Menu
Busca terça, 26 de maio de 2020
(67) 99647-9098
TJ MS maio20
Justiça

Justiça: Uniderp demora a entregar diploma e pagará R$ 8 mil a estudante

Segundo a estudante, a demora fez com que ela não pudesse participar de processo seletivo

14 maio 2020 - 11h31Priscilla Porangaba

O Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJ-MS) negou recurso a Universidade Anhanguera - Uniderp que tentava reverter condenação do pagamento de R$ 8 mil por danos morais a uma acadêmica de Odontologia.

Segundo o processo, a estudante entrou com ação em razão da demora de entrega do diploma, que a impediu de concorrer a processo seletivo. A decisão foi dada em sessão da 2ª Câmara Civel.

Conforme informações da assessoria do tribunal, a jovem formou-se em Odontologia em junho de 2019 pela Uniderp, da avenida Ceará, nº 333 na  Vila Miguel Couto, e ficou sabendo de processo seletivo no Exército, que exigia diploma ou certificado de conclusão do curso.

A acadêmica foi até a coordenação do curso e pediu a colação de grau antecipada ou expedição do diploma, mas recebeu resposta negativa. A justificativa da instituição é que havia pendências financeiras e que somente forneceria o documento após a quitação das dívidas. A entrega do diploma aconteceu somente nove meses depois da formatura.

A defesa da acadêmica alegou que a atitude da universidade é totalmente ilegal e fere o ordenamento jurídico, além de ser a aluna beneficiária do Fies 100%.

A instituição apontou a existência de débitos referentes às mensalidades de setembro, outubro, novembro e dezembro de 2018, alegou que não há prova da conduta ilícita da universidade e que o “puro e simples inadimplemento contratual não acarreta indenização por dano moral”, que somente ocorreria em casos excepcionais e com a prova do efetivo dano. Desta forma, a universidade pediu que seja excluída a condenação de indenização por danos morais ou, caso mantida, seja reduzido seu valor

O desembargador Marco André Nogueira Hanson, relator do processo, citou parte da sentença de primeiro grau, quando o juiz apontou que a inércia da universidade em fornecer o diploma pleiteado, mesmo após nove meses e a judicialização do feito, configuram evidente falha na prestação dos serviços educacionais.

“E em razão da má prestação de serviço, a aluna foi submetida a situações constrangedoras e prejudiciais, pois mesmo após cumprir a grade curricular exigida pela faculdade, não tinha de fato os meios necessários para exercer sua profissão, causando-lhe prejuízos e impedindo sua inscrição em concursos”, transcreveu o relator da sentença singular.

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
CPI acusa Energisa de alterar resolução da Aneel para barrar perícia
Justiça
Assembleia fechará semestre em home office
Justiça
Reinaldo interpela o deputado Contar
Justiça
Veja a lista de escolas que terão desconto de até 25% nas mensalidades
Justiça
Justiça afasta adolescente de casa por abusar da irmã de 7 anos
Justiça
Farmácia terá que pagar R$ 20 mil à mulher que foi aliciada em atendimento
Justiça
TCU determina devolução de auxílio recebido por militares
Justiça
Vídeo - Com filho nos braços, Karinne chora ao relembrar de assassinato do marido
Justiça
Justiça - Empresa de formatura terá que indenizar acadêmica coagida
Justiça
Governo apura se 189.695 mil militares receberam auxílio emergencial

Mais Lidas

Geral
Morador reclama de vazamento de água no Arnaldo Estevão de Figueiredo
Saúde
Idosa de 78 anos é a 18ª vítima fatal de coronavírus no MS
Saúde
Capital: Em menos de 4h, barreiras sanitárias abordam 1,5 mil veículos
Geral
Calamidade pública poderá ser declarada em mais três cidades de MS