Menu
Busca sexta, 22 de janeiro de 2021
(67) 99647-9098
Governo Futebol
Justiça

Consórcio Guaicurus terá que pagar R$ 10 mil a idosa que se machucou no ônibus

18 dezembro 2020 - 12h05Sarah Chaves com informações da Assessoria

O Consórcio Guaicurus e sua seguradora foram condenados pela 4ª Vara Cível de Campo Grande e a pagar R$ 10 milm por danos morais a uma idosa, que caiu dentro do transporte coletivo, e bateu o rosto no chão depois que o veículo envolveu-se em um acidente de trânsito no centro da Capital.

Segundo os fatos narrados no processo, em maio de 2014, a passageira chocou violentamente o rosto no chão do veículo após o motorista frear bruscamente e colidir com um veículo de passeio que trafegava pelo centro da Capital. A viúva precisou ser socorrida pelo corpo de bombeiros e encaminhada para a Santa Casa de Campo Grande.

A mulher ingressou na justiça com ação de indenização por danos morais e estéticos contra a concessionária que alegou, que a autora não comprovou que realmente tenha sido vítima do acidente citado, nem que precisou de atendimento médico. 

A empresa também sustentou que a queda foi por culpa exclusiva da vítima, que teria se posicionado de maneira incorreta no ônibus. A seguradora do Consórcio, teve a defesa apresentada no mesmo sentido da empresa.

Para a juíza da 4ª Vara Cível, Vânia de Paula Arantes, apesar das alegações das empresas, a senhora juntou aos autos uma declaração do corpo de bombeiros confirmando que precisou de atendimento após o citado acidente de trânsito, uma declaração da Agetran com seu nome como vítima do sinistro, bem como prontuário da Santa Casa. “Evidenciado o evento danoso e o nexo de causalidade, e tratando-se de hipótese de responsabilidade objetiva (independe de culpa), caberia à requerida evidenciar a existência de algum fato extintivo, modificativo ou impeditivo do direito da autora, ou seja, caberia a esta trazer elementos probatórios que demonstrassem que não se afigura existente a responsabilidade civil que lhe foi imputada na inicial, o que não ocorreu”.

A magistrada ressaltou que a empresa e a seguradora não comprovaram que a viúva se machucou por culpa exclusivamente dela, limitando-se apenas a fazer as alegações, sem apresentar provas.

Assim, a juíza fixou o valor da indenização por danos morais em R$ 10 mil, a ser pago solidariamente pelas pela empresa e pela seguradora. Quanto ao dano estético, a juiza julgou que não ficou comprovada a existência de sequelas decorrentes do acidente

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
Convidados terão que responder questionário para posse de Contar, no TJ
Justiça
Ministro do STF vê Jamil como chefe de "organização criminosa" e mantém prisão em Mossoró
Justiça
Eleitor tem até esta semana para justificar ausência no 1º turno
Justiça
Luísa Sonza é processada por suposto ato racista e nega as acusações
Justiça
Dois anos depois, ex-diretor do Hospital Regional é inocentado
Justiça
Sem provas, MPE inocenta Jamil Name e conselheiro do TCE da morte de delegado
Justiça
Empresária acusada de racismo paga R$ 10 mil e "se livra" da cadeia
Justiça
STF decide que amante não tem direito de dividir pensão com viúva
Justiça
Advogados peticionam contra "lentidão" no TJ, que se diz "surpreso"
Justiça
Vice-presidente do TJMS recebe homenagem no COPEJE

Mais Lidas

Polícia
Jacaré é capturado dando 'rolê' em cidade de MS
Internacional
Estados Unidos inicia vacinação contra a Covid-19 em Nova York
Polícia
Morador de rua tenta matar desafeto a pauladas no interior do Estado
Polícia
Briga por capacete acaba em tentativa de homicídio