Menu
Busca segunda, 17 de janeiro de 2022
(67) 99647-9098
Justiça

Ex-PM que assassinou a juíza Patrícia Acioli recebe nova condenação

Sammy dos Santos Quintanilha foi condenado a 30 anos de prisão

19 novembro 2021 - 14h57Da Redação, com Agência Brasil

O ex-policial militar Sammy dos Santos Quintanilha foi condenado a 30 anos de prisão e a 4 de reclusão, em regime inicialmente fechado, além de multa, pelos crimes de fraude processual e homicídio, agravados por motivo torpe e emprego de recurso que dificultou a defesa da vítima. Ele é um dos condenados pelo assassinato da juíza Patrícia Acioli, ocorrido em agosto de 2011.

O caso julgado na quarta-feira (17) foi o da morte do jovem Diego da Conceição Beliene, de 18 anos, que tinha deficiência mental, ocorrido em 2010. Na sentença, a juíza presidente do I Tribunal do Júri, Tula Corrêa de Mello, apontou que o homicídio ocorreu por “justiçamento”, praticado no exercício da função do policial militar.

“Ao contrário, se valeu da farda e armas do Estado para se unir ao grupo de ações táticas, grupo organizado criminalmente para praticar atos de execução, extorsão, extermínio e satisfação de interesses pessoais e vantagens. Policiais militares que se desviam das funções da honrada corporação - destinada a proteger, servir, salvaguardar a segurança – para se valer de atividades espúrias e nefastas, como as do presente feito, maculam toda a Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro”.

Outro acusado no processo, Jovanis Falcão Junior, também condenado pelo homicídio de Acioli, foi absolvido pelo I Tribunal do Júri. Até o momento da sessão plenária, os policiais acusavam o jovem assassinado de ser traficante e de estar armado.

De acordo com a sentença, o desdobramento da morte do jovem teria sido o estopim para a execução de Patrícia Acioli, crime que ocorreu horas após a decretação de prisão preventiva dos acusados pelo homicídio de Diego. A juíza Tula destacou que as atividades de “criminosos infiltrados na segurança pública do Estado não são estranhas aos presentes autos”, com os policiais tentando “se sobrepor à força da Justiça”.

“Prepararam uma emboscada e executaram com 21 tiros a juíza Patrícia Acioli na equivocada crença de que o Poder Judiciário recuaria da tutela dos direitos humanos que a magistrada promoveu até sua última decisão – a da prisão preventiva de todos os acusados neste feito. Ignorava, contudo, que não faltarão no Estado do Rio de Janeiro juízas que não se acovardam, honram sua toga e seguirão dignificando a atividade jurisdicional em decisões firmes prolatadas não apenas em nome da juíza Patrícia Acioli, mas, principalmente, em nome da Justiça”.

A juíza negou o direito do condenado recorrer em liberdade.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
Justiça rejeita pedido de prisão contra Bonner por incentivo à vacinação
Justiça
Por "má-fé", Ministério Público é condenado em São Paulo
Justiça
Gato Frajola ganha na justiça direito a guarda comunitária
Justiça
MP entrega nova lista sêxtupla para Tribunal de Justiça
Justiça
Gol terá de contratar serviço de busca para localizar cachorra perdida em aeroporto
Justiça
Juíza manda reduzir jornada de mãe de criança com deficiência
Justiça
MPF oficia Twitter para esclarecer ausência de canal de denúncias de fake news sobre Covid
Justiça
Lewandowski extingue pedido sobre vacinação de crianças
Justiça
Procuradoria abre investigação com base na CPI da Pandemia
Justiça
Confira o calendário oficial aprovado pelo TSE para eleições de 2022

Mais Lidas

Geral
Procura por Tânia entra no oitavo dia; militares seguem sem encontrar pistas da idosa
Polícia
Corpo de idosa é encontrado nua e com ferimentos na cabeça próximo a cemitério
Polícia
Motociclista morre após bater na traseira de caminhão parado na Vila Popular
Polícia
Idosa morre após ser arremessada de carro em acidente na BR-060