e deve atrair 40 mil turistas
Geral
Golpista, filha rouba R$ 725 milhões da mãe
Geral
Mega-sena pode fazer mais um milionário nesta quarta-feira
Geral
JD1TV: Bêbado, pai filma filho de 10 anos dirigindo a mais de 140km/h em MS
Informe Publicitário
Nuhatê Casa Hotel, a opção em Trancoso
Geral
Simaria faz festa de aniversário para filha sem a presença da irmã Simone
Geral
Viu a Melissa? Pinscher está desaparecida na região do Aero Rancho na Capital
Geral
Suzana Vieira é internada com sequelas da Covid-19

Mais Lidas

Polícia
Menino mata padrasto a tiros, joga corpo no rio e foge com a 'namorada' de 11 anos
Política
PSD terá mais três partidos coligados
Comportamento
JD1TV: Após três anos, Festival do Sobá volta 'com tudo' amanhã
Polícia
Fisioterapeuta para na delegacia por fazer procedimentos estéticos na Capital