Menu
Busca quinta, 05 de agosto de 2021
(67) 99647-9098
Governo - covid atitudes
Justiça

Funcionários denunciam Hospital Adventista por intolerância religiosa

O hospital também foi denunciado por casos de racismo e homofobia

16 junho 2021 - 17h35Matheus Rondon

Após denúncias de intolerância religiosa, homofobia e racismo, o Hospital Adventista do Pênfigo, unidade Centro de Campo Grande, deverá tomar medidas preventivas contra a discriminação religiosa e assédio moral no seu ambiente de trabalho. O acordo judicial foi firmado entre Ministério Público do Trabalho em Mato Grosso do Sul (MPT-MS), a Instituição Adventista Central Brasileira de Educação e Assistência Social e a Instituição Adventista Centro-oeste de Promoção à Saúde, ambas mantenedoras do Hospital Adventista do Pênfigo

A conciliação foi homologada pela Justiça do Trabalho durante audiência de instrução no âmbito de ação civil pública movida pelo MPT-MS em face das mantenedoras do hospital, depois que inquérito civil constatou indícios de práticas discriminatórias de natureza religiosa e, em um dos casos, de cunho racial e sexual com uma das trabalhadoras, condutas caracterizadoras de assédio moral organizacional.

Depoimentos coletados durante audiências com empregados e ex-empregados no âmbito de inquérito civil instaurado pelo MPT-MS levaram à constatação de inúmeras ilicitudes, entre elas: o hospital não somente indagava, mas também submetia candidatos ao preenchimento de uma ficha na qual era questionada a religião professada; eram admitidos – e mantidos no cargo – preferencialmente profissionais da religião adventista; promoções, concessão de benefícios e melhor remuneração eram destinadas somente aos adventistas, ou àqueles que se convertiam à religião após admissão no emprego.

A investigação do MPT-MS apurou, ainda, que empregados que não se declaravam da religião adventista era tratados com mais rigor com relação à produtividade e desempenho; que o hospital demite os trabalhadores que não professam a religião ou a ela não se convertem, admitindo adventistas no lugar; permite que pastor adventista divulgue aos empregados vídeo com sátira sobre outras religiões; obriga seus empregados a paralisar suas funções para participar de cultos e orações em três momentos do dia e, ainda, permite que seus prepostos pratiquem atos discriminatórios ou ofensivos em razão da orientação sexual e da raça do empregado.

Obrigações de fazer e não fazer

Diante desta negativa, o MPT-MS ingressou com a ação no âmbito judicial, pedindo a condenação das instituições mantenedoras do hospital. Embora não reconheça as práticas a elas imputadas, as rés concordaram em firmar o acordo na Justiça com o MPT-MS, e deverão passar a observar as seguintes obrigações de fazer e não fazer, arroladas na ação:

1. Não permitir, tolerar, ignorar ou deixar de agir frente a situações que possam caracterizar assédio moral;

2. Implementar práticas para prevenção e combate do assédio moral, entre as quais deverá constar, obrigatoriamente, a criação e ampla divulgação de um canal direto de denúncias para os trabalhadores;

3. Não obrigar seus empregados a participarem de reuniões, cultos, orações ou qualquer evento de cunho religioso, sem que essa seja a vontade do empregado, nem permitir veiculação de vídeos satíricos sobre qualquer religião;

4. Não recrutar, contratar ou demitir, promover ou impedir a promoção (para cargos de chefia ou afins), remunerar de forma diferenciada, deixar de conceder ou conceder benefícios sociais ou melhor formação profissional;

5. Realizar anualmente, pelo prazo de três anos consecutivos, treinamento específico sobre assédio moral no meio ambiente de trabalho, com participação de todos os ocupantes de cargos/funções que detenham poder hierárquico, cujo conteúdo deverá abordar os seguintes assuntos, sem necessariamente se restringir apenas a eles: principais causas, formas, consequências e meios de combater a prática do assédio moral no meio ambiente de trabalho;

6. Realizar uma palestra, em até um ano da prolação da sentença, que aborde e esclareça sobre o tema assédio moral no meio ambiente de trabalho, com a participação de todos os trabalhadores (superiores e subordinados).

A ação pleiteia, ainda, o pagamento de R$ 500 mil, a título de danos morais coletivos e reparação, tendo em vista a gravidade das violações praticadas pelas rés. 

Sennar - queimada

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
Jamil Name Filho tem recurso negado pelo Tribunal de Justiça
Justiça
Por extraviar salários de professoras, diretora deve prestar serviços à comunidade
Justiça
STF decide manter Adélio Bispo no presídio federal em Campo Grande
Justiça
Homem tem condenação mantida por estuprar própria filha durante 10 anos
Justiça
Dois casos de feminicídio vão a julgamento em agosto na Capital
Justiça
MPT lança livro com panorama sobre luta contra tráfico de pessoas
Justiça
Servidores do TJMS voltam ao trabalho presencial nesta segunda-feira
Justiça
Bares e restaurantes aderem à campanha do MPMS contra o feminicídio
Justiça
Habeas Corpus de DJ Ivis é rejeitado por Gilmar Mendes
Justiça
Funcionária pede isolamento domiciliar, viaja e é demitida por justa causa

Mais Lidas

Internacional
Vídeo: ‘Vem de chicote, algema, corda de alpinista’, policiais são pegos transando em viatura
Internacional
‘A bonequinha não sabe brincar’, homem quebra pênis durante noite selvagem
Geral
Morre o advogado Marco Antônio na capital
Brasil
Vídeo: Amor de mãe? Casal homoafetivo tortura e mata menino de 7 anos