Menu
Busca quarta, 24 de abril de 2019
(67) 99647-9098
governo festa da linguiça
Política

Temer diz que fez governo semiparlamentarista

O presidente que assumiu depois do impeachment de Dilma Roussef concedeu entrevista; veja

17 dezembro 2018 - 11h45Da redação com Uol Notícias

O presidente da República, Michel Temer (MDB), foi entrevistado no programa Poder em Foco, no SBT, na madrugada desta segunda (17), onde falou um pouco sobre os anos de governo e balanços da gestão.

"Eu fiz um governo semiparlamentarista e trouxe o Congresso para governar comigo, algo que no passado não acontecia", afirmou. 

Segundo o site UOL, sobre o estilo de governar, Temer ironizou a expressão "toma lá, dá cá". "Não tem nada de toma lá dá cá. Essa história foi criada. As pessoas não percebem que as emendas [parlamentares] são impositivas [ou seja, são obrigatórias, não cabendo negociação posterior]", afirmou sem se prolongar na explicação do funcionamento dessas emendas. 

Ele também minimizou os protestos que recebeu logo após o impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff. "Eu apanhei o governo numa situação de muita contestação. Quando o presidente é impedido, assume o vice, com toda naturalidade". 

Temer  elogiou Dilma "moralmente": "Eu tenho a impressão de que ela é uma senhora correta, honesta. Eu não tenho essa impressão de ela seja alguém que chegou ao governo para se apropriar das coisas públicas", disse. "Nunca tive essa impressão e confesso que continuo não tendo", concluiu. 

Questionado em relação ao seu sucessor, Jair Bolsonaro (PSL), ele disse que sua "expectativa é positiva.
"Na democracia é assim: Há um momento em que o povo quer mudar tudo. Quando Lula foi eleito, foi assim. E mudaram. E essa mudança persistiu por vários anos. Agora, optou-se por uma forma 'contra tudo que estava aí'", comparou. Para ele, o próximo governo vai manter as reformas que implantaram ou, até mesmo, ampliá-las. "E eu acho que o governo Bolsonaro vai votar [a Reforma da Previdência] no começo do ano que vem". Já sobre o futuro ministro da Justiça, Sergio Moro, Temer foi menos assertivo em sua avaliação: “Eu acho que ele prestou um relevante serviço e, segundo as concepções dele, decidiu prestar esse serviço ao Ministério da Justiça”. Para o Bolsonaro, foi ótimo. 

Denúncias

 Michel Temer negou que irá para Portugal após o fim de seu mandato, disse que ficará em sua casa em São Paulo (SP) e se mostrou confiante em relação às denúncias que recebeu. "Quando eu sair da presidência o foco não será mais político, vai para o foco jurídico. [Não há] nem preocupação minha, nem dos advogados. Essa denúncia gerou duas manifestações da Câmara como se fosse um pedido de impeachment. E o que a Câmara fez? Negou", afirmou o presidente.

Ele repetiu a tese de que houve uma "armação" para impedir a Reforma da Previdência no ano passado, referindo-se ao episódio da gravação do áudio pelo dono da JBS, Joesley Batista,  e mostrou tranquilidade ao expor os planos após o fim de mandato. "Na vida pública eu já fiz tudo o que eu tinha de fazer. Quero voltar pra São Paulo. Se me chamarem pra fazer palestras, eu vou... Eu vou ter tempo, né?" concluiu Temer.  

pmcg - prestação de contas

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Nelsinho terá escritório em Naviraí para atender demandas da região
Política
Previdência: CCJ aprova parecer favorável
Política
Previdência: CCJ abre sessão para votar parecer do relator da reforma
Política
Odilon Júnior passa a ser relator da LDO 2020
Política
Prefeita de Miranda tem mandato cassado pelo TRE
Política
Sérgio de Paula presidirá PSDB
Política
Guardas municipais podem ser incluídos na Força Nacional de Segurança
Política
Coronel David discutirá “O Plano Estratégico de Segurança nas Escolas”
Política
Deputados criam frente parlamentar para discutir problemas em rios de Bonito
Política
Humorista é o novo presidente da Ucrânia

Mais Lidas

Polícia
Vídeo - Após ser traído, homem se joga em carro em chamas
Geral
Capital terá mais uma roda-gigante com vista para pontos turísticos
Internacional
Reação alérgica a pasta de dente, mata criança de 11 anos
Polícia
Crime de estupro, seguido de suicídio terá investigação concluída após laudo