Menu
Busca domingo, 07 de março de 2021
(67) 99647-9098
Geral

Número de mortes nas estradas federais durante o carnaval foi o menor em dez anos

15 fevereiro 2013 - 10h42Daniel Castellano/Gazeta do Povo

Entre a sexta-feira que antecedeu o carnaval (08) e a Quarta-Feira de Cinzas (13) a Polícia Rodoviária Federal registrou 157 mortes nas estadas federais. Segundo o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, este é o menor índice em dez anos. Foi uma redução de 18% no número de mortes em relação a 2012.

Falta de atenção, ultrapassagem indevida e excesso de velocidade figuraram entre os principais fatores de acidentes com mortes. Maria Alice Nascimento Souza, diretora-geral do Departamento de Polícia Rodoviária Federal (DPRF), disse que o trabalho deste ano foi focado em diagnosticar os pontos críticos das rodovias e acentuar a fiscalização nesses locais.

No carnaval de 2013, a PRF teve um efetivo 20% maior que o mesmo período de 2012. Houve também um diálogo maior entre a PRF e os estados para atuação em conjunto.

Este carnaval foi marcado pela vigência da nova Lei Seca, mais rigorosa, com “tolerância zero” ao uso de álcool. Nos seis dias de operação, 1.932 condutores foram autuados e tiveram suas carteiras de habilitação recolhidas por terem consumido álcool antes de dirigir. Desses, 607 foram presos em flagrante por crime de trânsito. Minas Gerais foi o estado que teve mais motoristas reprovados no bafômetro (269) e com o maior número de prisões por esse motivo (74).

“A lei mais rígida traz a coerção, a intimidação, mas, além disso, há uma conscientização da população”, disse Cardozo. Foram feitos mais de 86 mil testes de alcoolemia com uso de bafômetro durante a operação do carnaval, aumento de 183% em relação a 2012. Houve um aumento de 37% no número de autuações e de 23% no número de prisões, ambas relacionadas ao consumo de álcool.

Ao todo, foram registrados 3.149 acidentes e 1.793 feridos. Em 2012, foram 3.499 acidentes com 2.207 feridos.

Cardozo acentuou que, depois do carnaval, o rigor da Lei Seca vai continuar. “Se alguém pensa que o rigor vai acabar com o carnaval, esqueça. Não é porque o carnaval acabou que vai acabar a fiscalização”, frisou o ministro.

Via Agência Brasil

APP JD1_android

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Covid faz mais uma vítima, o médico Carlos Garcia Queiroz
Geral
Major Helena é a 1ª mulher a comandar Academia de Bombeiros de MS
Geral
Com R$ 6,5 milhões, Energisa amplia subestação em Bandeirantes
Geral
Prefeitura vai ampliar leitos de UTI e retornar com desinfecções públicas
Geral
Macrorregião da capital esgota capacidade de leitos
Geral
CDL viabiliza “previsibilidade” junto a Marquinhos
Geral
Empresário André Vieira morre após complicação causada por remédio
Geral
Hemosul abre o dia todo neste sábado para doações de sangue
Geral
Covid: Veja quem é o público alvo e onde podem se vacinar neste sábado
Geral
Atriz é chamada de "escrava do comunismo" por usar duas máscaras; assista

Mais Lidas

Polícia
Jacaré é capturado dando 'rolê' em cidade de MS
Internacional
Estados Unidos inicia vacinação contra a Covid-19 em Nova York
Polícia
Morador de rua tenta matar desafeto a pauladas no interior do Estado
Polícia
Briga por capacete acaba em tentativa de homicídio