Menu
Busca segunda, 14 de outubro de 2019
(67) 99647-9098
Geral

Modelo humanizado de ressocialização é lançado na capital

A Pedra fundamental da APAC foi lançada e Campo Grande será a primeira do estado a oferecer o modelo

14 dezembro 2018 - 11h47Rayani Santa Cruz

A Associação de Proteção e Assistência aos Condenados (APAC) fez lançamento da pedra fundamental em um terreno onde será construída a sede da associação que trará um novo modelo de ressocialização para internas de Mato Grosso do Sul. O evento ocorreu na manhã desta sexta-feira, no km 362 da BR-060, saída para Sidrolândia.

Depois de pronto o prédio funcionará em um modelo humanizado, sem grades, sem celas e sem agentes penitenciários, tendo funcionários da APAC em trabalhos constantes para a orientação e integração das internas em aprendizados profissionalizantes e social. O espaço vai abrigar 40 mulheres.

 De acordo com a presidente da Apac, a defensora pública aposentada Helita Barbosa Serejo Lemos Fontão, o modelo humanizado é relativamente novo no Brasil e o estado de Minas Gerais foi o primeiro a trazer esse plano, que é adotado em países como Canadá e Nova Zelândia. “Elas estarão cumprindo pena, e serão tratadas para ressocialização. As internas vão sair da Apac para nunca mais voltar a cometer crimes, o índice de reincidência é muito baixo. As próprias presas fazem suas refeições e são responsáveis pela limpeza do local”, disse. A ressocialização é integrada a espiritualidade, e segundo Helita e isso é fundamental para que  as apenadas desenvolvam o lado social e humano. 

Sobre a construção do prédio, é necessário que haja parcerias e verba financeira. “O inicio vai depender das parcerias e verbas conquistadas e será um sonho realizado quando ficar pronto”, explicou Helita Barbosa.

Em entrevista ao JD1 Notícias, o desembargador Ruy Celso Barbosa Florence, afirmou que partir do lançamento da pedra fundamental começam os esforços para a construção do prédio. O magistrado contou que será feito ao Ministério da Justiça um pedido de viabilização da verba necessária e, caso não se consiga o montante, serão feitas parcerias com empresas, ONGs e pessoas da sociedade que se comprometem a contribuir.

O vereador André Salineiro, vice-presidente da Apac, disse que o terreno foi doado pela prefeitura, e o modelo de resgate de vidas proporcionado tem sucesso onde é instalado. “Nós todos somos voluntários e acreditamos no projeto, que tem a espiritualidade presente, Campo Grande está sendo privilegiada, pois, será pioneira no estado. Seremos a primeira cidade de MS a realizar o projeto”. Salineiro também explicou que o custo financeiro de um interno da Apac é abaixo do sistema prisional comum e a reincidência é muito baixa, o que demonstra a legitimidade do projeto.

As internas terão cursos de capacitação como de corte e costura, culinária e até aulas de música. Para os integrantes da Apac, os trabalhos que serão realizados em Campo Grande colherão bons frutos e o modelo servirá de exemplo para todo o estado. 



 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Vai viajar? Segunda começa sem atrasos e cancelamentos no aeroporto
Geral
Irmã Dulce passa a ser Santa Dulce dos Pobres após canonização
Geral
MS 42 anos: Mato Grosso do Sul é referência do Ecoturismo brasileiro
Geral
Eletrobras lança plano de demissão para 1.681 funcionários
Geral
Irmã Dulce será reconhecida como Santa Dulce dos Pobres
Geral
Aeroporto Internacional de Corumbá será leiloado em 2º lote do governo
Geral
Petrobras vende campos terrestres no ES por US$ 9,4 milhões
Geral
Abraço Solidário visa fortalecer reestruturação da Seleta neste sábado
Geral
Sesc Cultura terá lançamento de livro sobre patrimônio histórico e bate-papo com autoras
Geral
Comerciante terá que pagar R$ 2,2 mil por transporte ilegal de caranguejos

Mais Lidas

Polícia
Adolescentes são apreendidos por necrofilia com cadáver de idosa
Geral
Irmã Dulce passa a ser Santa Dulce dos Pobres após canonização
Oportunidade
Prefeitura seleciona jovens para curso de voluntariado
Polícia
PMA apreende arma usada em caça ilegal