Menu
Busca domingo, 22 de maio de 2022
(67) 99647-9098
Tjms Maio22
Política

Contra sonegação, Gaeco fez operação e prisões

Ao todo foram cumpridos 32 mandatos de prisão

08 agosto 2018 - 18h51Da redação

O Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado (Gaeco) cumpriu 32 mandatos de prisão em Mato Grosso do Sul e outros quatro estados, sendo 13 em Campo Grande incluindo servidores públicos estaduais e empresários do ramo de venda de cereais, durante a Operação “Grãos de Ouro”.

De acordo com a promotora Cristiane Mourão, o Gaeco investiga a sonegação de imposto, principalmente o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), no comércio de grãos de Mato Grosso do Sul que já causou prejuízo de, no mínimo, R$ 44 milhões aos cofres públicos. A organização já vinha sendo investigada há dois anos a pedido da Secretaria de Estado de Fazenda que identificou, em 2016, a suposta sonegação.

A promotora explicou que o esquema funcionava a partir da venda de grãos de Mato Grosso do Sul para outros estados, para fraudar o fisco, o grupo falsificava notas fiscais como se fosse venda interna para o próprio estado. Durante o transporte, motoristas falsificavam uma segunda nota, como se o produto fosse de outro estado, com destino também para outra unidade da federação, e estaria de passagem por Mato Grosso do Sul. Desta forma, a organização criminosa poupava os compradores de outros estados de pagarem o ICMS.

Os dois servidores públicos que foram presos facilitavam o esquema concedendo incentivos fiscais para as empresas. A dupla era responsável por fornecer informações privilegiadas para o grupo.

O Gaeco negou a fornecer os nomes dos alvos. 

Prisões e apreensões 

Dos 32 mandatos de prisão, foram cumpridos 13 mandatos em Campo Grande, 9 em Chapadão do Sul, 2 em Costa Rica e um em Itaporã. Dois em Cuiabá (MT), um em Rio Verde (GO), dois em Presidente Prudente (SP), um em Rodeio Bonito (RS) e um em Mineiros (GO).

Os agentes cumpriram 33 mandados de busca em Campo Grande, 21 em Chapadão do Sul, 11 em Costa Rica, 1 em Coxim, 2 em Itaporã, 3 em Nova Alvorada do Sul, 1 em Fátima do Sul, 1 em Cassilândia, 1 em Rio Negro, 5 em Rio Verde de Goiás, 3 em Mineiros (GO), 5 em Alto Araguaia (MT), 2 em Cuiabá, 2 em Presidente Prudente (SP), 2 em São José do Rio Preto (SP), 1 em Paranapuã (SP), 1 em Jales (SP), 1 em Oroeste (SP), 1 em Cosmorama (SP), 1 em Três Fronteiras (SP), 1 em Álvares Machado (SP), 1 em Uberlândia (MG), 1 em Unaí (MG), 1 em Paranaguá (PR) e 2 em Rodeio Bonito (RS).

14 empresas envolvidas

O controlador-Geral do Estado, Carlos Girão, informou que, ao todo, 14 empresas, sendo a maioria delas “fantasmas”, estão envolvidas no esquema e serão fechadas ao final da ação.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Por onde anda seu candidato?
Política
Justiça Eleitoral reformula cinco aplicativos para as eleições
Política
Pablo Marçal é lançado à presidência e fala sobre "eleição diferente"
Política
Riedel recebe título de Cidadão Douradense na Expoagro
Política
Luiz Renato é o novo secretário de Fazenda de MS
Política
No Senado, destaque de Nelsinho Trad garante gratuidade de bagagens
Política
Riedel ouve demandas de comerciantes em Naviraí
Política
Fachin diz que as eleições podem contar com mais de 100 observadores estrangeiros
Política
Nelsinho quer homenagem a Juvêncio
Política
Jair Bolsonaro lamenta alta do preço do diesel e critica Petrobras

Mais Lidas

Polícia
Assassinato de jovem no Aero Rancho pode ter sido motivado por vingança
Polícia
JD1TV: Jovem de 21 anos é morto a tiros no Aero Rancho
Geral
O drama de Delinha
Polícia
Motociclista que morreu após acidente na Joaquim Murtinho não tinha CNH