Menu
Busca segunda, 26 de outubro de 2020
(67) 99647-9098
TJMS outubro20
Geral

James Cameron desce ao ponto mais fundo dos oceanos

27 março 2012 - 11h24Reprodução

Ao que parece, James Cameron desenvolveu um gosto especial pelo fundo do mar após fazer filmes como "O Segredo do Abismo" e "Titanic".

Mas, desta vez, ele foi mais longe: o cineasta americano usou um submarino especial para descer ao ponto mais profundo da Terra, a fossa das Marianas, no Pacífico.

O objetivo foi gravar imagens - ainda não divulgadas - para futuros filmes e documentários, incluindo uma continuação do seu blockbuster "Avatar" (2009).

"Mal posso esperar para dividir com vocês o que estou vendo", tuitou Cameron quando terminou a descida.

Ainda não há detalhes sobre o que ele viu. Mas o cineasta adiantou na entrevista à imprensa concedida na segunda-feira que conseguiu enxergar algumas espécies e muita areia, "como um deserto". "Parecia outro planeta", disse.

Remoto
A depressão da fossa das Marianas fica a 11 quilômetros de profundidade, a leste das Filipinas.

O lugar é tão remoto - e custa tanto para ser explorado - que ninguém arriscou investigar a área desde 1960, quando dois tripulantes do submersível Trieste, da Marinha americana, passaram 20 minutos lá no fundo.

Só que eles não conseguiram ver muita coisa, porque a areia fina levantada na descida deixou a água turva.

"Chegar lá é fácil. O difícil é ir e voltar. Até hoje só três pessoas fizeram isso, e as duas últimas o fizeram há 52 anos", disse a oceanógrafa Sylvia Earle, primeira pessoa a descer a 1.000m de profundidade sem ajuda de submarinos, comemorando o feito do cineasta americano em Brasília.

"Espero que daqui a alguns anos o Brasil esteja equipado com uma frota de submarinos que permita explorar os mares profundos. O Brasil, com seu interesse por exploração de petróleo em águas profundas, pode ser um líder tecnológico nessa área."

O projeto de Cameron, batizado de "Deepsea Challenge" (Desafio do Mar Profundo), começou há sete anos. O patrocínio veio da "National Geographic" e da Rolex.

As gravações duraram seis horas e foram feitas por meio de câmaras de alta definição e 3D acopladas aos submersível de oito metros, que o cineasta ajudou a projetar.

Além das câmeras, claro, houve a necessidade de muita luz: o submersível tem 2,4 metros de lâmpadas de LED. Por causa da profundidade, a fossa das Marianas fica em escuridão permanente. "É bom ver a luz do Sol", escreveu Cameron quando voltou à superfície.

Outro desafio é a pressão no fundo da fossa: cerca de mil vezes maior do que a no nível do mar.

Para dar conta do mergulho, Cameron se preparou com corrida e ioga. "Tive uma sensação de isolamento. Você percebe o quão insignificante é num espaço tão grande e inexplorado."

Via Folha.com

CertFica

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Feirão da Caixa conta com mais de 10 mil imóveis em leilão
Geral
Mega-Sena: ninguém acerta as seis dezenas e prêmio acumula em R$ 45 milhões
Geral
Mega-Sena sorteia neste sábado prêmio acumulado de R$ 38 milhões
Geral
Sonda da Nasa perde amostras do asteroide no espaço
Geral
Dono do Bifão da Coophasul, morre em Campo Grande
Geral
Empresa paulista AEGEA, vence leilão da PPP da Sanesul
Geral
Criança de 2 anos engole e fica com crucifixo preso no sistema digestório
Geral
Antônia Cylis precisa de doações de sangue na luta contra leucemia
Geral
Mega-Sena acumula e pagará R$ 38 milhões no sábado
Geral
Cantor sertanejo Edson realiza show em cobertura de escritório da Capital

Mais Lidas

Brasil
Vítima de estupro coletivo diz ter HIV
Polícia
Idoso com arsenal de armas foi preso após ameaçar vizinhos
Brasil
Astronomia: Jovem vende empada para comprar telescópio
Brasil
Namorado não aceita resposta do pedido de casamento e surta