Menu
Busca segunda, 22 de julho de 2019
(67) 99647-9098
Política

Temer diz que fez governo semiparlamentarista

O presidente que assumiu depois do impeachment de Dilma Roussef concedeu entrevista; veja

17 dezembro 2018 - 11h45Da redação com Uol Notícias

O presidente da República, Michel Temer (MDB), foi entrevistado no programa Poder em Foco, no SBT, na madrugada desta segunda (17), onde falou um pouco sobre os anos de governo e balanços da gestão.

"Eu fiz um governo semiparlamentarista e trouxe o Congresso para governar comigo, algo que no passado não acontecia", afirmou. 

Segundo o site UOL, sobre o estilo de governar, Temer ironizou a expressão "toma lá, dá cá". "Não tem nada de toma lá dá cá. Essa história foi criada. As pessoas não percebem que as emendas [parlamentares] são impositivas [ou seja, são obrigatórias, não cabendo negociação posterior]", afirmou sem se prolongar na explicação do funcionamento dessas emendas. 

Ele também minimizou os protestos que recebeu logo após o impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff. "Eu apanhei o governo numa situação de muita contestação. Quando o presidente é impedido, assume o vice, com toda naturalidade". 

Temer  elogiou Dilma "moralmente": "Eu tenho a impressão de que ela é uma senhora correta, honesta. Eu não tenho essa impressão de ela seja alguém que chegou ao governo para se apropriar das coisas públicas", disse. "Nunca tive essa impressão e confesso que continuo não tendo", concluiu. 

Questionado em relação ao seu sucessor, Jair Bolsonaro (PSL), ele disse que sua "expectativa é positiva.
"Na democracia é assim: Há um momento em que o povo quer mudar tudo. Quando Lula foi eleito, foi assim. E mudaram. E essa mudança persistiu por vários anos. Agora, optou-se por uma forma 'contra tudo que estava aí'", comparou. Para ele, o próximo governo vai manter as reformas que implantaram ou, até mesmo, ampliá-las. "E eu acho que o governo Bolsonaro vai votar [a Reforma da Previdência] no começo do ano que vem". Já sobre o futuro ministro da Justiça, Sergio Moro, Temer foi menos assertivo em sua avaliação: “Eu acho que ele prestou um relevante serviço e, segundo as concepções dele, decidiu prestar esse serviço ao Ministério da Justiça”. Para o Bolsonaro, foi ótimo. 

Denúncias

 Michel Temer negou que irá para Portugal após o fim de seu mandato, disse que ficará em sua casa em São Paulo (SP) e se mostrou confiante em relação às denúncias que recebeu. "Quando eu sair da presidência o foco não será mais político, vai para o foco jurídico. [Não há] nem preocupação minha, nem dos advogados. Essa denúncia gerou duas manifestações da Câmara como se fosse um pedido de impeachment. E o que a Câmara fez? Negou", afirmou o presidente.

Ele repetiu a tese de que houve uma "armação" para impedir a Reforma da Previdência no ano passado, referindo-se ao episódio da gravação do áudio pelo dono da JBS, Joesley Batista,  e mostrou tranquilidade ao expor os planos após o fim de mandato. "Na vida pública eu já fiz tudo o que eu tinha de fazer. Quero voltar pra São Paulo. Se me chamarem pra fazer palestras, eu vou... Eu vou ter tempo, né?" concluiu Temer.  

1/4 colchões

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Licitação para construção da ponte na Rota Bioceânica é assinada
Política
Mandetta quer revigorar o SUS
Política
Reinaldo destaca a importância de Porto Murtinho na Rota Bioceânica
Política
Ramos afirma que pretende manter boas relações com parlamentares
Política
Presidente tucano assegura apoio a Marquinhos na capital
Política
Reinaldo vai à fronteira nesta sexta-feira
Política
"Governo não vai criar novos impostos", diz Bolsonaro
Política
Câmara define comissão para atuar durante o recesso
Política
Delegado da PF assume presidência da Funai, com apoio de ruralistas
Política
Tucanos discutirão estratégias para 2020 neste sábado

Mais Lidas

Polícia
Acidente na BR-262 mata dois em Rio Pardo
Polícia
Homem é executado por pistoleiros em conveniência
Polícia
Jovem morre em acidente e suspeito foge do local
Polícia
Idosa é encontrada morta dentro de casa