Menu
Busca sábado, 18 de setembro de 2021
(67) 99647-9098
Gov - Estado que Cresce (set21)
Geral

Barragem não era considerada de alto risco, diz relatório

Uma barragem da Vale do Rio Doce se rompeu em Belo Horizonte na sexta-feira

26 janeiro 2019 - 07h35Da redação com informações da Agência Brasil

A barragem da Vale, rompida no início da tarde de sexta-feira (25) em Brumadinho, região metropolitana de Belo Horizonte, estava classificada como de baixo risco de acidentes e alto potencial de danos. A informação consta do Relatório de Segurança de Barragens, elaborado pela Agência Nacional de Águas (ANA), a partir de informações prestadas por órgãos fiscalizadores ligados à temática.

A última edição do relatório foi lançada em novembro do ano passado, com informações relativas a 2017. Em nota encaminhada nesta tarde, a agência reguladora reafirmou que, para elaborar o documento, encaminhou formulário para os órgãos fiscalizadores, que declararam as informações sobre as barragens sob sua responsabilidade.

"Neste questionário, a ANA perguntou quais barragens estariam em situação crítica e a barragem rompida nesta sexta-feira não foi apontada como crítica pela Agência Nacional de Mineração (ANM), responsável pelas informações das barragens de rejeito de minério", disse a agência, por meio de nota. A agência disse ainda que, para informações sobre a barragem de rejeito de minério da Vale, a ANM deve ser consultada.

Mais cedo, a ANA informou que está monitorando a onda de rejeitos da barragem, pois havia a preocupação de que esse material atingisse a Usina Hidrelétrica Retiro Baixo, mas que a barragem da usina, localizada a 220 quilômetro do local do rompimento, possibilitará amortecimento da onda de rejeito. "Estima-se que essa onda atingirá a usina em cerca de dois dias", diz a nota.

A agência destacou que se solidariza com os afetados pelo rompimento da barragem do Córrego do Feijão e informou que está coordenando ações para manutenção do abastecimento de água e sua qualidade para as cidades que captam água ao longo do Rio Paraopeba. "Estamos em constante comunicação com os órgãos e autoridades federais e estaduais, inclusive no âmbito de recente Acordo de Cooperação sobre Segurança de Barragens, que está permitindo troca facilitada e mais rápida de dados sobre a situação no local do evento".

O relatório de 2017 aponta 45 barragens com risco de rompimento. Segundo o documento, o Brasil tem cerca de 23 mil barragens identificadas para diversas finalidades, como geração de energia, acúmulo de água ou rejeito de minérios, caso da que se rompeu ontem, sexta-feira.

Unica - inverno

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Prefeitura lança 1º campeonato público de Free fire e Clash royale em Campo Grande
Vídeos
'Cai devagarinho até embaixo': Funkeira leva tombo ao dançar em cima de carro
Geral
Corre que ainda da tempo! Mega-Sena sorteia prêmio de R$ 23,5 milhões hoje
Oportunidade
'Domingo em família' terá 2.128 oportunidades de emprego na Afonso Pena
Geral
Criança tem cabelo cortado em escola e pai entra com processo por discriminação
Geral
Após notícia que Pelé voltou à UTI, filha do craque nega e tranquiliza ‘se recuperando bem’
Entrevista
Agora: Valério Azambuja fala sobre concurso da GCM
Geral
Abandonada por amigos em deserto, brasileira morre de fome e sede
Geral
“Meu filho me sustentava, agora o Thales faz tudo por mim”, diz mãe de Paulo Gustavo
Geral
Detran inova e fará mutirão amanhã no Shopping Pátio Central

Mais Lidas

Vídeos
Vídeo: Corna arrasta 'Ruivinha' pelos cabelos após descobrir traição
Geral
Mãe lamenta morte de jovem que bateu em caçamba de entulhos
Geral
Abandonada por amigos em deserto, brasileira morre de fome e sede
Polícia
Idoso de 68 anos toma muito 'azulzinho' e morre em motel