Menu
Busca terça, 22 de setembro de 2020
(67) 99647-9098
Aguas - super banner
Justiça

Justiça: Drogasil terá que indenizar cliente por assédio de atendente

Vítima receberá R$ 20 mil. Ela foi assediada pelo funcionária dentro da sala de vacinas

06 agosto 2020 - 15h35Flávio Veras

O Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJMS) determinou nesta quinta-feira (6), que a rede de farmácias, Drogasil, terá que indenizar em R$ 20 mil uma cliente após ela sofrer assédio sexual de um funcionário da empresa, em Campo Grande. Segundo o órgão, o autor já havia sido condenado por importunação sexual, o que comprova o fato.

Segundo os autos do processo, a mulher foi a uma unidade da drogaria e, quando foi na sala reservada para procedimentos curativos, aplicação de vacinas e de medicamentos, o funcionário teria assediado a cliente e aproximou-se de seu pescoço.

Após perder a ação em primeiro grau, a empresa farmacêutica ingressou com Apelação Cível no Tribunal de Justiça de MS argumentando que a sentença baseia-se apenas no testemunho da vítima, além de que não houve conduta que ensejasse reparação civil uma vez que, ao sair da sala, a apelada estava tranquila e feliz, não demonstrando reação de medo e tristeza.

Contudo, o relator do recurso, juiz substituto em segundo grau Luiz Antônio Cavassa de Almeida, lembrou que está incluso nos autos que houve a transação penal, aceita pelo funcionário da drogaria, denunciado pela prática do art. 67 da Lei de Contravenções Penais.

“A existência de transação penal inviabiliza a rediscussão do ato cuja natureza ilícita ficou claramente demonstrada no procedimento criminal, tornando certa a obrigação de indenizar o dano causado”, explicou o magistrado.

A indenização, na visão do relator, baseia-se, também, no Código de Defesa do Consumidor (Lei nº 8.078/90). E a responsabilidade pelos danos ocasionados independe da existência de culpa.

“Denota-se que a apelada sentiu-se indefesa diante da situação, pois encontrava-se em uma sala de vacinação trancada, e diante da atitude do funcionário, sentiu-se humilhada, constrangida, motivo pelo qual saiu da farmácia e prontamente procurou a Delegacia de Polícia e registrou o boletim de ocorrência”, acrescentou o relator.

Por fim, o magistrado ressaltou que “em casos desta natureza, a palavra da vítima tem relevante valor probatório, soma-se a isto que o caderno investigativo possui fé pública e valor probante para o reconhecimento das informações nele consignadas, o que evidencia ainda mais as alegações da autora/apelada.”

A decisão foi unânime em negar provimento, mantendo inalterada a sentença, e realizada em sessão permanente e virtual da 1ª Câmara Cível do TJMS.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
Candidatos à eleição podem tirar certidões on-line pelo TJMS
Justiça
Espaço de eventos indenizará em R$ 20 mil casal por falta de água durante casamento
Justiça
Anhanguera deverá indenizar ex-aluna por cobrança indevida
Justiça
Ministério Público move ação contra contrato do Consórcio Guaicurus
Justiça
Mutirão DPVAT: 1.787 processos podem ser finalizados em 2020
Justiça
Judiciário retoma gradativamente as atividades presenciais nesta terça
Justiça
Juiz ouve testemunhas de acusação do assassinato de Carla nesta terça
Justiça
Justiça proíbe Globo de divulgar detalhes da investigação de Flávio Bolsonaro
Justiça
Justiça determina que filhos de Flordelis fiquem em presídios separados
Justiça
Ministério Público prorroga regime diferenciado de trabalho

Mais Lidas

Geral
"O corpo é o de menos”, diz jovem no Dia Nacional da Luta PCD
Geral
“Só sintomas leves”, diz Reinaldo ao JD1
Internacional
Vídeo: Mulher dança reggaeton sobre caixão do namorado
Vídeos
Vídeo: Pedagoga leva soco durante abordagem policial racista