Menu
Busca segunda, 19 de agosto de 2019
(67) 99647-9098
Geral

Rapidez, conforto e economia do transporte particular boicotam o 'Dia Sem Carro'

22 setembro 2011 - 16h45João Garrigó

Deixar o carro ou moto em casa e optar por ir trabalhar utilizando algum dos transportes alternativos é algo raro, até impossível, pelo menos para a maioria dos condutores. Em Campo Grande o costume já parece "lei" e o reflexo pode ser visto mais nitidamente nesta quinta-feira (22), quando os motoristas são convidados a comemorar o Dia Mundial na Cidade Sem Meu Carro, mas as ruas continuam abarrotadas de veículos.

Também vale considerar que todos os motoristas que a reportagem conversou nesta manhã afirmaram não ter nem ao menos conhecimento de que hoje o movimento acontece em todo o mundo.

"Já ouvi fala desse Dia, mas não sabia que era hoje. Nem ouvi fala", garante a aposentada Vera Mattiello, de 59 anos.

Mas quando a pergunta é sobre deixar o transporte particular por um alternativo, a resposta negativa é unanimidade. A maioria tem argumentos fortes, que vão desde a segurança, rapidez, economia até o conforto. Todos, ainda, garantem que alternariam o uso do transporte coletivo se este oferecesse as características citadas acima.

O contabilista Marcio da Silva, de 33 anos, anda pela cidade de motocicleta e explica que optou por comprar o veículo para economizar dinheiro e tempo. Pelas contas de Marcio, o gasto em uma semana com combustível para pilotar a moto até o trabalho ou outros locais é de R$ 20. Se tivesse que pagar a passagem de ônibus teria que desembolsar R$ 50.

"É uma economia de R$ 30. Só deixaria meu veículo em casa se o transporte coletivo fosse mais barato e de qualidade, aí poderia alternar. E também não troco minha moto por um carro", frisa.

A frota de veículos na Capital já beira os 400 mil para uma população de cerca de 800 mil, o que equivale a um veículo para cada duas pessoas. As motocicletas representam mais de 90 mil deste total, sendo o transporte considerado pelos órgãos de segurança com o maior número de vítimas em acidentes de trânsito.

São considerados meio de locomoção alternativa todos que contribuem para a fluidez do trânsito e menor emissão de poluentes – bicicleta, metro, ônibus e a pé.

De carro é melhor

O comerciante Antonio Fagiolo, de 79 anos, diz com toda certeza que não troca o seu carro por ônibus ou qualquer outro transporte alternativo pela agilidade que consegue utilizando o veículo particular.

"Com o carro eu vou mais rápido onde quero, se tivesse que pegar um ônibus ia demorar muito", diz.

Ele conta que já usou muito o metro e ônibus no estado de São Paulo, mas há 30 anos, quando segundo ele o trânsito não era um caos. "Aquele tempo dava para usar. Se aqui o transporte público fosse bom quem sabe poderia alternar o uso", diz.

Só duas quadras

Já a auxiliar de serviços gerais Derci de Assunção, de 43 anos, admite que às vezes deixa de caminhar algumas quadras para ter o conforto do carro. Hoje ela foi ao mercado a duas quadras do serviço a pé, mas conta que muitas vezes o motorista do serviço alivia o esforço das funcionárias e leva de carro para fazer as compras.

No entanto, ela afirma que nem sempre foi assim. Há alguns anos atrás quando não tinha carro a locomoção era feita a pé.

"Ia de a pé, bicicleta, a gente se virava, não tinha preguiça. Agora com o carro é raro deixar ele em casa para ir a pé", confessa.

Aposentada garante que prefere independência de andar a pé. Independência e consciência andando a pé - "Coloco meu tênis e vou para todo quanto é lugar. Na minha casa tem três carros, dos meus filhos e marido, mas prefiro andar a pé", garante a aposentada Vera.

Ela diz que não gosta de andar de ônibus porque não sente segurança no transporte da Capital e por isso seus pés são o melhor meio de transporte. "Em Porto Alegre você vê todo mundo pegando ônibus, executivo, trabalhador. Aqui o coletivo não tem qualidade, segurança", frisa.

Vera também ensina que o desapego ao carro é uma questão de costume e o primeiro passo é ir aos locais perto de casa a pé. "Eu acho um absurdo ver vizinhas que vão à padaria que fica a duas quadras de carro. A pessoa tem que ter consciência, andar faz bem", alerta.

Se fosse lei?

O motociclista Marcio admite que o único para fazer os motoristas trocarem o veículo particular é a medida virando lei.

Mas a chefe da Divisão de Educação para o Trânsito da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito), Ivanise Rota, explica que a legislação não cabe ao trânsito da Capital, que segundo ela ainda não apresenta grandes entraves.

Ela frisa que o principal é seguir o conselho da aposentada Vera, e começar mudar a consciência em pequenos hábitos. "A pessoa tem que sentir bem em ir até a padaria a pé, em deixar o carro em casa, com a consciência de que está contribuindo para o bem do coletivo em que vive", diz.

Para a educadora de trânsito, a adesão ao Dia Sem Carro ainda não muito grande na Capital porque os motoristas ainda não sentiram o caos nas ruas, como já acontece em grandes metrópoles. "Os motoristas só começam a dar importância a campanha quando sentem o problema", frisa.

E o caminho para conscientizar a população e deixar o trânsito mais seguro é o investimento no transporte coletivo e campanhas como a desta quinta-feira.

"A população tem que ter pelo menos um dia para pensar, refletir sobre o problema e o governo tem que fazer sua parte nos investimentos do transporte", frisa.

O Dia Mundial na Cidade Sem Meu Carro será comemorado na Capital com passeio ciclístico às 19h, saindo da Orla Morena e com a presença de autoridades. A programação por todo país pode ser conferiada no site: http://www.nacidadesemmeucarro.org.br

Prefeitura - Niver CG

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Maior concurso na área da saúde reuniu 17.224 mil candidatos na capital
Geral
Aeroporto opera normalmente sem atrasos e cancelamento nesta manhã
Geral
Hospital Regional do MS será modernizado para melhor atendimentoo
Geral
Remédio para cólica menstrual tem efeito para tratar esquistossomose
Geral
Embraer divulga fotos de protótipo de avião com propulsão elétrica
Geral
Número de brasileiros presos no exterior sobe 18% em um ano
Geral
Trabalho de estudantes de MS contra violência doméstica e feminicídio ganha tela na TVE Cultura
Geral
Funsat Itinerante faz encaminhamento para emprego a emissão de CTPS
Geral
Mãe e filha de 5 anos que tiveram a casa queimada pedem doações
Geral
Trabalhador fica soterrado após desmoronamento em obra de drenagem

Mais Lidas

Polícia
Vídeo - Motociclista bate em ônibus e morre no local
Internacional
Homem bomba mata 63 pessoas em festa de casamento
Polícia
Polícia encontra ponto de venda de drogas em falsa empresa de reciclagem
Geral
Remédio para cólica menstrual tem efeito para tratar esquistossomose