Menu
Busca sexta, 24 de maio de 2019
(67) 99647-9098
Geral

Embrapa prevê que rio Paraguai vai passar dos 5 m em abril e alerta pecuaristas

01 abril 2011 - 09h14
Pesquisadores da Embrapa Pantanal divulgaram na tarde desta quinta-feira a nova previsão de cheia para o rio Paraguai, de acordo com o Modelad (modelo de previsão de cheias com base na régua de Ladário-MS). Conforme a previsão o rio chegará ao pico entre os dias 22 de abril e 5 de maio. A previsão é que o nível fique entre 5,1 metros e 5,9 metros, mas os pesquisadores evitaram falar em supercheia, usando o argumento de que isso vai depender de vários fatores. É uma previsão menor do que a que havia sido divulgada anteriormente, que falava na chegada do nível do rio até 6,4 metros. Apesar disso, alertaram para que os pecuaristas acelerem a retirada do gado das áreas alagáveis. Muitas já estão alagadas, com população e animais ilhados, o que provocou a decretação de estado de emergência na região. Segundo o pesquisador Ivan Bergier, responsável pelo Modelad, o mais provável é o pico do rio fique em 5,53, um dos maiores desde a década de 1990. Bergier disse que “desde o dia 15 de março o rio vem subindo 4cm por dia”. De acordo com Carlos Padovani, também pesquisador da Embrapa Pantanal (Corumbá-MS), neste ano a cheia está “diferente” em função do excesso de chuvas que ocorreu entre janeiro e a primeira quinzena de março. “Devemos esquecer o conceito de normal porque no Pantanal cada ano é diferente do outro”, disse. Não se sabe ainda como será o efeito de duas ondas de cheia que atingem a planície pantaneira. Uma delas, que já ocorreu, é a cheia que veio das bacias dos rios Miranda e Aquidauana, provocada pela chuva de aproximadamente 900mm do início do ano. “Esses rios de planalto têm uma resposta mais rápida. Choveu eles sobem”, afirmou Padovani. Conforme as informações divulgadas pela Embrapa, a cheia anual do rio Paraguai, provocada pelas chuvas que atingem a borda do Pantanal entre o final de um ano e início de outro, ainda não chegou a Corumbá (e consequentemente à régua de Ladário). Essas águas levam cerca de três a quatro meses para atingir a planície. Segundo os pesquisadores, quanto maior a cheia, mais cedo ocorre o seu pico. Retirada-O pesquisador Urbano Gomes alertou pecuaristas da região do Nabileque para que, ao primeiro sinal de chegada das águas, comecem a retirar o gado das fazendas. Naquela subregião do Pantanal existem cerca de 300 mil cabeças de gado. Na região do Abobral, que já inundou, havia cerca de 100 mil cabeças e muitos animais morreram porque não houve tempo para a movimentação. O prejuízo calculado por Urbano Gomes para os seis municípios do Pantanal é de R$ 190 milhões. Só em Corumbá, o cálculo aponta perdas de R$ 120 milhões. Outra previsão divulgada é de que o fenômento da decoada deve continuar até o pico da cheia, segundo esquisadora Márcia Divina de Oliveir. A decoada está relacionada ao ciclo de inundação. A matéria orgânica se decompõe e altera a quantidade de oxigência da água, podendo provocar a mortandade de peixes. “As águas vindas do norte do Pantanal ainda não chegaram e já houve registros de morte de peixes em algumas regiões”, disse Márcia. Cautela e pedido de apoio -Os quatro pesquisadores disseram que é difícil fazer previsões precisas sobre a cheia. “São muitas variáveis e trabalhamos muito com hipóteses”, disse Padovani. Ele pediu apoio do Sindicato Rural de Corumbá, para que os pecuaristas, que estão sempre no campo, passem mais informações a Embrapa Pantanal. Padovani também solicitou ao presidente do sindicato, Raphael Kassar, e ao comandante Eduardo Almeida, do Serviço de Sinalização Náutica do Oeste da Marinha (6º Distrito Naval), apoio para a implantação de mais estações para medir o nível do rio Paraguai. A Marinha é responsável por seis estações. “Se tivermos mais dados e com a constância da régua de Ladário, poderemos oferecer previsões mais precisas”, disse o pesquisador. Kassar disse que vai buscar o apoio do governo do Estado de Mato Grosso do Sul e dos senadores do Estado para a implantação de mais estações de medição. “Esse é o momento. Os canais estão abertos e todos já perceberam que as perdas para o país são muito grandes”, afirmou o presidente do sindicato. Fonte: CG News
Fac Feijoada 2019

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Ciclista tem a cabeça esmagada por carreta em acidente
Geral
Parque das Nações terá memorial da Sanesul
Geral
Coronel David percorrerá o estado em apoio a Bolsonaro, no fim de semana
Geral
Usuários reclamam de excesso de ligações e Claro tem 15 linhas bloqueadas
Geral
Caminhão pega fogo na MS-395 e chamas atingem vegetação
Geral
Vídeo mostra onça morta em rodovia da capital
Geral
Procon-MS notifica 16 postos no norte de MS
Geral
Agehab suspende inscrição durante processo de seleção de residências
Geral
Associação de moradores receberá metade do salário de Reinaldo, em junho
Geral
Estado entrega projeto que prorroga abono por mais 12 meses

Mais Lidas

Geral
Bosque dos Ipês terá exposição de animais marinhos de dez metros
Polícia
Homem bêbado pede para descansar e morre no sofá do vizinho
Clima
Temperatura volta a cair nesta quarta-feira, em Mato Grosso do Sul
Polícia
Massacre deixa seis mortos na fronteira