Menu
Busca segunda, 06 de dezembro de 2021
(67) 99647-9098
Sebrae - Dez21
Saúde

Liberado certificado de vacinação para quem tomou vacinas diferentes

A emissão poderá ser realizada por meio do aplicativo ConecteSUS

22 outubro 2021 - 16h46Da Redação, com Agência Brasil

O certificado de vacinação contra a covid-19 para quem tomou duas doses de marcas diferentes, a chamada intercambialidade, está com a emissão liberada por meio do aplicativo ConecteSUS. Foi o que anunciou hoje (22) o Ministério da Saúde.

Essa alternativa estava proibida no app. Em nota no início do mês, o ministério reconheceu que o sistema impedia a emissão do certificado e informou que buscaria uma solução para evitar essa limitação.

O certificado de vacinação é um documento que o cidadão pode emitir para comprovar que concluiu o ciclo vacinal, seja por meio do recebimento de duas doses na maioria dos casos ou da dose única em se tratando da vacina da Janssen.

Intercambialidade

De acordo com a nota técnica do Ministério da Saúde, de maneira geral as vacinas contra a covid-19 não são intercambiáveis, ou seja, indivíduos que iniciaram a vacinação devem completar o esquema com a mesma vacina. No entanto, em situações de exceção, onde não for possível administrar a segunda dose com uma vacina do mesmo fabricante, seja por contraindicações específicas ou por ausência daquele imunizante no país, poderá ser administrada uma de outro laboratório. 

A segunda dose deverá ser administrada respeitando o intervalo adotado para o imunizante utilizado na primeira dose.

Às mulheres que receberam a primeira dose da vacina AstraZeneca/Fiocruz e que estejam gestantes ou no puerpério (até 45 dias pós-parto), no momento de receber a segunda dose da vacina, deverá ser ofertada, preferencialmente, a Pfizer/Wyeth. Caso esse imunizante não esteja disponível na localidade, poderá ser utilizada a vacina Sinovac/Butantan.

Contudo, a despeito da orientação do Ministério da Saúde, diversas cidades realizaram a intercambialidade durante alguns períodos diante da alegação de falta de uma determinada marca para aplicar a segunda dose. Foi o caso de São Paulo, que tomou essa decisão em setembro.

A Agência Brasil publicou matéria explicativa sobre o tema, mencionando orientações das autoridades de saúde nacionais e internacionais e estudos que apontaram possíveis benefícios do uso de marcas diferentes.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Saúde
Neste domingo, apenas drive-thru do Albano Franco vacina contra covid
Saúde
Brasileiros devem redobrar cuidados no verão contra câncer de pele
Saúde
Covid: Vacina estará disponível em 12 locais neste sábado
Saúde
Mais de 1 milhão de doses da Janssen são liberadas e podem ser distribuídas
Saúde
OMS diz que Ômicron é "bastante infecciosa", mas não deve haver pânico
Saúde
Confira a escala médica de plantão nas UPAs e CRSs desta sexta-feira
Saúde
Dose de reforço é aplicada em 45 pontos da capital nesta sexta-feira
Saúde
Ministério confirma cinco casos da variante Ômicron no Brasil
Saúde
Interior vai receber cirurgias que só eram realizadas na Capital, diz Riedel
Saúde
AO VIVO: Governador lança nova etapa da Caravana da Saúde

Mais Lidas

Polícia
Acidente entre motos tira a vida de jovem de 19 anos
Polícia
Homem é esfaqueado por vizinho por defender filho na Capital
Polícia
Jovem morre atropelada por motociclista bêbado em MS
Polícia
Briga entre funcionários de Fazenda termina em morte à facadas