Menu
Busca quinta, 05 de agosto de 2021
(67) 99647-9098
Geral

Conselheiro Waldir Neves responde à operação da PF na qual foi alvo

18 junho 2021 - 16h17Waldir Neves

"Palavra de tranquilidade aos meus amigos.

Como amplamente noticiado fui alvo de busca e apreensão por determinação de ministro do STJ a pedido do MPF.

Como magistrado estadual de contas respeito toda e qualquer decisão administrativa ou judicial, mesmo com ela não concordando. No caso específico minha discordância jurídica se dará perante o próprio STJ, mas do ponto de vista pessoal tenho um dever de tranquilizar meu rol de amizades.

Sendo assim, aos meus amigos devo a presente palavra:

1º- Todo o pedido do MPF se baseou em negócios jurídicos devidamente registrados e constantes em minhas declarações de renda desde 2009, que segundo a RFB precisam ser melhor esclarecidos. Oras prestar esclarecimentos se faz com meras intimações ao contribuinte para tal mister, não por medida de busca e apreensão previamente divulgada à mídia local como acabou por acontecer.

2º- No cumprimento dos mandados de busca e apreensão não se encontrou em minha casa e gabinete um único valor em espécie, cheque, promissória ou bem de valor vultoso e de origem duvidosa tais como jóias, relógios e obras de arte.

3º-Não há no TCE/MS, seja na condição de comissionado ou terceirizado, ninguém com vínculo de parentesco comigo em afronta à Súmula Vinculante 13 do STF (súmula que veda a contratação de parentes até o 3º grau). Repito: Ninguém no TCE/MS é meu parente até 3º grau como proíbe a Súmula Vinculante 13 do STF.

4º Não há em meu gabinete nenhum servidor que esteja dispensado de comparecimento, trabalho e produtividade. Não lido e nem tolero com fantasmas e desídia no serviço público, nem mesmo durante a pandemia da COVID-19, já que o controle do trabalho remoto é rigoroso.

5º De posse de toda a representação do MPF ao STJ, estou refutando judicialmente de forma documental toda e qualquer dúvida ou insinuação velada de que pratiquei negócios jurídicos duvidosos ou ilegais.

6º- Acredito no poder judiciário e esclarecerei todos os atos reputados como pendentes de esclarecimentos, não apenas porque a autoridade policial deseja, mas por que todo e qualquer homem público (na minha condição e história) tem o dever de dissipar dúvidas seja perante as autoridades constituídas, seja perante seus amigos, já que em relação a esses o meu maior medo é envergonhá-los com meus atos.

7º Garanto a você meu amigo, que desde a malfadada operação, não tenho feito outra coisa com meu tempo senão dedicar esforço, vontade intelectual e moral para comprovar que meus atos (reputados como duvidosos na referida operação) são lícitos e dignos do cargo que ocupo e da minha amizade com você. Ninguém será surpreendido com o contrário das alegações da presente nota.

Abraço fraterno.
WALDIR NEVES."

Sennar - queimada

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Vídeo: Professoras não notam criança se afogando em piscina de creche
Geral
Bitto fará palestra na Bahia
Geral
A urna eletrônica é segura? Entenda "tintim por tintim" como funciona
Geral
Governo de MS esclarece contrato com empresa investigada pela PF
Geral
Morre dona Telma, sogra de Carlinhos Maia, após cirurgia
Geral
Vídeo - 'Ódio destilado na internet': Cantora faz alerta após suicídio do filho
Geral
Programa 'Incentiva+MS Turismo' finaliza inscrições no domingo
Geral
Homem é morto a tiros pelo filho de 14 anos em condomínio de luxo
Geral
Bolsa Família pode chegar a R$ 400
Internacional
Vídeo: ‘Vem de chicote, algema, corda de alpinista’, policiais são pegos transando em viatura

Mais Lidas

Internacional
Vídeo: ‘Vem de chicote, algema, corda de alpinista’, policiais são pegos transando em viatura
Internacional
‘A bonequinha não sabe brincar’, homem quebra pênis durante noite selvagem
Geral
Morre o advogado Marco Antônio na capital
Brasil
Vídeo: Amor de mãe? Casal homoafetivo tortura e mata menino de 7 anos