Menu
Busca sexta, 05 de junho de 2020
(67) 99647-9098
Política

Murilo anuncia candidatura e diz que o momento é da Grande Dourados chegar ao Senado

25 junho 2010 - 09h13Nicanor Coelho

O vice-governador Murilo Zauith (DEM) anuncia oficialmente sua pré-candidatura ao Senado durante entrevista coletiva à imprensa de Dourados no auditório da Associação Comercial.

Murilo disse que este é um momento singular para os douradenses e a população dos demais municípios do sul do Estado. Para ele, a região esta com a faca e o queijo na mão.

Cerca de trezentas pessoas acompanharam a entrevista que serviu para Murilo apresentar o vice-prefeito de Campo Grande, Edil Albuquerque, como primeiro suplente e anunciar que o segundo suplente será o ex-prefeito de Três Lagoas, Antônio Joao Campos de Carvalho.

A grande estrela da entrevista, que se transformou num ato politico, foi o prefeito de Campo Grande, Nelsinho Trad, que roubou a cena e fez um discurso convincente exortando os partidários de Murilo que a vitória é possível.

Junto com Nelsinho veio a Dourados para apoiar a candidatura de Murilo um grupo de quinze vereadores da base aliada do prefeito da capital na Câmara da Capital. Também integrava a comitiva o empresário Antônio Joao Hugo Rodrigues, suplente do senador Delcidio nesta legislatura. Antonio João tem feito críticas ao encaminhamento, do qual foi alijado, que levou o PTB a aliança com Puccinelli.

Nelsinho disse que Murilo tem a capacidade de unir toda a classe politica da região em torno da ideia lançada há um ano, nascida do sentimento dos douradenses que lutavam por mais representatividade no Congresso Nacional. Os deputados Mauricio Picarrelli e Jose Teixeira, vereadores de Dourados e municípios vizinhos e também lideranças empresariais compartilharam da entrevista coletiva.

Edil Albuquerque disse que o desejo dos douradenses e da região sul junto, com o apelo do governador, serão suficientes para garantir todo o combustível da campanha que já nasce vitoriosa .

Entretanto, o governador Puccinelli não compareceu.  E sua ausência foi suficiente para gerar comentários de bastidores sobre seu verdadeiro empenho na eleição de Murilo, pois em todas as últimas visitas à cidade afirmou que Murilo era seu segundo candidato..

Da mesma forma, o prefeito Ari Artuzi (PDT), que há um ano participou do movimento "um senador por Dourados", não apareceu. À época, Artuzi disse que apoiava a ideia. Hoje, Murilo declarou que todo apoio é bem-vindo e espera que Artuzi cumpra o que disse.

Trajetória

A trajetória e Murilo na luta para ser candidato ao Senado nos últimos doze meses foi cheia de altos e baixos. Na verdade os percalços começaram dias depois do lançamento do movimento que reivindicava “um senador para Dourados” em junho do ano passado assim que foi deflagrada a Operação Owari.

A Campanha “Sim, nos queremos, podemos e merecemos” um Senador era coordenada pelo vice-prefeito Carlinhos Cantor (PR) que teve seu nome envolvido na Owari e deixou de lado o movimento lançado numa solenidade cheia de políticos na primeira semana de junho de 2009 no auditório da ACED (Associação Comercial e Empresarial de Dourados). Cantor que esta em Belo Horizonte não participou da entrevista coletiva.

Nesta solenidade o nome de Murilo Zauith foi colocado oficialmente, pela primeira vez, como o candidato que representaria Dourados e todos os municípios do Sul do Estado.

Depois das intermináveis idas e vindas Murilo aparou as arestas com o governador André Puccinelli (PMDB) e conseguiu amarrar com “nó de marinheiro” a sua candidatura.

Exatamente um ano depois de participar do lançamento do Movimento, Murilo retorna à Associação Comercial, territórios dos comerciantes para anunciar publicamente que “é candidato” e o nome do seu suplente Edil Albuquerque (PMDB), vice-prefeito de Campo Grande.

No ano passado, logo depois que o Movimento “Senador por Dourados” foi lançado centenas de adesivos e camisetas foram distribuídas para reforçar o desejo do Sul do estado em eleger um senador.

O movimento “Sim, Nós Queremos! Podemos! E Merecemos” tinha, segundo Carlinhos Cantor, o caráter suprapartidário e foi articulado com a intenção de unir a classe política em torno de um projeto para reforça o peso político da região na Assembleia Legislativa, Câmara Federal e no Senado.
 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Convenções partidárias serão virtuais nas eleições deste ano
Política
Geraldo Resende e Pedrossian Neto ficam nas secretarias
Política
Coronel David solicita manutenção em rodovias que ligam Três Lagoas à Brasilândia
Política
LDO estima impacto da pandemia e receita orçada é de R$ 16,17 bilhões
Política
Bolsonaro veta uso de R$ 8,6 bilhões no combate ao coronavírus
Política
Deputados pedem reabertura do Parque das Nações Indígenas
Política
Assembleia reconhece calamidade em mais quatro municípios
Política
“Grandes nomes”, diz Temer sobre Marun, André, Simone e Moka
Política
Moro ficará seis meses recebendo salário de ministro sem poder advogar
Política
Mais quatro cidades de MS podem ter calamidade pública reconhecida

Mais Lidas

Geral
Filho de vereadora morre após passar mal em futebol
Cidade
Com a pandemia, mil trabalhadores já foram demitidos na rodoviária, alerta sindicato
Justiça
MPF pede arquivamento de inquérito contra Adélio por facada em Bolsonaro
Polícia
Após chamar Caio de “resto de incêndio”, Renatto fala em brincadeira diz estar arrependido